Líder Munduruku denuncia Belo Monte e barragens na bacia do Tapajós durante reunião da ONU

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Arcebispo brasileiro é atacado por liderar ''infiltração esquerdista'' na Igreja

    LER MAIS
  • Opositores do Sínodo Pan-Amazônico descartam a doutrina social católica

    LER MAIS
  • Soja, o fio sutil entre a China e a destruição do ecossistema sul-americano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Junho 2015

Hoje, quarta-feira, dia 24, às 16h30 (11h30 Brasília), Ademir Kaba Munduruku, representante do povo Munduruku do Alto Tapajós, vai levar a luta em defesa de seus direitos para Genebra e apresentar ao Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (UNHRC).

A reportagem foi publicada pelo portal EcoDebate, 24-06-2015. 

O governo quer construir nove usinas na bacia do Tapajós e Teles Pires. Os impactos devem afetar as terras Munduruku como um todo. Mapa em A Pública

O líder indígena vai acompanhado por Felício Pontes, Procurador da República do MPF-PA, cuja atuação fundamental na defesa dos direitos humanos e da legislação ambiental nos casos de Belo Monte e barragens na bacia do Tapajós é do conhecimento de todos.

Além de tratar do descumprimento da legislação sobre o direito à CLPI no caso de barragens no Tapajós, também vão falar sobre iniciativas recentes do povo Munduruku para defender seus direitos, a exemplo da elaboração do protocolo de consulta, detalhando diretrizes e procedimentos para um processo culturalmente apropriado de consulta prévia, e da auto-demarcação do território Sawre Muybu.

Em Genebra, também haverá reuniões com a embaixadora da Missão Permanente do Brasil junto à ONU e assistentes para os Relatores Especiais sobre o Acesso à Justiça, Água, Meio Ambiente e Responsabilidade Corporativa. Assim, estas atividades mantêm a continuidade de denúncias anteriores no âmbito do UNHRC, do Fórum Permanente da ONU sobre Questões Indígenas, e na Comissão Inter-Americana de Direitos Humanos (CIDH).

Além do evento paralelo da ONU em Genebra, aberto ao público e a autoridades internacionais, Munduruku se reunirá em Paris, com o diretor de energia da ex-estatal EDF (Electricité de France, hoje de economia mista com 70% das ações na mão do governo), Antoine Cahuzac, o Conselho Nacional de Direitos Humanos da França, e deputados e senadores franceses, para denunciar a participação da empresa nos impactos dos projetos hidrelétricos na bacia Teles Pires/Tapajós.

A EDF detém 51% das ações do consórcio construtor da usina de Sinop (Teles Pires), no Mato Grosso, e é a única empresa privada internacional no Grupo de Estudos Tapajós – GET, que avalia a de viabilidade da hidrelétrica de São Luiz do Tapajós (Tapajós, PA).

Enfim, com cautela e discernimento, o povo munduruku está dando uma aula de cidadania e esperamos que as atividades em Genebra e Paris possam contribuir, de forma significativa, para defesa de seus direitos, e, de forma mais ampla, para as lutas pela justiça socioambiental na Amazônia.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Líder Munduruku denuncia Belo Monte e barragens na bacia do Tapajós durante reunião da ONU - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV