O futuro da tecnologia pertence aos mais velhos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Os 60 bebês do Amazonas: retrato de um futuro asfixiado

    LER MAIS
  • Elementos importantes para compreender o contexto trágico que vivemos na cidade de Manaus

    LER MAIS
  • As lições de São Sebastião para a Igreja peregrina e perseguida do século 21

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Novembro 2014

Em 2007, Steve Jobs estava com 52 anos quando anunciou o iPhone. Anos depois o cofundador da Apple lançou o MacBook Air, a App Store e o iPad. Tim Cook, que tinha 51 anos quando assumiu o cargo de Jobs, continua o seu legado. Ambos derrubaram o mito segundo o qual são os jovens que comandam o setor de tecnologia.

A reportagem é de Vivek Wadwhwa, publicada pelo jornal Washigton Post e reproduzida pelo jornal O Estado de S. Paulo, 10-11-2014.

Mas os capitalistas de risco do Vale do Silício falam abertamente da sua preferência pelos jovens.

“Aqueles com menos de 35 anos são os que fazem as coisas mudarem: aqueles com mais de 45 basicamente morrem em termos de novas ideias”, disse Vinod Khosla, um importante investidor, durante conferência da qual participei.

Referindo-se à idade dos empreendedores financiados por capitalistas de risco, o investidor Paul Graham disse ao The New York Times que “na cabeça dos investidores a idade limite é 32 anos; acima de 32 eles ficam um pouco céticos”. Ele admitiu que pode ser “enganado por alguém parecido com Mark Zuckerberg”. Outros vão mais além e afirmam que os empreendedores da internet chegam ao seu apogeu aos 25 anos.

O culto da juventude é tão poderoso que o bilionário Peter Thiel anunciou em setembro de 2010 que pagaria a alunos de faculdade US$ 100.000 para abandonarem os estudos. Em vez de “desperdiçarem” anos valiosos na escola, e depois terem de arcar com “uma enorme dívida”, disse ele, eles poderiam “se concentrar em tecnologias avançadas que levarão a civilização ao próximo nível”.

O resultado desta preferência é que empreendedores mais velhos são frequentemente rechaçados, ao passo que os mais jovens recebem toda a atenção e financiamento. Isto vem afetando o setor de capital de risco e também o Vale do Silício, porque esses estereótipos são falsos.

Uma pesquisa sobre empresas de tecnologia bem-sucedidas feita por uma equipe liderada por mim nas Universidades de Duke e Harvard, em 2008, focalizou apenas empresas que nasceram numa garagem e estavam gerando receitas de no mínimo US$ 1 milhão. Essa pesquisa revelou que a idade média e mediana dos fundadores era 39.

Num projeto posterior, analisamos os antecedentes de 549 empreendedores de sucesso em 12 setores de forte crescimento. A idade média e mediana dos fundadores deste grupo era de 40 anos e uma proporção significativa tinha mais de 50.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O futuro da tecnologia pertence aos mais velhos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV