O pai e a avó de Bergoglio militavam na Ação Católica

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Do samba ao funk, o Brasil que reprime manifestações culturais de origem negra e periférica

    LER MAIS
  • ASA 20 Anos: Água potável é vida e bênção para a infância do Semiárido

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 17 Janeiro 2014

Antes de deixar a Itália para se instalar na Argentina, Mario e Rosa Bergoglio, o pai e a avó do Papa Francisco, foram militantes da Ação Católica. Inscrito na União Juvenil de San Martino de Asti, durante a tradicional Festa do Papa celebrada pelos jovens do Círculo, Mario Bergoglio pronunciou um discurso sobre o Papado, elevando um hino de admiração e de louvor pelo Pontífice Pio XI, o Papa da Ação Católica.

 
Fonte: http://bit.ly/1iOG4IY  

A reportagem está publicada no sítio Vatican Insider, 14-01-2014. A tradução é de André Langer.

No livro de Sergio Rubin e Francesca Ambrogetti, Papa Francisco. Conversas com Jorge Bergoglio (Paulinas), editado pela Salani, aparece uma revelação do Pontífice sobre suas relações com seu pai, a quem lhe confiou antes que a ninguém a própria vocação religiosa. “Antes de mais nada – contou Francisco – disse ao meu pai e ele reagiu bem. Além disso, ele me disse que estava feliz. Estava certo de que meu pai me teria entendido. Sua mãe havia sido uma pessoa extremamente religiosa e ele havia herdado dela essa religiosidade e essa força, unidas à grande dor do abandono da própria terra”.

Sobre a grande fé de Mario Bergoglio não há nenhuma dúvida: foi inclusive “examinador ao lado do bispo da época, monsenhor Luigi Spandre, em uma “competição catequética que se realizou no teatro Fulgor” e recitou entre os atores no teatro paroquial de San Martino, em Asti, quando foram retomadas as atividades formativas dos jovens da Conferência de São Vicente de Paulo, que incluíam a assistência aos pobres nas casas e aos enfermos do hospital civil. Um mês antes de embarcar, em Gênova, para Buenos Aires, Mario Bergoglio visitou, na qualidade de “propagandista” da federação juvenil, o Círculo de Castell’Alfero. “Transmitiria, anos mais tarde, este carisma e esta grande fé ao seu filho Jorge”, indicou o L’Osservatore Romano.

Inclusive o nome da avó do Papa Francisco, Rosina Bergoglio, como a chama afetuosamente a Gazzetta d’Ast, apareceu em diferentes números da publicação diocesana. No dia 08 de junho de 1924, na qualidade de conselheira para a ação social, interveio na jornada social anual da União Feminina Católica Italiana de Asti. Em 1923, quando a presidente era Clementina Zopegni, a senhora Bergoglio (que na época tinha 39 anos) também foi conselheira sobre questões relacionadas à moralidade. E, sob a guia do carismático assistente eclesiástico, dom Luigi Goria, Rosa começou a dar conferências em toda a província.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O pai e a avó de Bergoglio militavam na Ação Católica - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV