“A luz é para todos. As escuridões é que são apartadas e diversas”. Um dia com Guimarães Rosa

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • In memoriam do teólogo que apostou no “ministro da comunidade” para superar o clericalismo

    LER MAIS
  • Uma Igreja pobre? Dinheiro, sectarismo e tradição católica. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Abuso de autoridade na igreja. Problemas e desafios da vida religiosa feminina

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Jonas | 23 Fevereiro 2015

Como não inquirir sobre o mistério da vida ao se deparar com a obra de João Guimarães Rosa? Este autor que encontra nas histórias e estórias de gente comum os verdadeiros enigmas que acompanham a existência humana, deixa para seus leitores uma grande possibilidade de adentrarem nas grandes questões humanas. Questões estas que foram meditadas e rezadas em um dia de encontro com a obra de Guimarães Rosa, no último sábado, dia 21 de fevereiro, na Casa do Trabalhador, em mais uma etapa do Projeto Rezar com os Místicos, organizado pela CJCIAS/CEPAT.

O relato é de Jonas Jorge da Silva, da equipe do CJCIAS/CEPAT.

Para o padre jesuíta Rogério Mosimann da Silva (foto), que assessorou o encontro, é no antropológico que teologia e literatura se encontram na obra de Guimarães Rosa, que também foi médico e diplomata. O autor mineiro, nascido na interiorana cidade de Codisburgo, possui uma grande capacidade de fazer ver, ouvir e sentir os dramas humanos, com uma incrível facilidade de tocar em questões que são fundamentais para a existência humana. Desse modo, em sua obra é possível se deparar com a questão do bem e do mal, do sofrimento, da liberdade, da violência, da sobrevivência e da morte. É isso que o torna um grande escritor. Como bem frisou o assessor, na obra de Guimarães Rosa há referências diretas e explícitas a Deus, ao transcendente e à religião, no entanto, a possibilidade de abertura para a dimensão transcendente não se resume a tais referências, mas, sim, ao grande valor simbólico de tudo o que escreveu.

Nesse sentido, em Guimarães Rosa, o sertão é mais do que um espaço geográfico e cultural, nele está presente a dimensão do simbólico. O sertão é o mundo no qual obrigatoriamente todos se deparam com a condição de ser humano e com tudo o que implica tal qualidade. A partir dele, é possível se abrir ao mistério, ao místico e ao poético.

A obra de Guimarães Rosa envolve inteiramente os que se atrevem a lê-lo. O autor joga luzes sobre as sombras da alma humana, revelando as contradições presentes na feitura humana, não com o espanto de quem não conhece nem a si próprio, mas, sim, como um verdadeiro médico que conhece as dores mais profundas, tanto as suas como as daqueles que se fossem vistos com um olhar descuidado passariam por sadios, normais e comuns.

“A luz é para todos. As escuridões é que são apartadas e diversas”, escreve Guimarães Rosa, em “A benfazeja” (Rosa, João Guimarães. Primeiras Estórias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985, 14ª ed, p. 113-122), texto que foi lido e debatido pelos participantes.  De fato, cada pessoa carrega consigo um penar, que exige um golpe de clemência divina. Como bem suplicou um dos que vivenciaram este encontro com Guimarães Rosa, é preciso “encontrar forças para atravessar o sertão da vida”. Não há quem se salve dessa extraordinária comum existência. Como bem dizia o poeta, “quando nada acontece, há um milagre que não estamos vendo”.

Rezar com Guimarães Rosa foi uma pretensão deliciosa, não adocicada, uma vez que os sabores são diversos. Percebeu-se que entre os participantes houve um verdadeiro encontro de fé, de desejo do outro, de ver a Deus mesmo correndo o risco da blasfêmia. Na obra de Guimarães Rosa, ver a Deus só é possível pela mediação antropológica. Não se trata de uma mística qualquer, destas que saciam a fome com qualquer comida, mas, sim, de uma mística marcada pela sempre misteriosa dádiva da vida vivida.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“A luz é para todos. As escuridões é que são apartadas e diversas”. Um dia com Guimarães Rosa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV