O erro de Piketty?

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Onde estava Deus?” Por que Auschwitz é o símbolo do mal

    LER MAIS
  • Brasil vive pior cenário para indígenas desde a redemocratização, diz antropólogo em Paris

    LER MAIS
  • A Companhia e os jesuítas, do Vaticano II ao Papa Bergoglio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Setembro 2015

"Voltando a PikettyMcCloskey faz o elogio de praxe (um incrível trabalho de coleta de dados), mas detona a obra do francês, que acusa de estar equivocado 'em sua ciência e ética social'", escreve Hélio Schwartsman, jornalista, em artigo publicado por Folha de S. Paulo, 27-09-2015.

Eis o artigo.

Recebi de meu amigo Eduardo Giannetti uma interessante resenha de Deirdre McCloskey sobre o best-seller de Thomas Piketty, "O Capital no Século 21", que, se não encerra o debate, dá o que pensar.

Eu deveria ir direto ao cerne, mas não resisto em fazer um pit-stop na fofoca. McCloskey, para quem não conhece, chocou a academia americana ao anunciar, nos anos 90, que trocaria de sexo. Donald McCloskey, um "Chicago boy" que construíra sólida reputação com trabalhos sobre o papel da persuasão na economia e atacando a má matematização que se assenhorou da disciplina, estava se tornando Deirdre. A experiência virou um livro, "Crossing: a Memoir".

Voltando a Piketty, McCloskey faz o elogio de praxe (um incrível trabalho de coleta de dados), mas detona a obra do francês, que acusa de estar equivocado "em sua ciência e ética social". Os dois problemas mais graves, diz McCloskey, é que Piketty não leva em conta a curva de oferta nem o capital social, o que torna suas previsões irrealisticamente pessimistas.

No primeiro erro ele estaria acompanhado de Malthus, que também não teria sido capaz de antecipar que inovações podem mudar completamente o jogo. No segundo, ele simplifica demais as coisas, ao contabilizar apenas patrimônio e renda do trabalho. "Se a renda for corretamente medida para incluir melhores condições de trabalho, mais anos de educação, melhor assistência à saúde, mais anos de aposentadoria, mais subsídios sociais e, acima de tudo, a crescente qualidade e maior abundância dos produtos, então a renda dos pobres cresceu", diz a autora.

E ela coloca alguns números. Nos últimos dois séculos, o mundo assistiu ao "Grande Enriquecimento", pelo qual o habitante médio do planeta teve sua riqueza multiplicada por dez, chegando a 30 nos países desenvolvidos. Para McCloskey, melhorar as condições de vida é muito mais importante do que evitar que milionários herdem sete Rolex de uma vez.

Veja também:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O erro de Piketty? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV