Pegada hídrica pode ser aliada na conservação da água

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Equidade de gênero: a religiosidade como caminho para igualdade. Debate com Antje Jackelén, arcebispa primaz da Igreja Luterana da Suécia

    LER MAIS
  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Cesar Sanson | 15 Abril 2014

A pegada hídrica é um indicador que pode ajudar a população a entender como os hábitos de consumo são corresponsáveis pela crise hídrica no mundo e que a preservação da água pode ir muito além de apenas fechar a torneira em casa. O conceito é explicado pelo coordenador do Programa Água para a Vida da organização não governamental (ONG) WWF-Brasil, Glauco Kimura de Freitas.

A reportagem é de Andreia Verdélio e publicada por Repórter Brasil, 14-04-2014.

Segundo Kimura, dados da Agência Nacional de Água (ANA) e da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) mostram que a agricultura é a maior usuária de água do mundo, seguida pela indústria. Depois é que vem o uso doméstico.

“O consumo tem tudo a ver com a água. A pessoa não associa que a água é usada na produção do alimento que ela ingere, da roupa que ela veste ou da caneta que ela compra. Neste sentido, a pegada hídrica é um conceito muito pedagógico”, explica Kimura.

O conceito de pegada hídrica surgiu na Holanda, no final dos anos 2000, e é um indicador do uso da água, que define o volume total de água doce que é usado para produzir os bens e serviços consumidos pelo indivíduo, comunidade ou empresas.

“Muitas pessoas se assustam quando descobrem que para aquele quilo de carne vermelha que comprou no mercado, em países da Europa, gastam-se até 15 mil litros [de água] na produção, ou 130 litros para uma xícara de café. Muitos números que estão embutidos na cadeia de produção foram colocados nessa pegada”, destaca Kimura.

Segundo o especialista, o conceito tem um caráter mais educativo para o cidadão, mas, para o setor empresarial, é uma questão de regulação e incentivo. “Se você compra aquela camisa de algodão que foi feita no Paquistão, aquela água deixou de abastecer comunidades carentes na região. A questão é a ética do consumo, saber onde foi produzido, quais os recursos utilizados e tentar avaliar o uso da água nesse caso. Quanto mais você consome bens materiais, mais está colaborando com o uso da água no mundo.”

Kimura explica que algumas indústrias já estão começando a ficar conscientes dos riscos para a água e estão quantificando sua pegada hídrica, buscando saber onde estão os gargalos na cadeia produtiva. No 29 deste mês, o WWF promove a Hora do Planeta, que é aquela hora em as pessoas apagam as luzes, desligam seus aparelhos e fazem uma reflexão sobre o meio ambiente e o planeta. "Queria sugerir, este ano, que as pessoas reflitam sobre o uso da água, sobre o que você, cidadão, está fazendo para contribuir com a preservação da água, seja se informando ou economizando.”

Veja a tabela com a quantidade de água utilizada no processo produtivo de determinados itens:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pegada hídrica pode ser aliada na conservação da água - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV