Movimentos sociais se mobilizam em frente ao fórum de Marabá, no Pará

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Brasil pode ter 2021 pior que 2020 mesmo com vacina, diz ex-presidente da Anvisa

    LER MAIS
  • Os 60 bebês do Amazonas: retrato de um futuro asfixiado

    LER MAIS
  • Três grandes ameaças à vida na Terra que devemos enfrentar em 2021. Artigo de Noam Chomsky e Vijay Prashad

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 03 Abril 2013

Cerca de 300 pessoas integrantes de movimentos sociais estão reunidas em frente ao Fórum de Marabá, no sudeste paraense, para acompanhar o julgamento dos acusados de assassinar o casal de extrativistas José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva em 2011.

A reportagem é do portal G1, 03-04-2013.

Uma missa campal iniciou às 7h30 e foi presidida pelo bispo da Diocese de Marabá, Dom Vital Corbellini e durou cerca de meia hora. Após a celebração, manifestantes fizeram um ato silencioso, em que carregavam cruzes de madeira contra o peito, simbolizando as mortes no campo.

Uma delegação internacional formada por entidades que representam os trabalhadores rurais da Argentina, Colômbia e Suécia também está em Marabá. Eles vão acompanhar o júri com representantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), Comissão Pastoral da Terra (CPT) e Federação dos Trabalhadores na Agricultura (Fetragri).

"A gente espera que dessa vez haja condenação e justiça. A gente, como sociedade brasileira e paraense, não aguenta que essa impunidade continue acontecendo", afirma a coordenadora do MST Mercedes Queiroz. Segundo o MST, no estado do Pará, 38 pessoas estão marcadas para morrer.

Um dos agricultores que morava no mesmo assentamento do casal de extrativistas assassinado é um dos que está ameaçado de morte. Ele prefere não revelar sua identidade e desabafa. "Eu peço aqui nesse momento que a Justiça venha a fazer algo por nós. Eu sou brasileiro, pago meus impostos e hoje não posso estar em Marabá, meus filhos não têm o direito de estudar e eu vivo como um foragido, vivendo em outro estado".

O ator Osmar Prado é uma das pessoas que está no Fórum de Marabá como representante do Movimento Humanos Direitos (MHuD), dos quais fazem parte ainda artistas conhecidos nacionalmente como Paulo Betti, Letícia Sabatella, Ângelo Antônio, Sérgio Mamberti, Marcos Winter, Leonardo Vieira, Camila Pitanga, entre outros.

"Precisamos de todas as maneiras combater a violência no campo. A impunidade deve ser combatida e o julgamento de casos como esse representa o início.", contou o ator. O Movimento Humanos Direitos (MHuD) desenvolve atividades em prol da paz e dos direitos humanos. O foco é voltado para os problemas do trabalho escravo, dos abusos praticados contra crianças e adolescentes, as questões dos quilombolas, do meio ambiente e dos povos indígenas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Movimentos sociais se mobilizam em frente ao fórum de Marabá, no Pará - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV