Mamma Roma, de Pasolini, é oráculo do pior mundo possível

Revista ihu on-line

Henry David Thoreau - A desobediência civil como forma de vida

Edição: 509

Leia mais

Populismo segundo Ernesto Laclau. Chave para uma democracia radical e plural

Edição: 508

Leia mais

Gênero e violência - Um debate sobre a vulnerabilidade de mulheres e LGBTs

Edição: 507

Leia mais

Mais Lidos

  • Os filhos dos padres: a nova investigação da equipe Spotlight

    LER MAIS
  • A CNBB recolhida em jejum e oração

    LER MAIS
  • 'Estamos frente a um sistema de agiotagem que paralisou o país'

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

13 Novembro 2015

"O que se vê dessa antiga glória é apenas uma periferia onde uma população marginalizada amontoa-se em conjuntos habitacionais. Ali, Mamma Roma constrói seu sonho de sair da prostituição, trabalhar como feirante e proteger sua cria das 'maldades do mundo'", escreve Cássio Starling Carlos, em crítica publicada por Folha de S. Paulo, 06-11-2015.

Eis o artigo.

Mamma e Roma. A união destes termos no nome da personagem-título do segundo filme do poeta, intelectual e cineasta italiano Pier Paolo Pasolini, realizado em 1962, projeta dois símbolos que remetem à origem física e cultural.

O primeiro aparece encarnado na imagem maternal de Anna Magnani, a mãe protetora que se sacrifica para dar tudo a Ettore, o filho adolescente que "ainda não conhece as maldades do mundo", como ela alerta no primeiro diálogo com ele.

Roma é, além de cenário, um mito. A cidade contemporânea é vista à distância, enquanto Ettore e seus amigos perambulam por terrenos baldios, entre ruínas que remetem ao mundo arcaico, a tempos imemoriais em que uma loba teria alimentado os gêmeos Remo e Rômulo, fundador da cidade que se tornou império e civilização.

O que se vê dessa antiga glória é apenas uma periferia onde uma população marginalizada amontoa-se em conjuntos habitacionais. Ali, Mamma Roma constrói seu sonho de sair da prostituição, trabalhar como feirante e proteger sua cria das "maldades do mundo".

Ettore, contudo, prefere viver como um animal selvagem, longe desse amor excessivo que controla e bloqueia seus instintos, numa liberdade sujeita à violência.

Ele representa também a juventude bela e bruta, cujos corpos masculinos ainda imaturos fascinavam Pasolini desde seus primeiros escritos e que ele continuaria a retratar, combinado com a ideia do martírio, até "Salò", seu derradeiro filme.

Ettore Garofolo, que interpreta o filho, era garçom numa cantina que Pasolini frequentava. Ele introduz no filme as características do não-ator, uma performance não estilizada e a corporeidade de um rapaz da multidão.

Anna Magnani, mais que atriz profissional, é um ícone. Sua imagem e personagem evocam a Pina de "Roma, Cidade Aberta" (1945) e a Maddalena de "Belíssima" (1952), filmes que inauguraram e encerraram o neorrealismo.

Só que em vez de retomar tal qual esta forma datada do pós-guerra, Pasolini, no mesmo momento que Antonioni, Fellini e outros grandes, a reinterpreta como indagação do presente e como oráculo que prenuncia o pior mundo possível.

MAMMA ROMA
DIREÇÃO Pier Paolo Pasolini
ELENCO Anna Magnani, Ettore Garofolo
PRODUÇÃO Itália, 1962, 14 anos

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Mamma Roma, de Pasolini, é oráculo do pior mundo possível