O silencioso comando dos algoritmos

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • Bancos vão ficar com 62% da renda do trabalhador se capitalização for aprovada

    LER MAIS
  • Papa Francisco entrega sua cruz peitoral à comunidade de Brumadinho

    LER MAIS
  • "Vamos guardar o pessimismo para tempos melhores". Entrevista com Frei Betto

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Abril 2013

Os algoritmos são a nova gramática do poder. Eles estão enraizados nas plataformas digitais invisíveis, alertou o professor franco-canadense Serge Proulx em palestra proferida para a comunidade acadêmica da Comunicação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), na segunda-feira, 8, quando questionou o "solucionismo tecnológico".

A reportagem é de Edelberto Behs e publicada pela Agência Latino-Americana e Caribenha de Comunicação - ALC, 12-04-2013.

"Em qual mundo vivemos?" - indagou Proulx ao falar de participação na era digital, que definiu como "um poder de ação frágil e paradoxal". Ele formulou uma crítica à sociedade em rede, perguntando em que se tornou a promessa de liberdade anunciada nesses novos tempos.

Reportando-se ao sociólogo bielorusso Evgenij Morozov, o palestrante destacou que a internet é centralizada e hierarquizada, dominada pelas grandes empresas como Google, Microsoft, Yahoo e outras, que controlam as plataformas através dos algoritmos.

A crença na abolição da hierarquia é quase um mito religioso, disse. Uma mudança proposta na wikipedia passa por uma hierarquia, que a adota ou não. A rede é um modelo social e político que está na base da reestruturação das organizações. Morozov afirma que existe uma cultura da internet única e coerente no fundamento de um novo paradigma.

O internetcentrismo, uma categoria proposta por Morozov, procura aplicar o modelo da internet para todas as instâncias da vida, como se ela fosse a solução para os problemas do mundo, como se fosse um modelo de engajamento cidadão. A ideologia da comunicação, que Proulx desenvolveu em parceria com Philippe Breton, questiona a ideia de que todos os problemas se resolvem pela comunicação e negociação.

"A maioria dos problemas são engendrados por interesses divergentes e não podem ser resolvidos pela comunicação, pela crença no milagre técnico do digital, ou pensar que trará maior democracia e soluções prontas para a humanidade", afirmou. Naquele caso, toda e qualquer solução seria uma questão de algoritmo, sem levar em conta a dimensão filosófica, antropológica, psicológica da pessoa humana, admoestou.

As tecnologias inteligentes que se propõem a ajudar as pessoas na tomada de decisões controlando seus gestos e opiniões postula um modo de vida em que as incoerências são completamente eliminadas, e reduzem as problemáticas sociais a simples carências individuais, apontou.

Para Proulx, está subjacente a isso tudo o perigo do conservadorismo. "A inovação tecnológica nem sempre se traduz em uma inovação social. As máquinas nem sempre tomam as decisões certas. Elas reduzem o nosso tempo de decisão, o que coloca em cheque a nossa responsabilidade humana, política e social", alertou.

A midiatização do mundo, disse, é um mundo organizado e controlado pelo algoritmo. Mas Proulx reconhece que a midiatização incentiva a cooperação, a difusão de conhecimento sem alguma contrapartida monetária, como ocorre com o software livre, web 2.0, wikipedia, baseada na criação de conteúdos pelos próprios usuários. As pessoas sentem prazer nessa criação voluntária de um bem coletivo sem esperar retorno financeiro.

Proulx faz duas leituras da realidade produzida pela sociedade em rede. A primeira, procedente de pensadores do capitalismo cognitivo, que encara a transformação do sistema como uma possibilidade, mas sem abandonar a ideia de mercado.

A outra leitura, de uma utopia pós-mercantil, permite sonhar com uma superação do capitalismo pelas dissidências digitais, inventando um mundo que sobreviva fora do mercado. O ato criativo pode ser o embrião dessa revolução silenciosa. O horizonte de um mundo pós-mercantil é frágil, pode ser efêmero, "mas é a esperança que me habita", destacou Proulx.

Serge Proulx é professor titular da École des Médias, da Université de Québec e Montréal, no Canadá, e professor associado do Télécom ParisTech, França. Autor de dezenas de livros, ele ministrará, de 15 a 19 de abril, o Seminário Mutação da Comunicação: Emergência de uma Cultura da Contribuição na Era Digital, do Programa de Pós-Graduação da Ciência da Comunicação da Unisinos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O silencioso comando dos algoritmos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV