Igreja suíça adverte: "Vaticano deve seguir a Laudato si' e deixar de investir em combustíveis fósseis"

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Irreverência

    LER MAIS
  • Uma prova do conclave. O próximo papa assumirá o nome da Comunidade de Santo Egídio

    LER MAIS
  • “Eu estou tirando Deus da Bíblia”. Entrevista com Marc-Alain Ouaknin

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

08 Outubro 2015

Em maio passado, o Papa Francisco se fez promotor da encíclica Laudato si', com a qual pede maior respeito pelo ambiente, mas, enquanto isso, o Vaticano manteve os seus substanciais investimentos em energias não eco-compatíveis.

A reportagem é de Franco Zantonelli, publicada no jornal La Repubblica, 06-10-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Isso foi destacado durante um congresso por Dom Charles Morerod, bispo da diocese que abrange Lausanne, Genebra e Friburgo. "Eu pretendo tornar isso presente aos conselheiros de Sua Santidade", prometeu o prelado suíço na quinta-feira passada, diante de uma centena de fiéis que participaram, na Universidade de Lausanne, de uma série de conferências intitulada "Livremo-nos das energias fósseis".

Em essência, Dom Morerod, que também preside a Conferência dos Bispos da Suíça, convida a Igreja a passar das palavras para os fatos em uma questão que, em particular na Confederação, é particularmente sentida.

No entanto, quando esse bispo, que, como meio de locomoção, prefere a bicicleta, é questionado sobre a dimensão dos investimentos do Vaticano em energias fósseis, um pouco ingenuamente, ele afirma não saber.

"Trata-se de 7 bilhões de euros, subdivididos entre petróleo, gás natural e carvão", informa a ele, então, um dos participantes da série de conferências na Universidade de Lausanne, como escreve o jornal Le Matin Dimanche.

Ao ouvir esses dados, a Irmã Terra corre o risco de protestar em vão "pelo mal que lhe provocamos, por causa do uso irresponsável e do abuso dos bens que Deus nela pôs", apenas para lembrar uma passagem do Cântico de São Francisco, citado pelo papa na sua encíclica Laudato si'.

Quanto a Dom Morerod, ele não fez nada mais do que se alinhar àquelas paróquias anglo-saxônicas e da Europa do Norte que, há já algum tempo, convidaram os seus fiéis a retirarem todos os seus investimentos dos grupos envolvidos no negócio das energias fósseis. O que significa, dentre outras coisas, ficarem longe de gigantes bancários como UBS e Goldman Sachs, que, com esse negócio, continuam lucrando. "Em nome da moral ecológica e do respeito pela criação", explicou Guillermo Kerber, diretor de Conselho Ecumênico de Igrejas de Genebra, alegrando-se com a iniciativa de Dom Morerod.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Igreja suíça adverte: "Vaticano deve seguir a Laudato si' e deixar de investir em combustíveis fósseis" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV