''De geração em geração, o nome da Síria será sinônimo de ressurreição'': o sonho do padre Dall'Oglio

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • ''Há um plano para forçar Bergoglio a renunciar", denuncia Arturo Sosa

    LER MAIS
  • EUA: um complô para fazer com que o papa renuncie

    LER MAIS
  • “Construímos cidades para que as pessoas invistam, não para que vivam”. Entrevista com David Harvey

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

30 Julho 2015

Neste dia 29 de julho completam-se dois anos. Há mais de 730 dias, o jesuíta Paolo Dall'Oglio desapareceu em Raqqa, aonde havia retornado às escondidas, apesar da expulsão do regime.

A reportagem é de Lucia Capuzzi, publicada no jornal Avvenire, 28-07-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

E, no domingo, o Papa Francisco quis recordá-lo durante o Ângelus. "Dirijo um aflito e urgente apelo pela libertação desse estimado religioso", disse o pontífice. "Não posso esquecer também os bispos ortodoxos sequestrados na Síria – acrescentou o papa – e todas as outras pessoas que, nas zonas de conflito, foram sequestradas. Espero o renovado compromisso das competentes autoridades locais e internacionais, para que a esses irmãos seja em breve restituída a liberdade. Com afeto e participação nos seus sofrimentos, queremos recordá-los na oração."

Palavras acolhidas com profunda gratidão pelos familiares dos religiosos, há mais de 30 anos comprometido com o diálogo entre cristianismo e Islã.

"Em nome da nossa família, desejo expressar toda a nossa gratidão ao papa pelo apelo que dirigiu no Ângelus pela libertação do nosso irmão Paolo", disse à Rádio Vaticano Francesca Dall'Oglio, irmã do jesuíta. E acrescentou: "Gostaria de enfatizar que, para nós, foi fonte de grande consolação e ao mesmo tempo de emoção e de esperança".

Logo após o sequestro, no dia 31 de julho de 2013, Francisco havia manifestado a sua proximidade. Na missa celebrada com os coirmãos, por ocasião da festa de Santo Inácio de Loyola, o papa, falando sobre o compromisso dos jesuítas, tinha dirigido um pensamento a Dall'Oglio: "Penso em ti, padre Paolo".

O apelo de domingo traz novamente o caso – assim como o do Metropolita Boulos Yazigi, da Igreja Ortodoxa de Antioquia, e do Metropolita Mar Gregorios Youhanna Ibrahim, da Igreja Siro-Ortodoxa, reféns desde 2012 – à cena internacional.

Um fato importante, como demonstra a oportuna mensagem do ministro do Exterior italiano, Paolo Gentiloni, que, no Twitter, agradeceu o pontífice.

Enquanto isso, na segunda-feira, o presidente da República italiana, Sergio Mattarella, garantiu que o compromisso italiano com relação ao sacerdote "continua máximo".

Desde o início, o sequestro do padre Dall'Oglio é incomum. Até agora, nenhuma das inúmeras formações armadas sírias reivindicou o sequestro. Quem e por que capturou o "jesuíta do diálogo"?

Segundo a versão mais aceita, o religioso havia retornado para o país para mediar uma disputa. No último contato, no Facebook, no dia 27 de julho, ele dissera "ter que encerrar uma questão". Depois, o silêncio. Nunca interrompido.

Enquanto isso, circulou uma série de boatos, nunca verificados. Várias vezes, surgiu o rumor da sua morte, depois desmentida. A chama da esperança, no entanto, "continua sempre viva. Rezamos para que se possa ter alguma notícia reconfortante", disse ao canal TV2000 o núncio de Damasco, Dom Mario Zenari. "Naturalmente, quanto mais o tempo passa, mais essa pequena chama se torna sutil, mas não está absolutamente extinta".

Segundo Dom Zenari, na Síria, desapareceram mais de 20 mil pessoas, incluindo cinco sacerdotes e dois bispos. O fenômeno destaca como a crise síria já é uma guerra anárquica de todos contra todos. Em que os grupos armados se disseminam em uma miríade de bandos que se aproveitam da impunidade para acertar contas novas e velhas.

O padre Dall'Oglio havia previsto isso. Não por acaso, no livro-testemunho Collera e luce (EMI), escrito poucos meses antes de desaparecer, ele definira essa situação como "guerra insuportável", o "nosso naufrágio".

No entanto – apesar do horror – o jesuíta continuava tendo uma "fé inabalável, por estar enraizada em um futuro de decisões e não de previsões, no fato de que judeus, cristãos e muçulmanos nos amaremos e nos reconheceremos uns aos outros". Por isso, "de geração em geração, o nome da Síria será sinônimo de ressurreição".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

''De geração em geração, o nome da Síria será sinônimo de ressurreição'': o sonho do padre Dall'Oglio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV