A reabilitação do Padre Cícero Romão Batista (1844-1934), o "Padim Ciço"

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Bolívia. Breve reflexão a partir do golpe de Estado de 10 de novembro de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Dezembro 2015

O bispo da diocese brasileira de Crato, Dom Fernando Panico, divulgou nesse domingo, 13 de dezembro, durante a missa na catedral, que o padre Cícero Romão Batista foi reabilitado pela Santa Sé das sanções impostas pela Igreja Católica de 1892 a 1916.

A nota é de Francesco Gagliano, publicada no blog Il Sismografo, 14-12-2015. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Durante a homilia na catedral de Cariri, Dom Fernando Panico declarou: "Hoje, por ocasião da solene abertura da Porta Santa da Misericórdia, nesta catedral de Nossa Senhora da Penha, quero anunciar com alegria à cara diocese de Crato e aos peregrinos de Juazeiro do Norte, um gesto concreto de misericórdia, de atenção e de afeto do Papa Francisco para nós: a Igreja Católica se reconcilia historicamente com o padre Cícero Romão Batista".

Em uma mensagem assinada pelo cardeal Pietro Parolin, secretário de Estado da Santa Sé, enviada a Dom Panico, se reconhece que a memória do padre Cícero Romão Batista lembra uma obra pastoral que pode ser considerada como um instrumento de evangelização popular.

"É sempre possível, com a distância do tempo e o evoluir das diversas circunstâncias, reavaliar e apreciar as várias dimensões que marcaram a ação do Padre Cícero como sacerdote e, deixando à margem os pontos mais controversos, por em evidência aspectos positivos de sua vida e figura, tal como é atualmente percebida pelos fiéis."

A carta afirma que "é inegável que o padre Cícero Romão Batista, no arco de sua existência, viveu uma fé simples, em sintonia com o seu povo e, por isso mesmo, desde o início, foi compreendido e amado por esse mesmo povo".

O Papa Francisco, como reconheceu o bispo de Crato, apresenta o Padre Cícero como "um exemplo de um sacerdote em uma Igreja 'em saída', aberta aos problemas e aos desafios dos tempos modernos, para uma nova evangelização".

Essa declaração é a meta final de um processo que começou há mais de 15 anos por Joseph Ratzinger, na época prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé. A carta na íntegra será publicada no próximo dia 20 de dezembro, como declarou o porta-voz da diocese de Crato.

Padre Cícero Romão Batista

Por Arnaldo Nesti, revista Religioni e Società

Permitam-me chamar a atenção para a figura do padre Cícero Romão Batista (1844-1934), do qual me ocupei casualmente, mas com interesse próprio, nessas semanas, participando de uma das romarias em sua honra, que foi realizada nos primeiros dias de fevereiro, para a Candelária, em Juazeiro do Cariri.

Em poucas palavras, o Padre Cícero nasceu em Crato, no nordeste brasileiro, em 1844, e foi ordenado padre em 1870, depois de ter completado os estudos no seminário de Fortaleza. Ainda hoje é lembrado, no claustro do seminário local, o ano da sua ordenação.

Ele chegou em 1871 em Juazeiro, um vilarejo de Crato, na época, que também é sede episcopal, além de municipal. Em 1889, ao distribuir a Comunhão, uma partícula sangrou na boca de Maria de Araújo. O fato se repetiu. A notícia se espalhou. Começou-se a gritar o milagre.

A reação da Cúria episcopal acabou suspendendo o jovem Padre Cícero a divinis. Em torno do Padre Cícero, criou-se um movimento popular de devota admiração. Em 1898, o Padre Cícero foi convidado a se apresentar ao Santo Ofício em Roma. Apesar da suspensão temporária da pena, tendo voltado para Juazeiro, a sua pena foi reconfirmada.

O Padre Cícero, enquanto isso, também desempenhou um papel político, pelo desenvolvimento da comunidade de Juazeiro e pela sua autonomia administrativa e econômica, a tal ponto que, em 1913, foi eleito como o primeiro prefeito da nova comunidade que foi se formando, separando-se de Crato.

Nesse meio tempo, ele desempenharia um papel importante em todo o Ceará, enfrentando as dramáticas situações de conflito que, então, se apresentaram por causa das difíceis relações entre Crato e a nova Juazeiro. No coração do Nordeste, a região de Cariri é comparável à do Faroeste, expressão de profundos arcaísmos. Ausência do Estado, banditismo generalizado.

O Padre Cícero tornou-se objeto contínuo de peregrinação. A ele se dirigiam para pedir conselhos, orações, ajuda, cura. O Padre Cícero é pajé e cacique. Para alguns, o Padre Cícero não é nem um santo nem um herói. É um simples, humilde e devoto sacerdote igual a muitos outros do sertão do século XIX, que, por uma série de circunstâncias, transformou-se em uma das figuras mais controversas da história do Brasil.

Defensor involuntário de um milagre, foi denunciado pela Igreja como impostor, e por temerários líderes políticos como perigoso agitador, aclamado pelas massas famintas como santo capaz de libertar os pobres e os enfermos dos seus males.

Por um complexo jogo de fatores, um obscuro sacerdote se vê desempenhando tarefas das mais importantes na vida política do Ceará. Conservador por formação e convicção, sempre agiu como intermediário, visando a garantir o respeito da ordem vigente.

O Padre Cícero acumulou um pequeno patrimônio que deixaria de presente aos salesianos, enquanto, ainda obediente à Igreja, continuava esperando para ser readmitido no exercício do ministério sacerdotal. Para o povo, o Padre Cícero é vítima da injustiça e viveu como símbolo da virtude e da santidade.

Aos 90 anos, quando morreu, a notícia do seu falecimento parece incrível. Mas, ao seu redor, apesar da persistente hostilidade das instituições eclesiásticas, desenvolveu-se um grande movimento popular, a tal ponto que se tende a considerá-lo como um novo Francisco de Assis do Cariri.

A mais de 70 anos da sua morte, constantemente, mas especialmente por ocasião de algumas datas do ano, em Juazeiro, centenas de milhares de peregrinos chegavam em devota peregrinação, por devoção ao Padre Cícero e para manter uma promessa. Vinham, em particular, além do mês de fevereiro, no dia 24 de março, para lembrar a data de nascimento, e no dia 20 de julho, dia da morte.

Muitos chegavam com os pés descalços. Eu também pude me dar conta pessoalmente da maciça participação de multidões devotas. A imagem do Padre Cícero é sinal de proteção. Qual a posição da Igreja hoje? Por ocasião da recente peregrinação, durante a missa vespertina na praça dos peregrinos em frente ao santuário de Nossa Senhora das Dores, na presença do [então] cardeal arcebispo de São Paulo, Dom Claudio Hummes, foi anunciada a formação de uma comissão para a reabilitação histórica e eclesiástica do Padre Cícero, expressando um sentimento de otimismo, a fim de poder reescrever uma nova história religiosa de Juazeiro e do Padre Cícero.

* * *

Assista abaixo ao momento em que Dom Panico anuncia a reabilitação, com a entronização do quadro do “Padim Ciço” durante a celebração:

{youtube}6T6btrzHSJE{/youtube}

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A reabilitação do Padre Cícero Romão Batista (1844-1934), o "Padim Ciço" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV