São João Paulo II? As dúvidas do cardeal Martini sobre a canonização

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Aumento da miséria extrema, informalidade e desigualdade marcam os dois anos da Reforma Trabalhista

    LER MAIS
  • Hospitalidade eucarística: “A decisão passa agora para a Conferência Episcopal”

    LER MAIS
  • Mais um golpe... em nome de Deus

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Abril 2014

"Era um homem de Deus, mas não é necessário fazê-lo santo." É esse, em suma, o sentido do depoimento feito pelo cardeal Carlo Maria Martini ao processo de canonização do Papa Wojtyla. A informação é do jornal Corriere della Sera dessa quarta-feira, citando algumas passagens do livro recém-publicado pelo historiador Andrea Riccardi, La santità di papa Wojtyla.

A reportagem é do sítio TheHuffingtonPost.it, 09-04-2014. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O livro revela o conteúdo do depoimento do cardeal Martini, juntamente com outros documentos do processo de canonização. No seu testemunho, o cardeal não esconde todas as suas reservas em relação à santidade do papa polonês (que será proclamado santo no próximo dia 27 de abril, a nove anos da sua morte).

No seu depoimento – escreve o jornal – Martini assinalava alguns limites nas decisões e nas ações de João Paulo II:

[...] nem sempre foram "felizes" as nomeações e a escolha dos colaboradores, "sobretudo nos últimos tempos"; apoio excessivo aos movimentos, "ignorando de fato as Igrejas locais"; talvez imprudente ao se colocar "no centro das atenções – especialmente nas viagens – com o resultado de que as pessoas o percebiam um pouco como o bispo do mundo, e disso saía obscurecido o papel da Igreja local e do bispo",

"Não gostaria de destacar muito mais a necessidade da sua canonização – é a fria conclusão do cardeal –, porque me parece que basta o testemunho histórico da sua dedicação séria à Igreja e ao serviço das almas."

A essa avaliação soma-se uma dúvida: não teria sido melhor se Wojtyla tivesse se retirado um pouco antes, dadas as suas condições de saúde? "Eu não saberia dizer se ele perseverou nessa tarefa ainda mais do que deveria, levando em conta a sua saúde. Pessoalmente, eu considero que ele tinha motivos para se retirar um pouco antes", lê-se no depoimento do ex-cardeal de Milão.

Dito isso, a avaliação global é mais do que positiva: para Martini, Wojtyla era um homem de Deus capaz de grande recolhimento, um "servidor zeloso e fiel" da Igreja, uma figura capaz de arrastar "as massas e sobretudo os jovens", que não se poupou em nada, nem mesmo depois do atentado ("ele não se retirou minimamente do contato com a multidão, que também o expunha a perigos").

Um homem, em suma, capaz de grandíssima "perseverança".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

São João Paulo II? As dúvidas do cardeal Martini sobre a canonização - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV