Festa de Pentecostes

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Liberdade e igualdade não bastam: uma cartilha sobre a Fratelli tutti. Artigo de Charles Taylor

    LER MAIS
  • Paraná. Professores entram no sexto dia de greve de fome

    LER MAIS
  • A Economia Anticapitalista dos Franciscos e das Claras

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Mai 2015

No Pentecostes, a Páscoa se completa! Cumpre-se hoje a promessa de Jesus: “todos ficaram repletos do Espírito Santo”. O dom do Espírito é o coroamento do percurso pascal de Cristo. Após este dom, inicia-se a longa caminhada dos discípulos e da humanidade rumo à perfeição da criação.

A reflexão é de Marcel Domergue, sacerdote jesuíta francês, publicada no sítio Croire, comentando as leituras do Domingo de Pentecostes. A tradução é de Francisco O. Lara, João Bosco Lara e José J. Lara.

Eis o texto.

Referências bíblicas:

Missa da Vigília:

1ª leitura: Gn 11,1-9
«O Senhor confundiu a linguagem de todo o mundo e dispersou os homens por toda a terra» 
Salmo: Sl 103(104)
R/ Enviai o vosso Espírito, Senhor, e da terra toda a face renovai.
2ª leitura: Romanos 8,22-27
«É o Espírito que intercede em nosso favor com gemidos inefáveis» 
Evangelho: João 7,37-39
«Aquele que crê em mim, rios de água viva jorrarão do seu interior» 

Missa do Dia

1ª leitura: Atos 2,1-11
«Todos ficaram repletos do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas» 
Salmo: Sl 103(104)
R/ Enviai o vosso Espírito, Senhor, e da terra toda a face renovai.
2ª leitura: 1 Cor 12,3-7.12-13
«A cada um é dada a manifestação do Espírito em vista do bem comum» 
Sequência: Espírito de Deus, enviai dos céus um raio de luz!
Evangelho: João 20,19-23
«Como o Pai me enviou, também eu vos envio: e, tendo dito isto, soprou sobre eles» 

A última palavra

O dom do Espírito é a última palavra, o coroamento do percurso pascal de Cristo. Após este dom, começa a longa caminhada dos discípulos e da humanidade rumo à perfeição da criação, o "Tempo Comum". Este é um tempo cheio do Espírito. E, pelo Espírito, o Cristo se torna interior a nós, a tal ponto misturado conosco que dificilmente é identificável: mais íntimo a nós do que a nossa própria intimidade. Temos aqui, a seguir, alguns temas e imagens escriturais que podem nos permitir progredir na inteligência do Espírito.

Primeiro, as línguas

Um fogo que se repartiu em línguas (Atos 2,3): a unidade fez-se diversidade. Isto quer dizer, sem dúvida, que a Unidade divina é rica por demais, para exprimir-se conforme um modelo só. É como o corpo humano: o homem novo é um organismo, é a organização e unificação de uma multiplicidade. Um só é o Espírito, e as línguas todas, uma diversidade. Uma só, a equipe apostólica, e a totalidade das nações. Tem-se observado com frequência que Pentecostes anula a divisão provocada em Babel pela vontade humana do poder (1ª leitura da Vigília). Estamos sempre convidados a passar do regime de Babel ao regime do Espírito pela constituição deste Corpo de que nos fala a segunda leitura do dia. O espetáculo é com certeza menos grandioso do que o do dom da Lei, em Êxodo 19. O texto de Atos fala, no entanto, de «um barulho como se fosse uma forte ventania» e de «línguas como de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles». É que passamos do estado de submissão à Lei, ao estado de liberdade no Espírito. A nova Babel faz-se acompanhar de um novo Sinai. Daí em diante, seremos movidos pelo Amor que é o liame da Trindade. A Lei será então perfeitamente observada e cumprida, mas não mais em nome da Lei, e sim pela força do amor.

O vento violento

No 2º capítulo do Gênesis, vemos o homem feito de argila ser animado pelo próprio sopro de Deus, sopro que significa a respiração, mas também a vida. Sopro de Deus que pode tornar-se vento violento, para secar as águas do dilúvio ou separar em dois o Mar Vermelho; ou então um sopro novo, para uma vida nova (Ezequiel 36,26-27); ou a leve brisa que revela a presença divina para Elias (1 Reis 19,12). Jesus irá dizer que os que nasceram do Espírito são como o vento, que sopra onde quer (João 3,8). No evangelho de hoje, Jesus repete o mesmo gesto com que Deus animou Adão: comunica o seu sopro aos discípulos. Os Atos contentam-se com falar de um «barulho como se fosse uma forte ventania». Todas estas figuras querem significar: vida, mobilidade extrema, liberdade.

A alegria

A "Sequência", localizada entre a 2ª leitura e o evangelho, apresenta-nos o Espírito como sendo a luz e o operador de tudo o que Deus realiza em nós e por nós. Este texto termina falando na «alegria eterna». No discurso após a Ceia, o Espírito é chamado muitas vezes de defensor, de advogado de defesa que é quem sustenta, encoraja e assiste o seu cliente no decurso de um processo. Tudo isso nos diz que a vinda do Espírito se manifesta por uma inundação de alegria, o que os autores espirituais chamam de «consolação». Muitas vezes falamos de Deus como de um juiz, que retribui a cada um conforme as suas obras, mas esquecemos facilmente o fato de ser este mesmo Deus o nosso defensor.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Festa de Pentecostes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV