Pentecostalismo e novos movimentos: um desafio para a Igreja

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Müller: documento vaticano sobre a Amazônia contém heresia e estupidez. “Não tem nada a ver com o cristianismo”

    LER MAIS
  • Arcebispo brasileiro é atacado por liderar ''infiltração esquerdista'' na Igreja

    LER MAIS
  • A história dos 13 agricultores presos por Moro e depois absolvidos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Abril 2013

Os bispos alemães decidiram falar dos movimentos pentecostais e do desafio que eles trazem para a Igreja Católica. E o fazem até mesmo em Roma, em um congresso internacional que será realizado entre os dias 9 e 11 de abril, e que é organizado pela Comissão para os Assuntos Internacionais da Conferência Episcopal e pelo grupo de pesquisa liderado pelo jesuíta Johannes Müller, o qual estuda justamente o pentecostalismo.

A reportagem é de Fabrizio Mastrofini, publicada no sítio Vatican Insider, 03-04-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Desde os anos 1990, a Conferência Episcopal Alemã está analisando os chamados "novos movimentos religiosos", que à época era o termo com o qual se definia a "Nova Era", analisada também por um documento especial de 2003.

Muito rapidamente, a análise alemã se ampliou para o conjunto dos fenômenos relacionados com o mundo cristão e, em particular, ao crescimento exponencial do pentecostalismo. Um movimento "que representa para a Igreja Católica um desafio que compromete, especialmente no que diz respeito às estruturas eclesiais".

Isso porque o pentecostalismo cristão difere do catolicismo com relação ao culto de Nossa Senhora e, especialmente, à estrutura hierárquica da Igreja, além da rejeição da abordagem intelectual e teológica para dar destaque à relação direta com Deus. Os movimentos carismáticos também pregam um cristianismo individual, desconectado do compromisso social que, ao invés, é uma característica da Igreja e trabalham em uma interpretação literal das Escrituras, sem contextualização. E levam embora milhões de fiéis.

No congresso romano, o grupo de trabalho da Conferência Episcopal Alemã apresenta os resultados dos estudos realizados sobre quatro situações típicas que foram identificadas em diversos contextos culturais e geográficos: Costa Rica, Filipinas, África do Sul e Hungria. Para a Europa, o caso húngaro é típico, porque, depois da queda do comunismo, os anos 1990 viram a Igreja Católica no centro das atenções: era uma instituição perseguida, e, portanto, confiável, e a sociedade civil acreditava que ela era capaz de se erguer como guia da renovação e da construção de um novo equilíbrio social.

As expectativas, talvez superiores às efetivas possibilidades da Igreja, uma vez não correspondidas, provocaram uma ampla desilusão e a saída de fiéis, o crescimento do relativismo, o desenvolvimento do mundo protestante e do pentecostalismo, em particular.

No entanto, o desafio é mundial, já que, dos dois bilhões de cristãos, 500 milhões já pertencem ao movimento pentecostal e, segundo as estimativas do World Christian Database, serão 1 bilhão em 2025. Por isso, no congresso romano, irá participar, dentre outros, o cardeal Kurt Koch, presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, juntamente com outros expoentes e especialistas da Santa Sé.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pentecostalismo e novos movimentos: um desafio para a Igreja - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV