Construção civil foi o setor que mais demitiu trabalhadores em março na Região Metropolitana de Porto Alegre

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • Bancos vão ficar com 62% da renda do trabalhador se capitalização for aprovada

    LER MAIS
  • Papa Francisco entrega sua cruz peitoral à comunidade de Brumadinho

    LER MAIS
  • "Vamos guardar o pessimismo para tempos melhores". Entrevista com Frei Betto

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Guilherme Tenher e Marilene Maia | 08 Maio 2019

O Observatório da realidade e das políticas públicas do Vale do Rio dos Sinos - ObservaSinos, programa do Instituto Humanitas Unisinos - IHU, acessou as bases de dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados - CAGED com o intuito de apresentar as movimentações do mercado de trabalho da Região Metropolitana de Porto Alegre do mês de março e do primeiro trimestre. O destaque vai para o setor da construção civil, que registrou uma movimentação de 797 postos de trabalho a menos. Confira abaixo o texto com as informações mais detalhadas:

Março de 2019

A Região Metropolitana de Porto Alegre fechou o mês de março com mais pessoas demitidas do que contratadas. Em termos absolutos, foram 40.164 contratações contra 40.545 demissões, resultando em um saldo negativo de 381 postos de trabalho. Em fevereiro, o quadro de contratação foi melhor se comparado com março, pois aquele mês registrou um saldo positivo de 5.425 trabalhadores.

Os municípios de Porto Alegre e Canoas recebem destaque pelos maiores saldos negativos do mês de março, sendo 1.459 e 282 pessoas, respectivamente. Por outro lado, São Leopoldo contratou 220 trabalhadores a mais em comparação aos demitidos, bem como Eldorado do Sul e Campo Bom, com 176 e 213 admissões a mais, respectivamente. 

Do total de 40.164 contratações, 53% foram de trabalhadores homens, isto é, mais de 2 mil homens foram admitidos no mês de março se comparados com o número de mulheres. Todavia, assim como no mês anterior, o maior número de demissões recaiu sobre os trabalhadores do sexo masculino: 22.387 desligamentos ou 55% do total registrado.

Sapiranga, Montenegro, Parobé, São Leopoldo e Porto Alegre foram municípios onde contrataram mais trabalhadores do sexo feminino no mês de março. A capital, por exemplo, absorveu 9.607 mulheres e 9.428 homens no mercado de trabalho formal. 

O destaque do mês de março vai para o setor da construção civil. Este setor apresentou uma movimentação de 797 postos de trabalho a menos. Os serviços industriais de Utilidade Pública também demitiram mais do que contrataram, registrando um saldo de -114. O setor de serviços também acompanhou esta tendência, contabilizando -35 postos de trabalho. Por outro lado, a indústria da transformação admitiu 515 trabalhadores a mais e o comércio também apresentou um saldo positivo de 33 contratados. 

Admissões e demissões da região no primeiro trimestre de 2019

O primeiro trimestre deste ano fechou com um total de 124.141 contratações e 118.263 demissões, resultando em um saldo positivo de 5.878 postos de trabalho. Os trabalhadores com idade entre 17 e 29 anos apresentaram saldo positivo, ou seja, houve mais contratados que demitidos. Entretanto, trabalhadores de 50 a 64 anos registraram 2.474 demissões a mais, bem como os cidadãos com mais de 65 anos, que registraram um saldo negativo de 670 postos de trabalho no primeiro trimestre deste ano. Outro destaque vai para empregados com faixa etária entre 30 e 39 anos, representando 27% do total de contratações e 29% do total de demissões. 

O município de São Leopoldo fechou o período analisado com 1.138 contratações a mais, seguido de Novo Hamburgo, com 1.055 admissões. Canoas e Porto Alegre, por outro lado, fecharam o semestre com saldo negativo de -292 e -1.738, respectivamente.

O setor de serviços representou, no primeiro trimestre deste ano, 48% do total de admitidos e demitidos. O comércio, em seguida, foi responsável por 23% das contratações e 25% das demissões. A indústria da transformação fechou os primeiros três meses com um saldo positivo de 4.738. Por outro lado, a construção civil registrou –595 postos de trabalho. 

Os dados desta publicação são complementares à Carta do Mercado de Trabalho produzida pelo Observatório Unilasalle: Trabalho, Gestão e Políticas Públicas, a qual contempla dados acerca do mercado de trabalho formal no Brasil, no estado do Rio Grande do Sul, na Região Metropolitana de Porto Alegre e no município de Canoas referentes ao mês de março de 2019.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Construção civil foi o setor que mais demitiu trabalhadores em março na Região Metropolitana de Porto Alegre - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV