As convicções da Dama de Ferro se explicam por sua religiosidade, afirma historiadora

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma escolha crucial: como a Igreja seleciona seus bispos?

    LER MAIS
  • Padres despedaçados. Artigo de Pietro Parolin

    LER MAIS
  • Os três passos dos homens

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 08 Abril 2013

Especialista em Margaret Thatcher, a professora de História Contemporânea do King’s College Eliza Filby afirma em entrevista ao jornal O Globo, 09-04-2013, que apesar do legado negativo que terá deixado, como o excesso de liberdades no mercado financeiro, “ela também tirou o país do caos”. Para a historiadora, que está prestes a lançar o livro God and Mrs. Thatcher, as convicções da Dama de Ferro e a maneira de agir se explicam por sua religiosidade.

Eis a entrevista.

Qual foi o legado de Thatcher para o Reino Unido?


Ela tirou o país de um grande caos que vinha desde o século XIX. Quando assumiu o poder, estava determinada a criar um sentimento de confiança nacional e de revitalização. E conseguiu. Mas também prometeu melhorar a situação econômica e conter a inflação, o que não aconteceu até deixar o cargo. Mas é indiscutível a sua importância histórica. Lutou contra preconceitos da esquerda e da direita, foi a única mulher primeira-ministra.

Mas ela não agradou a todos os segmentos da população com as políticas liberais...

Não. As privatizações realizadas em seu governo deram certo e outras medidas econômicas também. Mas ela destruiu, por exemplo, a indústria do carvão e outros segmentos industriais, uma derrota simbólica para a força histórica dos sindicatos, que causa muita insatisfação até hoje. São reveladores os números que mostram que, no final dos anos 80, pouco antes de Thatcher deixar o cargo, as pessoas que tinham ações de empresas eram mais numerosas do que aquelas que pertenciam a sindicatos.

Críticos dizem que ela tem responsabilidade na crise financeira mundial de 2008...

Não deixa de ser verdade. Se as suas políticas para tornar Londres um centro financeiro, com a desregulamentação deste setor, funcionaram no curto prazo e têm até hoje o impacto de manter dinheiro no pais, elas também eliminaram regras demais, o que provocou as turbulências aqui dentro. E é um dos motivos da recessão de agora.

A que se atribui a personalidade forte da Dama de Ferro?


Ela era uma pessoa de convicção, daí o apelido. Era uma mulher de valores, de alguma maneira valores muito religiosos, por ter sido uma pregadora antes de política, filha de um pai pregador local metodista. Ela cresceu indo à igreja todos os domingos. Seus valores estão muito ligados ao papel do indivíduo sobre o Estado, à liberdade dos indivíduos.

É consenso que ela dividia opiniões dentro do país.

Ela era mais um fenômeno inglês do que britânico. Era desprezada na Escócia e no País de Gales.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

As convicções da Dama de Ferro se explicam por sua religiosidade, afirma historiadora - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV