ONU cobra proibição de microplásticos em cosméticos e produtos para cuidados pessoais

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • “O problema da esquerda é que está fechada em sua sociologia e nas grandes cidades”. Entrevista com Christophe Guilluy

    LER MAIS
  • Estudo sobre orçamento escancara obsessão de Bolsonaro por cortes em áreas sociais

    LER MAIS
  • “O Papa tem um espírito radical”. Conversa com Michel Löwy

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Junho 2015

Da próxima vez que você estiver no chuveiro usando um refrescante gel esfoliante, pare um momento para verificar do que esse produto é feito. De acordo com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), as chances são muito altas de que sua elaboração contenha pontos minúsculos de plástico e, segundo a quantidade já usada do produto, você poderá ter derramado pelo ralo uma quantidade equivalente de plástico àquela utilizada na fabricação da embalagem.

O informe é da ONU Brasil, publicada por EcoDebate, 23-06-2015.

“Micropartículas e outros ingredientes de plástico estão presentes em produtos que vão desde pasta de dentes e gel de banho até sombras de olho e esmaltes de unha”, aponta o relatório do PNUMA intitulado ‘Plástico em cosméticos: será que estamos poluindo o ambiente através de nossos cuidados pessoais?’. “As suas proporções variam em produtos diferentes, a partir de menos de 1% a mais de 90% do conteúdo. Em um típico gel de chuveiro analisado em laboratório, foi encontrada aproximadamente a mesma quantidade de material de plástico no gel e na sua embalagem”.

Os microplásticos têm sido usados nesses produtos há 50 anos e quando escorrem “pelo ralo, essas partículas não podem ser recolhidos para reciclagem, nem se decompõe em instalações de tratamento de águas residuais, inevitavelmente acabando no oceano global, onde se fragmentam e permanecem”. E “estes plásticos podem levar centenas de anos para se degradar completamente”, de acordo com pesquisa do PNUMA.

O relatório, que foi lançado no início deste mês, por ocasião do Dia Mundial dos Oceanos, recomenda uma abordagem de precaução para a gestão do microplástico, com uma eventual eliminação progressiva e a proibição da sua utilização em produtos de cuidados pessoais e cosméticos.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

ONU cobra proibição de microplásticos em cosméticos e produtos para cuidados pessoais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV