Bispos americanos tentam capturar um pouco do charme do Papa Francisco

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Novembro 2014

Grande parte das discussões privadas no encontro deste ano da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos focou-se na maneira como a hierarquia americana pode alterar as suas prioridades para melhor acompanhar aquelas do Papa Francisco, especialmente quanto a questões de justiça social tais como a pobreza e imigração.

A reportagem é de David Gibson, publicada por Religion News Service, 12-11-2014. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Mas o que os seus membros realmente gostariam de fazer é canalizar o charme mágico do pontífice.

“Com o Papa Francisco, tendemos a ser identificados por aquilo que somos a favor, e não por aquilo que somos contra”, disse Dom Christopher Coyne, bispo auxiliar da Diocese de Indianápolis, quem foi eleito na terça-feira (dia 11 de novembro) para supervisionar o departamento de comunicação dos bispos.

Na verdade, desde o instante em que foi eleito papa no ano passado, Francisco mudou inteiramente a narrativa midiática sobre o Vaticano: de uma fonte de escândalos e problemas sob o Papa Bento XVI a uma plataforma de lançamento para reformas e renovação católicas com base numa mensagem de misericórdia.

Com o seu toque pastoral e estilo simples de vida, Francisco ganhou elogios ao longo do espectro, enfeitando as capas de revistas tão variadas quanto estas: Time, Vanity Fair e The Advocate, esta última uma publicação destinada a gays e lésbicas.

No entanto, Coyne – blogger de longa data que mantém contas no Twitter e no Facebook há anos – disse que, apesar da enorme popularidade do papa, os bispos americanos ainda têm muito trabalho a fazer por eles mesmos.

“Somos como o Congresso”, disse ele. “Muitas pessoas gostam de seu congressista, mas odeiam o Congresso. Muitas pessoas gostam do bispo delas, mas não gostam da nossa Conferência dos Bispos. Por que isso?”

Uma resposta séria veio a partir de uma pesquisa apresentada terça-feira aos mais de 200 bispos reunidos em Baltimore, no estado de Maryland, para o seu encontro anual de quatro dias: A Igreja Católica, um estudo de vários mostrou, é vista como “julgadora”, e esta atitude de apontar o dedo é o maior pecado na visão de muitos leigos, contou à assembleia Dom Thomas Wenski, arcebispo da Arquidiocese de Miami.

Aliás, o estudo descobriu que os católicos tendem a ouvir a mensagem da Igreja de “odeie o pecado, ame o pecador” como simplesmente: “odeie o pecador”.

“O que o Papa Francisco nos ensinou sobre como alcançar e ensinar aos católicos e ao mundo?”, perguntou Wenski.

Muitos bispos sugeriram que falar mais sobre os assuntos que Francisco enfatiza, tais como a desigualdade de renda e a pobreza, em vez de se focar principalmente na oposição ao casamento homoafetivo e ao aborto, é parte da resposta.

Porém Coyne disse que o primeiro passo era mais direto.

“A prioridade da nossa Conferência tem que ser proclamar a alegria, a misericórdia e o amor de Jesus Cristo sempre, em todos os lugares e a todas as pessoas”, disse. “Quando temos isso como nosso ponto de partida na comunicação, mudamos o tom daquilo que dizemos e como somos percebidos”.

“Não acho que o Papa Francisco tenha mudado o conteúdo tanto quanto mudou o diálogo”, acrescentou.

Nem todos se convenceram de que a solução era fácil assim, no entanto.

Dom Joseph Naumann, da Arquidiocese de Kansas – quem, no começo do dia, perdeu a eleição para Coyne por 102 a 114 votos –, perguntou a Wenski até que ponto os bispos deveriam ir na tentativa de responder à pesquisa que mostrou ser a Igreja vista, muitas vezes, como julgadora.
“Será que esta situação está pedindo por um evangelho ‘bonzinho’, um evangelho que não nos desafia?”, falou Naumann.

“A alternativa”, respondeu Wenski, “não é o Evangelho Camarada versus o Evangelho de Cristo”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bispos americanos tentam capturar um pouco do charme do Papa Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV