O Papa escreve aos novos cardeais: sejam humildes; a púrpura não é um prêmio

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • “Os pecados da carne não são os mais graves. Os mais graves são aqueles que têm mais 'angelicalidade': a soberba, o ódio”. Entrevista do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Metaverso? Uma solução em busca de um problema. Entrevista com Luciano Floridi

    LER MAIS
  • Comunidades Eclesiais de Base, sim. Artigo de Pedro Ribeiro de Oliveira

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: André | 26 Janeiro 2015

“Manter a humildade no serviço não é fácil quando se considera o cardinalato como um prêmio, como ápice de uma carreira, uma dignidade de poder...”. Em 04 de janeiro passado, dia em que anunciou a lista dos 20 nomes dos novos cardeais que receberão o anel cardinalício durante o Consistório de fevereiro, o Papa Bergoglio enviou a cada um uma carta, publicada na sexta-feira, 23 de janeiro.

A reportagem é de Andrea Tornielli e publicada no sítio Vatican Insider, 23-01-2015. A tradução é de André Langer.

“Peço ao Senhor que te acompanhe neste novo serviço – escreve o Papa Francisco –, que é um serviço de ajuda, apoio e especial proximidade com a pessoa do Papa e pelo bem da Igreja. E justamente para exercer esta dimensão de serviço, o cardinalato é uma vocação. O Senhor, mediante a Igreja, te chama uma vez mais para servir; e te fará bem ao coração repetir na oração a expressão que Jesus mesmo sugeriu aos seus discípulos para manter-se na humildade: ‘Digam: ‘somos servos inúteis’, e isso não como uma fórmula de boa educação, mas como verdade depois do trabalho, ‘quando tiverem feito tudo o que lhes foi ordenado’”.

“Manter a humildade no serviço não é fácil quando se considera o cardinalato como um prêmio, como ápice de uma carreira, uma dignidade de poder ou de distinção superior. Por isso o teu empenho para manter longe estas considerações e, sobretudo, para recordar que ser cardeal significa incardinar-se na diocese de Roma para dar testemunho da Ressurreição do Senhor e dar totalmente, até o sangue, se necessário”.

O Papa conclui a carta recordando que “muitos se alegrarão por esta tua nova vocação e, como bons cristãos, farão festa (porque é próprio do cristão alegrar-se e saber festejar). Aceita-a com humildade. Fá-lo de modo a que, nestes festejos, não se insinue o espírito mundano que entontece mais que a “grappa” em jejum, desorienta e separa da cruz de Cristo”. Francisco sugere aos novos cardeais que se preparem com “oração e um pouco de penitência”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa escreve aos novos cardeais: sejam humildes; a púrpura não é um prêmio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV