Peronistas, kirchneristas e outras espécies argentinas

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos alemães enfrentam o Vaticano e seguem com seu sínodo

    LER MAIS
  • “Existe uma luta política na Igreja, entre os que querem a Igreja sonhada pelo Vaticano II e os que não” constata Arturo Sosa, superior-geral dos jesuítas

    LER MAIS
  • Sínodo da Amazônia revela sagacidade política do papa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Novembro 2015

"a manhã do último dia 8 de outubro, Macri compareceu a uma celebração à qual não fora convidado. Aquela quinta feira começava fria e nublada no centro de Buenos Aires. Muitos compareceram à inauguração de um vetusto monumento a Juan Domingo Perón no centro da cidade. Dentre os presentes, sindicalistas e algumas figuras do partido Justicialista, de orientação peronista. Daniel Scioli à frente, é claro", escreve Fermin Damirdjiian, psicológo e educador argentino, em artigo publicado por CartaCapital, 12-11-2015. 

Eis o artigo.

Na vida política da Argentina, tudo parece girar em torno de um fenômeno chamado peronismo, a dividir o país entre a parcela da população defensora da herança de um antigo estadista dos anos 50, e seus opositores. Assim, uma governante como Cristina Kirchner, peronista, passou a maior parte de seu mandato investindo contra ferozes opositores. 

Seu indicado para o segundo turno das eleições do próximo 22 de novembro, Daniel Scioli, tem como adversário eleitoral Mauricio Macri, candidato oriundo de um setor empresarial avesso a qualquer ideal peronista.

Mas o que é o peronismo, e porque ele é tão presente? Uma cena da reta final da atual campanha presidencial, pode ser útil para compreender o fenômeno.

Na manhã do último dia 8 de outubro, Macri compareceu a uma celebração à qual não fora convidado. Aquela quinta feira começava fria e nublada no centro de Buenos Aires. Muitos compareceram à inauguração de um vetusto monumento a Juan Domingo Perón no centro da cidade. Dentre os presentes, sindicalistas e algumas figuras do partido Justicialista, de orientação peronista. Daniel Scioli à frente, é claro.

No entanto, resoluto e sem pedir licença, o candidato da oposição, distante do peronismo e vendido como uma encarnação da tentativa de abandonar um passado arcaico em prol de uma Argentina dinâmica e moderna, Mauricio Macri levou seu sorriso e seus olhos claros ao pequeno palanque, onde divulgou aos quatro ventos da República sua suposta admiração por Juan Domingo Perón.

Ao longo deste dia, sua conta no Twitter divulgou frases elogiosas ao antigo estadista, atrapalhando o entendimento do peronismo como uma mera política populista.

Olhar para os desfavorecidos

Perón assumiu a Presidência da República pela primeira vez em 1945. Antes, estivera à frente do Ministério do Trabalho e Serviço Social, do Ministério da Defesa e na vice-presidência, simultaneamente. Homem de formação militar, colocara em prática políticas públicas de seguridade social e trabalhista que deixaram fortes marcas na parcela mais pobre da população, esquecida pelos governos anteriores.

Os vastos fluxos migratórios rumo à Argentina desde fins do século XIX eram compostos em grande parte por sindicalistas, anarquistas, socialistas e outras castas ideológicas perseguidas em seus países de origem, particularmente Espanha e Itália. Como resultado, organizações civis cada vez mais fortes, em busca de protagonismo em um país que enriquecia mediante uma vertiginosa exportação de commodities.

Perón, antes mesmo de assumir a presidência, era visto pelas oligarquias e forças militares conservadoras como um político de tendências socialistas. Ao mesmo tempo, seu trânsito com o proletariado era também um recurso útil capitalizado pela classe industrial. 

Nesse cenário, Perón avançou à presidência consolidando um Estado forte que ofereceu à classe média ampliada muito mais do que alguns benefícios e programas sociais. A qualidade dos serviços públicos, de hospitais e escolas a colônias de férias, somados ao voto feminino e aos investimentos maciços em pesquisa e formação técnica são alguns dos fatores que ampliaram seu apoio para muito além das classes trabalhadoras.

Em 1955 Perón foi finalmente deposto pelas forças políticas locais apoiadas pela agressiva expansão norte-americana do pós-guerra. Dali em diante, durante seus 18 anos de exílio na Espanha, a Argentina viu crescer seus movimentos estudantil e sindical. Surgiram ainda organizações guerrilheiras armadas operando em um país cuja classe média se via agora desprotegida pelos sucessivos ditadores militares.

O partido peronista caíra na ilegalidade, mas todos reivindicavam a volta do velho líder. Suas leis e instituições permaneciam e o peronismo era uma teia invisível de valores a sustentar as reivindicações de amplos setores da população.

Por mais contradições que apresentasse, Perón deixou uma marca que só aumentou na medida em que nenhum governo das décadas seguintes conseguiu um desempenho sequer razoável no que diz respeito a conquistar um espaço legítimo no país.

Os anos Kirchner chegaram muito perto disso, não sem graves percalços político-econômicos, mas com históricas ações em defesa dos Direitos Humanos. Apoiaram-se no peronismo para ensejar a criação de um kirchnerismo.

Para ganhar uma eleição, Macri precisa passar longe dos Kishner e do que eles representam; no entanto, não abre mão de expressar seu peronismo. Nem que seja ao menos por um dia.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Peronistas, kirchneristas e outras espécies argentinas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV