Maioria dos pais cedem às chantagens dos filhos no consumo, diz pesquisa

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A mulher precisa, e as religiosas sobretudo, sair daquele papel de que ela é inferior”. Entrevista com a Ir. Maria Freire

    LER MAIS
  • Governo Bolsonaro deixa estragar 6,8 milhões de testes de covid-19

    LER MAIS
  • A Economia de Francisco. ‘Urge uma nova narrativa da economia’. A vídeomensagem do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Julho 2014

O atual bombardeio publicitário ao qual as crianças estão expostas colaboram para despertar novos desejos e ânsias pelo consumo.

A reportagem foi publicada por EcoDebate, 16-07-2014.

Segundo pesquisa do Portal Meu Bolso Feliz em parceria com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), 52% das pessoas afirmaram já ter comprado produtos para os filhos mesmo sabendo que essa atitude iria comprometer o orçamento da família.

Quando o assunto é finanças, a maioria dos pais não sabe educar seus próprios filhos. A maioria ainda cede a chantagens de consumo. Basta o filho pronunciar frases como “se você me der, eu prometo que faço isso” e outras que os pais fazem a vontade dele, afirma a pesquisa.

Os pesquisadores ouviram 694 pessoas com mais de 18 anos, alfabetizadas, de todas as classes econômicas, nas 27 capitais brasileiras. A margem de erro é de 3,8 pontos percentuais.

Quando os pais foram perguntados sobre os produtos mais comprados para os filhos nos últimos três meses, eletrônicos (como jogos, celulares e notebooks) aparecem em primeiro lugar, seguidos por roupas, programas de passeio, calçados e brinquedos.

Argumentos e chantagens

“Não me espanta o fato de que jogos, celulares e notebooks sejam os itens mais comprados pelos pais, porque são exatamente estes itens que deixam as crianças entretidas por mais tempo, inocentando os pais pela ausência de afeto e dedicação às crianças”, explica a psicóloga Maria Teresa.

Para a psicóloga, a criança aprende no convívio com os pais quais são os argumentos e até as chantagens mais eficientes. Na avaliação da especialista, o atual bombardeio publicitário ao qual as crianças estão expostas colaboram para despertar novos desejos e ânsias pelo consumo.
O blog No Azul, do Estadão, listou três sugestões para ajudar os pais:

Não positivo: experiências de frustração na infância são imprescindíveis para que a criança desde cedo aprenda a lidar com situações difíceis e de desconforto. Aprenda a dizer não as vezes, explicando porque o desejo está sendo negado.

Raiz do problema: identifique porque a criança está com tais desejos. Pode ser um problema de autoestima ou de insegurança.

Dê exemplo: entre os entrevistados que têm filhos, 76% já ficaram inadimplentes, e 53% compraram alguma coisa sem precisar nos últimos três meses. Além disso, 74% não reservam uma parte dos ganhos mensais para poupança e 37% está pagando atualmente cinco ou mais parcelas ao mesmo tempo, entre compras parceladas no cartão de crédito, crediário, cheque pré-datado e empréstimos. Um mau exemplo para os pequenos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Maioria dos pais cedem às chantagens dos filhos no consumo, diz pesquisa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV