Família e gays na Igreja será confronto no Sínodo

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • Cisma: uma noção que mudou ao longo dos séculos. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

01 Junho 2015

Terceiro mundo contra o Ocidente. No Sínodo de outono se enfrentarão duas visões diversas sobre a família, visto que esta realidade reflete as grandes transformações em andamento. É difícil imaginar o epílogo. Em parte porque os bispos africanos e asiáticos estão fazendo bloqueio comum, não compartilhando das análises dos episcopados dos EUA, da Alemanha, Suíça, Bélgica, Holanda, Áustria, onde a família é variegada, com núcleos de geometrias variáveis. Divórcios, filhos de primeiro, segundo, terceiro casamento, núcleos de gays que se ocupam das próprias crianças (adotados ou nascidos fora da própria realidade) como qualquer outro progenitor. Aquilo que outrora era anômalo, hoje na Europa é a norma. Para a Igreja um enigma, para o Papa Francisco um problema. Por isso se está procurando uma mediação e a frase do cardeal Parolin é lida nesta ótica. De 28 a 31 de maio, em Moçambique, os episcopados africanos se confrontarão com o Conselho da Conferência da Europa (CCEE). Em agenda os desafios antropológicos, sociais e eclesiais.

O texto é de Francesca Giansoldati, publicado no jornal Il Messaggero, 28-02-2015. A tradução é de Benno Dischinger.

A partir do comunicado final se entenderá se a rachadura é insanável. É dos tempos dos Digo que a Igreja abriu espaço aos direitos dos casais gay, propondo modificar o Código, mas sem igualá-lo ao matrimônio. Agora o discurso se desloca para o plano eclesial e pastoral. As respostas aos questionários, enviados pela Santa Sé aos episcopados para recolher as opiniões em vista do Sínodo, confirmam o que já era evidente: diversas Igrejas do Norte esperam por uma mudança doutrina e não só pastoral. Não se trata somente da comunhão aos divorciados novamente casados, mas também dos casais gay. Porta-voz do mal-estar dos africanos é o cardeal Sarah, da Guiné. “Eu estou entre aqueles que não permitirão que a pastoral substitua a doutrina”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Família e gays na Igreja será confronto no Sínodo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV