MST exige do Incra que área da Araupel, plantadora de eucaliptos e pínus, seja desapropriada para Reforma Agrária

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • A religião do medo

    LER MAIS
  • “A atual loucura digital é um veneno para as crianças”. Entrevista com Michel Desmurget

    LER MAIS
  • Alerta da Oxfam: os mais ricos poluem, os mais pobres sofrem as mudanças climáticas

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Cesar Sanson | 01 Agosto 2014

Cerca de 3 mil famílias Sem Terra do Acampamento Herdeiros da Terra de 1° de Maio ocuparam no último dia 17 de julho a Fazenda Rio das Cobras, exploradas pela Araupel, entre os municípios de Rio Bonito do Iguaçu e Quedas do Iguaçu (PR).

As famílias acampadas permanecem na área e reivindicam a desapropriação da fazenda de cerca de 35 mil hectares para fins de Reforma Agrária.

Esse foi o assunto principal da reunião, que aconteceu em Brasília nesta terça-feira (29/07) com a presidência do Incra, o Ministério do Desenvolvimento Agrário e lideranças do MST de Rio Bonito do Iguaçu e da coordenação nacional.

A reportagem é publicada pelo MST, 31-07-2014.

Ênio Pasqualin, dirigente estadual do MST, afirma que “está em questão a necessidade do governo federal e o Incra se posicionarem sobre um processo judicial que há mais de 10 anos tramita na Justiça, na comarca de Cascavel. Na reunião acordamos que a presidência do Incra e a Ouvidoria Agrária Nacional virão para o Paraná nos próximos dias agilizar esse processo.

Enquanto, isso as famílias permanecem na área e aguardam uma decisão da Justiça”.O conflito social que está em questão, afirma Miranda, da coordenação nacional do MST, “aponta para o problema da nulidade do título de origem da terra, pois houve uma ilegalidade do estado quando repassou esta área a terceiros, desrespeitando a lei de faixa de fronteira. Portanto, o problema será resolvido com uma política de Reforma Agrária”.

A Araupel, desde o ano de 1972, explora uma área com cerca de 64 mil hectares e devasta a mata nativa para atuar na exportação de madeira de pínus e eucalipto.

Foto: Joka Madruga.

Veja também:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

MST exige do Incra que área da Araupel, plantadora de eucaliptos e pínus, seja desapropriada para Reforma Agrária - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV