Líder de assentamento Quilombola disputado pela Fibria é executado a tiros na BA

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Mais Lidos

  • “América Latina caminha para o enfraquecimento e a desintegração”. Entrevista com Juan Tokatlian

    LER MAIS
  • Ernesto Cardenal. Não é um filho pródigo da Igreja

    LER MAIS
  • Papa Francisco revoga permanentemente todas as sanções canônicas contra o padre e poeta Ernesto Cardenal

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Cesar Sanson | 08 Julho 2014

Após a morte violenta do quilombola Diogo de Oliveira Flozina morto a tiros no interior de sua residência em 24 de junho de 2011, no povoado de Volta Miúda, interior de Caravelas, mais uma liderança negra acaba de ser executada, desta vez no município de Nova Viçosa (BA).

A reportagem é de Ronildo Brito e publicada pelo jornal eletrônico Teixeira News, 07-07-2014.

Dias após a morte de Flozina, um adolescente de 15 anos que estaria na companhia da vítima, disse à polícia que três homens armados e a bordo de um Volkswagen, modelo Gol, cor branca, teriam invadido a casa do quilombola, que era casado e pai de 3 filhos, todos menores e executaram-no com dois tiros no abdômen, por ocasião que ele assistia TV no sofá da sala da sua casa. Até os dias atuais não se tem notícia sobre o esclarecimento do crime. Desta feita a vítima foi Paulo Sérgio Santos, de 42 anos, abatido a tiros no Assentamento Quilombola Nelson Mandela, onde o mesmo era líder, que fica nas imediações do Povoado de Rio do Sul, interior de Nova Viçosa.

Até agora o crime é um mistério e gerou estranheza o fato do delegado Samuel Martins, titular da Polícia Civil do município, não comparecer ao local do assassinato e sequer ter requerido a perícia de local. Sem levantamento cadavérico e perícia de local o corpo acabou sendo removido para o IML de Teixeira de Freitas por uma funerária. Essa medida é considerada uma ilegalidade e revoltou familiares da vítima e os demais assentados da área, que por sinal é alvo de batalha judicial entre os quilombolas e a Fibria.

O assentamento que era comandado pelo quilombola Paulo Sérgio Santos, de 42 anos, é uma gleba de demanda judicial, pois as terras, segundo os assentados, estão em poder da Fibria Celulose, apesar dos ocupantes dizerem que a área pertenceu aos seus ancestrais, tanto que possuiriam documentos da União que comprovariam a propriedade quilombola, inclusive com documento extraído do Diário Oficial Federal.

Diante do crime os demais assentados dizem que estão com medo e informaram que o quilombola morto participaria de uma reunião nesta segunda-feira (7), onde a propriedade das terras do assentamento seria mais uma vez discutida. Até mesmo o número de disparos que atingiram o corpo da vítima não foi possível levantar, dada à ausência de perícia de local. Apenas uma guarnição da Polícia Militar esteve no lugar e chegou a resguardar o corpo da vítima, mas como a perícia não foi solicitada, teve que deixar o assentamento para que a funerária fizesse o translado do corpo para o IML.

A motivação e autoria do crime são desconhecidas e é aguardado um pronunciamento do delegado Samuel Martins, titular de Nova Viçosa, quando o mesmo deve explicar os motivos da ausência da Polícia Civil no cenário de um crime com característica de execução.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Líder de assentamento Quilombola disputado pela Fibria é executado a tiros na BA - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV