Santander decide parar de financiar o desmatamento na Indonésia

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • O psicanalista analisa o "vazio de sentido". "A técnica domina, a política não decide, os jovens consomem e ponto". Entrevista com Umberto Galimberti

    LER MAIS
  • ''Estamos vendo o início da era da barbárie climática.'' Entrevista com Naomi Klein

    LER MAIS
  • Necropolítica Bacurau

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Março 2015

Pressão popular, em especial dos correntistas do banco, foi fundamental para que a instituição interrompesse empréstimos à fabricante de celulose responsável pela destruição de florestas.

A reportagem foi publicada por Greenpeace Brasil, 04-03-2015.

O banco Santander, um dos maiores do mundo, se comprometeu a parar de financiar a fabricante de papel e celulose Asia Pacific Resources International devido a destruição promovida pela companhia na floresta tropical da Indonésia.

A April é considerada a maior desmatadora da Indonésia. Ali, tem suplantado grandes áreas de florestas milenares para a plantação de acácias, usadas na fabricação de papel e celulose. As ações da empresa já foram condenadas por todas as agências ambientais do país, que a acusam de violar leis ambientais, não cumprir com suas próprias regras básicas de proteção das florestas – que são insuficientes – e de causar conflitos nas comunidades locais.

O Santander possui aproximadamente 14% do mercado de hipotecas do Reino Unido e mais de 100 milhões de clientes em todo o mundo. Em uma investigação, o Greenpeace descobriu que o banco havia emprestado dezenas de milhares de libras diretamente para a April, e viabilizado outros empréstimos via sindicatos, incluindo um de 400 milhões de libras, que deu a instituição bancária o prêmio de “Negócio do Ano”, cedido pela revista Trade Finance.

Ativistas do Greenpeace do Reino Unido realizaram uma ação, em fevereiro deste ano, em frente do escritório central do Santander em Londres. A investigação do Greenpeace apontou que o banco vinha financiado as operações da April na floresta tropical da Indonésia.

Mas, na semana passada, o banco multinacional emitiu um comunicado, em resposta aos milhares de pedidos de explicação e reclamações recebidos, no qual declarou: “baseado em uma profunda análise interna, o Banco Santander decidiu não renovar o atual financiamento da April e não ampliar o crédito nesta fase. Todos os empréstimos futuros a April estarão condicionados a implementação de novas medidas para uma atuação sustentável em relação ao desmatamento.”

“Estamos muito satisfeitos que o Santander se juntou à lista crescente de empresas que decidiram acabar com sua participação no desmatamento e tomar uma posição contra a destruição da floresta promovida pela April. Muitos grandes compradores de papel já cancelaram seus contratos com a April exatamente por esta razão. O anúncio do Santander envia uma mensagem clara para empresa, de que o desmatamento é inaceitável. Além disso, o anúncio coloca uma enorme pressão sobre outros bancos internacionais que possuem ligações financeiras com a April, incluindo o Credit Suisse e o ABN Amro Bank, para que firmem compromissos semelhantes”, disse Zulfahmi Fahmi, da campanha de florestas do Greenpeace na Indonésia.

Os ativistas do Greenpeace iniciaram uma campanha pela internet, com massivo apoio popular, para convencer o Santander a parar de financiar a destruição da floresta.

“Tudo que o Greenpeace fez foi dar informações para nossos apoiadores e eles fizeram o resto. A resposta dos clientes do Santander tem sido sensacional. O Santander, por sua vez, ouviu e atendeu a demanda. Mas isso nunca teria acontecido se o banco tivesse uma política responsável de crédito. A política de crédito para o setor florestal continua um mistério – Santander deve revisá-la e publicá-la para fechar qualquer brecha que permita que outras empresas continuem obtendo financiamentos para destruir as florestas.

A instituição também deve rever sua carta de clientes, para evitar que outras companhias polêmicas rondem os seus balanços”, afirma o coordenador da campanha de florestas do Reino Unido, Richard George. (Greenpeace/Envolverde)

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Santander decide parar de financiar o desmatamento na Indonésia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV