Será que existe uma maneira de transformar suor em água potável?

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco: “Sou a favor das uniões civis, as pessoas homossexuais têm direito a uma família”

    LER MAIS
  • Somos todos “luderanos”. Artigo de Edelberto Behs

    LER MAIS
  • Não é novidade: Papa Francisco defende as uniões civis há anos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Janeiro 2015

"E por falar nesse recurso hídrico vital, será que existe uma maneira de transformar suor em água potável ou, pelo menos, em condições de usá-la para limpezas ou para a nutrição das plantas, por exemplo?", escreve Leno F. Silva, sócio-diretor da LENOorb – Negócios para um mundo em transformação, conselheiro do Museu Afro Brasil e diretor do IBD – Instituto Brasileiro da Diversidade, em artigo publicado por Envolverde/IPS, 21-01-2015.

Eis o artigo.

Em tempos de escassez de água e de altas temperaturas em São Paulo, dois novos santos ganharam destaque na vida dos paulistanos, independente das opções religiosas: Ventilador e Ar Condicionado.

O São Ventilador, velho conhecido de todos nós é uma solução mais econômica e muito versátil, pois há dezenas de tipos disponíveis, com alternativas de design que atendem às preferências de consumidores mais simples, os rigorosos, e até alguns pós-modernos preocupados mais com a estética do que com o vento.

De modelos redondos até os de formato “torre”, existem marcas e preços para todos os bolsos. Com a sensação térmica superior aos 40ºC, os fabricantes e as lojas especializadas comemoram e torcem para que este verão avance o outono.

Já o Santo Ar Condicionado, bem comum nos ambientes corporativos e nos espaços fechados de grande circulação, virou coqueluche nas casas e nos apartamentos de quem tem grana, principalmente porque a relação custo X benefício, que não inclui a mão-de-obra de instalação, tornou esses produtos mais acessíveis, e há modelos que dispensam quebrar paredes e a contratação de um profissional especializado para coloca-los em funcionamento.

Se nos lugares fechados esses dois Santos minimizam os efeitos do calor, na rua o jeito é usar boné, chapéu, sombrinha, leque, toalhinha umedecida e até ventiladores portáteis movidos à pilha ou a bateria. Nada disso evita os efeitos da transpiração, os quais, durante o dia, podem resultar em alguns “eme-eles” de líquido.

E por falar nesse recurso hídrico vital, será que existe uma maneira de transformar suor em água potável ou, pelo menos, em condições de usá-la para limpezas ou para a nutrição das plantas, por exemplo?

Se alguém souber, peço o favor de divulgar essa fórmula auto-sustentável, que poderá contribuir para o rol de medidas educativas da Sabesp, empresa nenhum pouco Santa, que confiou a São Pedro a responsabilidade pela gestão dos nossos recursos hídricos, mas que se esqueceu de combinar as regras e os compromissos de cada uma das partes no ato da contratação. Por aqui, fico. Até próxima!

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Será que existe uma maneira de transformar suor em água potável? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV