Para eleitores de Marina Silva, o apoio a Aécio Neves não deve fazer diferença

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos do Sínodo farão um novo “Pacto das Catacumbas” para a Amazônia

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos Gadea

    LER MAIS
  • Críticos não percebem a importância global do Sínodo da Amazônia, afirma Peter Hünermann

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Cesar Sanson | 14 Outubro 2014

Analistas indicam que onde Marina vai, seus eleitores não necessariamente vão atrás.

A troca de ataques entre a presidenta Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB) ao longo do primeiro turno das eleições pode sair caro para a candidata petista, agora que Silva declarou apoio a Aécio Neves (PSDB) no segundo turno. Alguns especialistas cravam que o apoio da ambientalista ao tucano pode ser decisivo para a chegada de Neves à presidência. “A maioria dos eleitores de Marina Silva deve segui-la e votar em Aécio. E esse apoio de Marina pode ser decisivo”, diz o cientista político da Universidade Getúlio Vargas, Carlos Pereira.

A reportagem é de Marina Rossi e publicada pelo El País, 13-10-2014.

Mas na prática, esse apoio não é matemático. O fato de Marina Silva se aliar aos tucanos não reverbera, necessariamente, em votos para Neves. Há controvérsias sobre o rumo que tomarão os 21 milhões de eleitores que votaram na presidenciável no dia 05. Onde Marina vai, seus eleitores, não necessariamente, vão atrás.

Segundo uma pesquisa do Instituto Datafolha divulgada na semana passada, 66% dos eleitores de Marina Silva disseram que já iriam votar em Aécio Neves e 18% votariam em Dilma Rousseff, independentemente do apoio da candidata que ficou em terceiro lugar na eleição de 5 de outubro. Do total de eleitores que Marina Silva teve no primeiro turno, 67% declararam que o apoio dela agora no segundo turno não faz diferença para decidir seu candidato. "As coisas já se definiram", diz o professor do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), Carlos Melo. "Mais uma vez, ela perdeu o timing. Seus eleitores já se decidiram, majoritariamente, por Aécio, e em muito menor grau, por Dilma".

A menos de duas semanas das eleições, algumas questões terão de ser trabalhadas pela ambientalista em parceria com os tucanos. Marina, que insistiu durante toda a campanha que era a ‘candidata da terceira via’, precisará afinar o discurso para não parecer incoerente e perder força entre o eleitorado conquistado para futuras eleições em que ela venha a ser candidata, possivelmente pela Rede.

“Ainda não dá para saber para onde os eleitores de Marina vão”, diz o cientista político da Universidade Federal de Pernambuco, Adriano Oliveira. Isso porque, entre o eleitorado de Marina Silva existem pessoas que votavam no PT e têm uma simpatia maior com a esquerda, mas, por outro lado, há quem tenha se decepcionado e seja avesso ao PT neste momento. "A declaração de Marina de apoio a Aécio dá um ânimo ao candidato tucano, cria algum clima, até influencia alguns eleitores, mas o estrago maior [para o PT] não é causado por isso", diz Carlos Melo, se referindo ao caso de corrupção na Petrobras que veio à tona no início da campanha do primeiro turno.

Segundo explica Adriano Oliveira, tirando de lado o foco na corrupção - que é e continuará sendo usado pelo marketing do PSDB - o apoio de Silva pode até ser negativo. “A campanha me sugere que Marina é um problema e não uma solução”, diz. “Eu tenho receio que o apoio dela atrapalhe Aécio, em virtude das exigências, como o fim da reeleição. Isso não é cabível, porque foi [o ex-presidente do PSDB] Fernando Henrique Cardoso quem criou a reeleição”, explica Oliveira. Além disso, as suas idas e vindas ao longo da campanha poderão ser resgatadas agora pelo PT para afirmar um tom de incoerência de Marina.

A questão da reeleição, de fato, foi um dos pontos que Marina Silva exigiu que estivesse de acordo com seu programa de governo, em troca do apoio ao tucano. A proposta do PSB era o fim das reeleições e a extensão do tempo de mandato de quatro para cinco anos. No plano do PSDB, porém, o fim da reeleição começaria a valer apenas em 2022. Outros pontos destacados por Silva no anúncio de apoio a Neves foram a reforma agrária, a sustentabilidade, a demarcação de terras indígenas e a manutenção do Bolsa Família, temas considerados historicamente mais alinhados à esquerda.

Em uma carta divulgada no sábado, Neves afirmava um compromisso com a continuidade do Bolsa Família, a “retomada da reforma agrária”, e a “manutenção da prerrogativa constitucional do Poder Executivo de demarcar terras indígenas”. Sobre o fim da reeleição, apenas afirma que “reconhecemos a necessidade de uma reforma política que não pode mais ser adiada e com ela nos comprometemos, a começar pelo fim da reeleição para os cargos executivos”, sem explicitar, porém, o prazo no qual essa reforma sairia do papel - ela depende de aprovação do Congresso. Outro ponto é a redução da maioridade penal, uma das maiores bandeiras de Neves e que Marina Silva é contra. No documento divulgado sábado, o tucano simplesmente não toca no assunto.

Ter Marina Silva como aliada na campanha não deve ser algo apenas para a campanha de segundo turno, com os pontos em comum no programa de governo tucano. Segundo  Pereira, da FGV, muito possivelmente a ambientalista fará parte de um futuro governo de Neves, caso ele seja eleito, uma prática muito comum da “velha política” tão combatida por Silva. “O apoio dela não será apenas em troca desses pontos programáticos”, diz Pereira. “Fazer parte do governo é uma condição quase natural”.

Na coletiva de imprensa que deu no domingo dia 5 de outubro, após reconhecer que não estaria na disputa pelo segundo turno, Marina Silva deixou claro que seu grande projeto é a criação de seu partido, a Rede Sustentabilidade, que, em tese, já existe, mas falta se tornar oficial por meio de trâmites burocráticos. Resta agora saber se será um partido criado dentro de um eventual governo tucano ou para fazer oposição ao presidente ou presidenta da vez.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Para eleitores de Marina Silva, o apoio a Aécio Neves não deve fazer diferença - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV