Máximo de gelo no Ártico é o quinto menor já registrado pela Nasa

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco e as uniões homossexuais

    LER MAIS
  • Dom Paulo Cezar Costa, novo Arcebispo de Brasília. Nota da Comissão Justiça e Paz de Brasília

    LER MAIS
  • O chileno salvo por Bergoglio - “Ele foi o primeiro a acolher os homossexuais como filhos de Deus”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 04 Abril 2013

Medição do volume de gelo no oceano é feita há 35 anos. No último verão, região teve recorde mínimo de gelo.

A reportagem é do sítio Globo Natureza, 04-04-2013.

Uma análise feita pela Nasa com o uso de imagens de satélite mostrou que a área máxima ocupada pelo gelo no Ártico durante o último inverno foi a quinta menor já registrada – as medições começaram a ser feitas há 35 anos.

Durante o inverno, o oceano situado nas redondezas do polo Norte se congela e o gelo ocupa vastas áreas da região. No entanto, os 15,09 milhões de quilômetros quadrados de gelo registrados em 28 de fevereiro ficaram abaixo do normal e, de acordo com os cientistas, esta é uma tendência. A marca está 374 mil quilômetros quadrados abaixo da média de máximas – área equivalente aos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina juntos. Nove entre as dez menores marcas máximas aconteceram ao longo da última década.

O menor volume do gelo no Ártico seria uma consequência do aquecimento dos mares. No verão, quando o gelo atinge seu mínimo, a marca registrada no Ártico em 2012 foi a menor da história. O máximo de gelo geralmente é registrado entre fevereiro e março, enquanto o mínimo é em setembro.

O relativamente baixo volume de gelo registrado durante o inverno não indica necessariamente que o verão também vá ter um derretimento maior que o normal. No entanto, há modelos científicos que mostram que o Ártico pode ter verões sem gelo ainda neste século.

O derretimento do gelo polar é um dos efeitos mais temidos da mudança climática, pois aumentaria o volume dos oceanos e colocaria em risco as populações que vivem em regiões litorâneas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Máximo de gelo no Ártico é o quinto menor já registrado pela Nasa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV