Igreja e mulheres: fora das jaulas do pensamento patriarcal. Artigo de Benedetta Selene Zorzi

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Aos 15 anos da morte do filósofo francês Jacques Derrida, o último subversivo

    LER MAIS
  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Outubro 2015

Agradeço ao papa como mulher, solteira, pelo seu esforço de desmantelar mentalidades penalizantes em relação às mulheres. Espero que ele saiba como ir até o fim nessa operação, com as consequências que ela comporta, e que a sua Igreja de rosto oficial masculino saiba segui-lo.

A opinião é da teóloga italiana Benedetta Selene Zorzi, professora de Teologia Espiritual no Istituto Teologico Marchigiano e de Antropologia Teológica e Patrologia no Instituto Superior de Ciências Religiosas de Ancona, onde ocupa o cargo de vice-diretora. É membro da Coordenação de Teólogas Italianas.

O artigo foi publicado na revista Adista Segni Nuovi, nº 36, 24-10-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

"Eu porei inimizade entre você e a mulher, entre a descendência de você e os descendentes dela" (Gn 3, 15a). São as palavras que Deus dirige à serpente enganadora, encantadora. Mediante essas palavras, Deus marca a mulher com uma barreira de proteção contra o mal, à qual ela pode recorrer – se quiser – por todas as gerações. Isso significa que uma mulher traz uma bênção secreta e especial, para a defesa da sua criatura do Maligno! Como a Mulher do Apocalipse, que corre para esconder o filho do Dragão. E Deus a protege (cf. Ap 12, 6). Pensem em que profundidade se abre aqui! Existem muitos lugares-comuns, às vezes até mesmo ofensivos, sobre a mulher tentadora que inspira ao mal. Ao contrário, há espaço para uma teologia da mulher que esteja à altura dessa benção de Deus para ela e para a sua geração!
- Papa Francisco, Audiência Geral do dia 16 de setembro de 2015

Quem leu a insatisfação de muitas mulheres católicas (ou não) depois das palavras acima mencionadas do Papa Francisco sobre a mulher tentadora poderia dizer que realmente nunca há nada de bom!

É verdade. Não é bom ainda ouvir que precisamos de uma teologia da mulher, quando milhares de mulheres há mais de um século estudam e escrevem sobre teologia e mulheres, sobre qual foi o seu papel, a sua memória e as suas ações, prospectando às vezes uma tradição um pouco diferente daquela transmitida pelos homens.

Não é bom que a teologia que a Igreja tem das mulheres ainda seja a transmitida pelos Padres da Igreja, com poucos ajustes que nem arranham a sua estrutura de fundo. Não é bom que existam apelos para uma teologia da mulher e não, igualmente, a uma do homem (entendido como ser do sexo masculino).

Não é bom que se fale da mulher ainda no singular, como se fosse um bloco monolítico a ser abordada como algo de estranho que aconteceu com o ser humano neutro macho, que se depara diante dela e deve dar contas dela.

Não é bom que se denuncie como é ofensivo pensar as mulheres apenas no papel de tentadoras e não se denunciem, ao mesmo tempo, as graves culpas que a história, até mesmo cristã, tem em relação com tantas mulheres mortas porque atentavam ao poder religioso, jogadas na fogueira como bruxas.

Não é bom que se pense no papel das mulheres ainda e apenas reduzindo-as ao papel de mães, biológicas ou espirituais: é sempre o mesmo papel limitante que esquece que, biologicamente, as mulheres são estruturadas também para fazer cálculos de matemática, falar em público, tomar decisões, gerenciar situações complexas, ir para o espaço.

Não é bom que, na exaltação da mulher como especial, não lhe seja reconhecido um ministério ou sacramento na Igreja em virtude dessa (qual seria, aliás?) "especialidade".

Não é bom que, lembrando a mulher pelo seu papel de defesa do maligno e apresentando-a como protetora, ela seja recolocada em uma situação funcional do mesmo tipo, embora de sinal oposto, daquela que a torna causa eficiente de pecado, isto é, instrumental.

Não é bom que, quando se insiste na retórica da família tradicional, que também é a da família patriarcal, nos esqueçamos de contar as violências, os lugares de sofrimento e de dor que a família constitui, não apenas para as mulheres.

"O mundo criado foi confiado ao homem e à mulher: o que acontece entre eles marca tudo." Sacrossanto, Santo Padre! Então é justo se fazer a pergunta: que mundo é – ou que porção de mundo é – este em que às mulheres não é concedido o acesso a papéis de plena liderança e participação na tomada de decisões?

Que marca tem aquela porção de mundo incapaz de considerar mulheres como iguais na oferta formativa, na oportunidade de ação apostólica, na colaboração para além de serviços de dependência e que as coloca sistematicamente às margens ou fora dos lugares de incidência de decisão ou de partilha na gestão do poder... que é um serviço?

Que marca tem aquela porção de mundo em que o trabalho feito pelas mulheres para a construção das comunidades e das paróquias não tem um reconhecimento ministerial, econômico e público?

Por que o senhor também não afirma que, em um mundo ou em uma porção de mundo em que as mulheres ainda e sempre estão sujeitas ao poder decisional masculino, elas também devem pagar o preço afetivo e o peso humano de uma instituição em que o reconhecimento pleno da sexualidade, da afetividade, das afinidades eletivas, das competências, da profissionalidade e do protagonismo de cada ser humano como tal – seja homem ou mulher, seja célibe/núbil ou casado, com filhos ou não – ocorre segundo uma arcaica concepção subordinativa e funcional da mulher?

Se essa concepção arcaica é ainda mais incompatível hoje, não só em relação à sociedade atual, mas também no que diz respeito à concepção antropológica e social em mudança que a Igreja tem (ou diz ter) assumido, então deve ser denunciada uma duplicidade mental e institucional de fundo que deve ser desmantelada o quanto antes.

Porque o risco de uma instituição que concebe assim o mistério da Igreja é o de continuar subsistindo apenas a preço de incoerências estruturais que formam pessoas divididas ou membros acostumados à duplicidade.

Agradeço ao papa como mulher, solteira, pelo seu esforço de desmantelar mentalidades penalizantes em relação às mulheres. Espero que ele saiba como ir até o fim nessa operação, com as consequências que ela comporta, e que a sua Igreja de rosto oficial masculino saiba segui-lo.

O que é certo é que, diante dele, ele não vai encontrar uma mulher, mas um numeroso exército de mulheres que o precederam.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Igreja e mulheres: fora das jaulas do pensamento patriarcal. Artigo de Benedetta Selene Zorzi - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV