Novo relatório propõe novas medidas de mitigação para reduzir emissão de carbono negro

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Um novo documento anti-Francisco com cem assinaturas: “Atos sacrílegos durante o Sínodo, precisa se arrepender”

    LER MAIS
  • Plano de Guedes constitucionaliza drenagem de recursos dos pobres para os ricos

    LER MAIS
  • Por que o fim do DPVAT é mais um golpe no financiamento do SUS

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

27 Outubro 2015

O carbono negro absorve energia solar a taxas um milhão de vezes maiores que o dióxido de carbono. Apesar de permanecer na atmosfera por poucos dias, ele contribui para o processo geral de aquecimento global.

A reportagem foi publicada por ONU Brasil, 26-10-2015.

O carbono negro causa milhões de mortes todos os anos e contribui para aumentar as temperaturas no planeta. Na atmosfera, ele aparece como poluição do ar, com emissões provenientes, principalmente, da combustão de diesel e biocombustíveis, usinas de carvão, fornos de biomassa, fornos de tijolos e queimadas de vegetação. Para mitigar seus efeitos no aquecimento global, um novo relatório foi apresentado pelo Painel Consultivo Técnico e Científico do Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF, em inglês) no 49º Encontro Anual do Fundo Global para o Meio Ambiente, que aconteceu em Washington, EUA, de terça-feira (20) e quinta-feira (22).

O Painel, composto por um grupo de cientistas apoiados pelo Programa da ONU para o Meio Ambiente (PNUMA), recomenda investimentos significativos na aceleração da redução do carbono negro para diretamente apoiar a implementação dos recentemente anunciados Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS) nas áreas de melhoria da qualidade do ar, mitigação de mudança do clima, redução da vulnerabilidade do clima, e transferência de tecnologias de baixo carbono.

O carbono negro absorve energia solar a taxas um milhão de vezes maiores que o dióxido de carbono. Apesar de permanecer na atmosfera por poucos dias, ele contribui para o processo geral de aquecimento global. Ele tem estado ligado a uma série de impactos ambientais e à aceleração do degelo em regiões sensíveis como o Ártico e o Himalaia, que são particularmente vulneráveis a esses efeitos.

As emissões de carbono negro também causam impactos adversos na saúde humana e nos ecossistemas. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a fumaça proveniente da queima de carvão ou madeira está entre os dez maiores fatores de risco de saúde no mundo, contribuindo para mais de 4 milhões de mortes prematuras todos os anos por doenças relacionadas à poluição do ar.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Novo relatório propõe novas medidas de mitigação para reduzir emissão de carbono negro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV