O arquivo do mártir jesuíta Ignacio Ellacuría, patrimônio da América Latina

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “A população de rua é um sintoma da necrofilia que vai matando nosso povo”. Entrevista com o Padre Júlio Lancelotti

    LER MAIS
  • Saúde mental, a eterna “loucura” do capitalismo. Artigo de Eduardo Camín

    LER MAIS
  • Ecologia sem transição, coletivo francês defende ruptura ecológica total

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Novembro 2015

"Patrimônio documental" da América Latina: assim a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) declarou o arquivo do mártir jesuíta Ignacio Ellacuría, assassinado em El Salvador em 1989, segundo o Museo de la Palabra y la Imagen (Mupi).

A reportagem é da agência Misna, 19-11-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O documento que certifica a declaração foi entregue pelo delegado do comitê regional para a América Latina e o Caribe do programa "Memória do Mundo" da Unesco e diretor do Mupi, Carlos Henríquez Consalvi, ao reitor da Universidade Centro-Americana (UCA), padre Andreu Oliva, cujo antecessor foi Ellacuría.

Ellacuría – disse Consalvi – "é reconhecido internacionalmente pelas suas contribuições à teologia e à filosofia, e pelo papel desempenhado na busca de uma saída negociada para a guerra civil salvadorenha" (1980-1992), que custou no mínimo 75.000 mortos e foi precedida pela morte de Dom Óscar Arnulfo Romero, homicídio considerado a faísca que desencadeou o conflito.

O arquivo contém "documentos únicos e insubstituíveis de fontes primárias para estudar o pensamento de Ignacio Ellacuría e a sua aplicação para a solução dos graves problemas que enfrentamos em El Salvador", disse ainda Consalvi, rememorando o aniversário do assassinato do reitor da UCA e de outros cinco coirmãos dele.

No dia 16 de novembro de 1989, em plena guerra civil (1980-1992), os soldados do batalhão antiguerrilha Atlácatl, treinado nos Estados Unidos, invadiram a UCA, assassinando o reitor, os coirmãos espanhóis Ignacio Martín-Baró, Segundo Montes, Amando López, Juan Ramón Moreno e o salvadorenho Joaquín López, além da cozinheira Elba Julia Ramos e da sua filha de 15 anos, Celina Mariceth Ramos.

Inicialmente, o governo tentou atribuir a responsabilidade do massacre aos guerrilheiros da Frente Farabundo Martí para a Libertação Nacional (FMLN), hoje o partido no poder do país.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O arquivo do mártir jesuíta Ignacio Ellacuría, patrimônio da América Latina - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV