MPF/MT vai investigar possível tentativa de envenenamento de crianças indígenas

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Apoio do papa a uniões gays não é uma surpresa, mas é muito significativo. Artigo de James Alison

    LER MAIS
  • Coluna “Rumo a Assis: na direção da Economia de Francisco”

    O propósito da tecnologia e do humano: Dados, reflexões e possibilidades para a Economia de Francisco

    LER MAIS
  • Papa Francisco, uniões civis e o reconhecimento da intimidade. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Dezembro 2015

O Ministério Público Federal no Mato Grosso (MPF/MT) instaurou procedimento para apurar a possível tentativa de envenenamento de crianças indígenas da etnia Bororo que vivem na Terra Jarudore, no município de Poxoréo, em Mato Grosso.

A reportagem foi publicada por EcoDebate, 08-12-2015.

Os primeiros relatos de possível tentativa de envenenamento chegaram ao Ministério Público Federal na manhã de sexta-feira, 4 de dezembro, de forma fragmentada. Em reunião com a Fundação Nacional do Índio (Funai), foi decidido que agentes da fundação indígena deveriam ir até o local para uma diligência.

Lá, a Funai constatou que peixes possivelmente envenenados foram deixados, por pessoa ainda não identificada, perto da porteira da aldeia indígena, exatamente no local onde as crianças da aldeia esperam pelo ônibus escolar. Ao redor dos peixes foram encontradas dezenas de besouros e moscas mortos.

O Ministério Público Federal colheu o depoimento dos indígenas que informaram que nenhuma criança se alimentou do peixe, mas cinco cachorros da aldeia, além de alguns animais silvestres (tatu e serpente), morreram com suspeita de intoxicação depois de terem contato com o peixe.

Por volta das 20h dessa sexta-feira, o Ministério Público Federal acionou a Polícia Federal em regime de plantão para imediata instauração de inquérito policial e realização de perícia e adotou outras medidas pertinentes à preservação dos vestígios. Na manhã de sábado, 5 de dezembro, a perícia criminal federal esteve na Terra Indígena e o trabalho técnico está em andamento.

Além do inquérito policial, o fato também será objeto de apuração própria por parte do Ministério Público Federal. Segundo o procurador da República Paulo Taek, o Ministério Público Federal reafirma a sua missão constitucional de defender a minoria perseguida, e repudia veementemente o ocorrido. Algumas pessoas suspeitas já foram identificadas. De acordo com o procurador, “o ocorrido mais uma vez fortalece a convicção do MPF de que a desintrusão da Terra Indígena Jarudore, com a retirada dos invasores não-indígenas, é uma medida essencial e a única forma de garantir a sobrevivência do povo Bororo que nela desenvolve a sua vida”.

Desintrusão – Atualmente, a Aldeia Nova Jarudores, na Terra Indígena Jarudore, ocupa sete hectares e conta com população de aproximadamente 25 adultos e 50 crianças. A situação de instabilidade e insegurança na área demarcada levou muitos indígenas a deixar a região, aguardando a desintrusão para iniciarem um movimento de retorno ao território tradicional.

A área de ocupação tradicional do povo Bororo – inicialmente reconhecida por Marechal Cândido Rondon como tendo 100 mil hectares – foi reduzida a 6 mil hectares por decreto do Governo de Mato Grosso. Em 1950, o território foi demarcado e oito anos depois registrado com uma extensão de 4.706 hectares.

Oito meses depois do registro, o município de Poxoréo aprovou a Lei Municipal nº 1.191, em dezembro de 1958, criando o Distrito de Paz de Jarudóri, com área de 142,8 mil hectares, sobrepondo-se completamente ao território indígena, e passou a incentivar a sua ocupação por pessoas não-indígenas, por meio da concessão de terras. A situação levou o MPF a propor uma Ação Civil Pública pedindo a desocupação das pessoas não-índias que permaneciam na área pertencente aos Bororo.

Recentemente uma decisão da Justiça Federal determinou a desintrusão parcial da terra indígena, determinando a saída de três não-indígenas. A decisão, quando cumprida, restituirá à posse dos bororos uma área de 700 hectares, permitindo desenvolvimento de atividade agropastoril e sobrevivência.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

MPF/MT vai investigar possível tentativa de envenenamento de crianças indígenas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV