O diaconato feminino segundo o cardeal Walter Kasper

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Irã. A história política do país persa, xiita e anti-imperialista

    LER MAIS
  • Com acusação de ambientalistas que trabalham na proteção da Amazônia, "o medo está instalado", diz Libération

    LER MAIS
  • “Do fundo do nosso coração” é um “de profundis”. Ou seja, o Concílio Vaticano II não é opcional

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Fevereiro 2013

Um novo cargo para as mulheres, isto é, uma forma particular de diaconato feminino. Essa é a proposta feita pelo cardeal Walter Kasper, durante uma jornada de estudo organizada no âmbito da assembleia de primavera da Conferência Episcopal Alemã, em Trier, e que tem o objetivo de discutir como envolver mais as mulheres na vida eclesiástica.

A reportagem é de Alessandro Alviani, publicada no sítio Vatican Insider, 22-02-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Kasper falou de uma "diaconisa" paroquial, que seria diferente do diácono clássico, e que poderia desempenhar funções pastorais, de caridade, de catequese, além de serviços litúrgicos particulares. A diaconisa não seria receberia o sacramento da Ordem, mas uma bênção.

Hoje, muitas mulheres já desempenham funções diaconais, de modo que não se pode recusar, em princípio, o enfrentamento da questão, argumentou Kasper. Dessa forma, se retomaria uma antiga tradição, acrescentou, lembrando que o diaconato feminino estava previsto na Igreja dos séculos III e IV.

No que diz respeito ao sacerdócio feminino, no entanto, o cardeal reiterou um firme "não": "Acredito que não se possa mudar nada no fato de que não se pode ordenar mulheres como sacerdotisas. Trata-se da tradição ininterrupta da Igreja oriental, assim como da ocidental", observou Kasper.

Como lembra Franz-Josef Bode, bispo de Osnabrück e presidente da Comissão de Pastoral da Conferência Episcopal Alemã, os bispos alemães também se empenharam para aumentar sensivelmente o número das mulheres nas posições eclesiásticas de cúpula que não pressuponham a ordenação sacerdotal. Em cinco anos, serão avaliados os desenvolvimentos nessa frente.

Atualmente, as mulheres que ocupam cargos de direção acessíveis aos leigos nos níveis mais altos níveis da estrutura organizativa das dioceses alemãs chegam a 13%, enquanto as de níveis intermediários são 19%. Segundo a Conferência Episcopal Alemã, trata-se de um crescimento significativo com relação a 2005, quando a cota das mulheres era de, respectivamente, 5% e 13%. As mulheres cumprem, dentre outras coisas, as funções nos setores de ensino e formação, direito e serviço de pastoral.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O diaconato feminino segundo o cardeal Walter Kasper - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV