Redes sociais atuam como filtros de informações. Entrevista especial com Luli Radfahrer e Raquel Recuero

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • “A Terra é um presente para descobrir que somos amados. É preciso pedir perdão à Terra”, escreve o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Piketty: a ‘reforma agrária’ do século XXI

    LER MAIS
  • Sínodo, o único sacerdote indígena: “Eu deixaria o sacerdócio se entendesse que o celibato não serve mais para mim”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Julho 2011

Ao remover a ideia de armazenamento local de dados, "a computação em nuvem promove a colaboração ao mesmo tempo em que concentra o processamento e as bases de dados nas mãos de poucos. É ao mesmo tempo libertadora e escravizante". A constatação é do pesquisador Luli Radfahrer, na entrevista que concedeu por e-mail à IHU On-Line. Para a jornalista e advogada Raquel Recuero, o fato de estarmos permanentemente conectados, "recebendo e enviando informações", contribui ainda mais para o "caos informacional contemporâneo, amplificando a necessidade de filtros sociais. Nossas redes sociais, hoje, atuam muito mais como filtros das informações, e sua importância nesse sentido cresce". Sobre o deslumbramento da sociedade com a internet, Radfahrer adverte: "É natural que cause fascínio. Mas isso é perigoso porque nem tudo o que é novo é necessariamente bom. Sem espírito crítico não há como avaliar o tamanho e a importância de cada novidade".

Raquel Recuero é graduada em Jornalismo, pela UCPel. Dedicada a pesquisas sobre redes sociais e comunidades virtuais na internet, conversação e fluxos de informação e capital social no ciberespaço e jornalismo digital, cursou mestrado e doutorado em Comunicação e Informação, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Atualmente, é professora e pesquisadora dos cursos de Jornalismo, Publicidade e Propaganda e do Programa de Pós-Graduação em Letras, com concentração em Linguística Aplicada, da UCPel.

Luiz Guilherme de Carvalho Antunes, conhecido como Luli Radfahrer, é graduado em Tecnologia em Processamento de dados pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Também é graduado em Publicidade e Propaganda pela Universidade de São Paulo, onde cursou o mestrado e doutorado em Ciências da Comunicação. Nesta mesma universidade, é professor e realiza uma pesquisa em torno do tema Comunicação Digital e Redes Interativas. Entre suas obras, destacamos O Fim da Idade Mídia (São Paulo: ed. São Paulo, 2009).

Confira a entrevista.


IHU On-Line – Em seu ponto de vista, quais são as tecnologias que revolucionaram o mundo? A computação em nuvem estaria entre elas? Por quê?

Luli Radfharer –
Há várias tecnologias que revolucionaram o mundo, desde o fogo e a roda. Se nos concentrarmos apenas em tecnologias de interação social, poderemos dizer que tudo o que amplie a expressão, a percepção e a comunicação tem potencial. A computação em nuvem é uma dessas tecnologias. Ao remover a ideia de armazenamento local de dados, ela promove a colaboração ao mesmo tempo que concentra o processamento e as bases de dados nas mãos de poucos. É ao mesmo tempo libertadora e escravizante.

Raquel Recuero – Eu acho dificil apontar, porque, do meu ponto de vista, toda a tecnologia revoluciona o mundo. Mas têm coisas que historicamente demarcaram época, como a "invenção" da escrita, a popularização da imprensa e dos tipos móveis e, agora, da internet, que, para mim, são tecnologias absolutamente revolucionárias porque ampliaram os espaços de circulação de informações, permitindo grandes saltos de desenvolvimento do conhecimento.

IHU On-Line – Sob quais aspectos essas tecnologias são revolucionárias e ainda prometem mudar mais ainda a vida do sujeito contemporâneo?

Raquel Recuero –
Elas já mudaram a vida do sujeito contemporâneo. Nossa realidade só é como é porque foi construída através desses passos históricos. A internet é a que vem mudando mais essa experiência, principalmente por causa da aceleração da difusão de informações.

IHU On-Line – Quais foram os impactos da mobilidade na sociabilidade e interação entre as pessoas?

Raquel Recuero –
Como tecnologias da mobilidade, imagino que você se refira aos celulares e artefatos similares, correto? Bem, eu não gosto muito do termo "mobilidade", porque dá a impressão que as tecnologias de comunicação eram "paradas" antes. O suporte da informação sempre circulou; vide os livros. Os livros já eram tecnologias "móveis". Mas de um modo geral, tecnologias como celulares, smartphones, etc., proporcionaram uma maior inserção no universo da chamada Sociedade da Informação. Agora estamos permanentemente conectados, recebendo e enviando informações. Isso contribui ainda mais para o caos informacional contemporâneo, amplificando a necessidade de filtros sociais. Nossas redes sociais, hoje, atuam muito mais como filtros das informações, e sua importância nesse sentido cresce. Por isso, tendemos a selecionar e ativar canais com fins diferentes nos diferentes sítios de redes sociais, dividindo-os de acordo com as funções das redes ali representadas.

IHU On-Line – Como essas tecnologias reconfiguram as relações interpessoais e com a técnica em si?

Luli Radfharer –
A técnica muda primeiro. A novidade precisa ser estável e bem conhecida para se popularizar. As relações vão mudando aos poucos. Começam híbridas, misturando tecnologias conhecidas com as novas até que firmam o pé e saltam de vez para a novidade agora já bem conhecida.

IHU On-Line – De que forma a interconexão da internet irá transformar a forma como ela vem sendo usada atualmente?

Luli Radfharer –
Acredito que a próxima grande transformação será a das ferramentas inteligentes, a tal internet das coisas. Depois dela deverá vir o momento em que todos poderão construir suas máquinas, da mesma forma como hoje publicamos sítios. Depois disso, nano e biotecnologia farão a diferença.

IHU On-Line – O que explica a postura de idolatria, euforia e inclusive de ingenuidade de algumas pessoas em relação às tecnologias e sobretudo à internet, por exemplo?

Luli Radfharer –
Quando comparada com as tecnologias que a precederam, a internet é imensa e tem um gigantesco potencial. É natural que cause fascínio. Mas isso é perigoso porque nem tudo o que é novo é necessariamente bom. Sem espírito crítico não há como avaliar o tamanho e a importância de cada novidade.

IHU On-Line – Vivemos um momento de enxurrada de informações. Contudo, isso não significa que podemos falar em comunicação. Além disso, contatos não significam comunicação. Há sentido nas afirmações que mencionam a internet como reduto de pessoas cada vez mais solitárias e individualistas?

Luli Radfharer –
Não se pode generalizar. Há um potencial, mas esse isolamento é mais derivado do estilo de vida contemporâneo do que do mundo digital.

IHU On-Line – As redes sociais promovem uma ilusão de contato? Por quê?

Luli Radfharer –
Ilusão nada. O contato é bem real, com todas as vantagens e riscos de qualquer outro contato. Só é menos intenso.

IHU On-Line – Pode-se falar em um paradoxal aumento de contato entre pessoas mas, também, de isolamento por trás das plataformas tecnológicas? Por quê?

Raquel Recuero –
Sempre me perguntam isso. E eu sempre respondo o mesmo: não. Os sítios de redes sociais e as ferramentas de comunicação amplificam as possibilidades de comunicação, mas não as substituem. Eu ter 400 amigos no Orkut não quer dizer nada além do fato de ter 400 conexões informativas. Essas conexões permitem que eu mantenha contato com pessoas que, habitualmente, eu não manteria. Permitem que eu saiba delas e as possa informar. Há vários trabalhos mostrando que o principal papel desses sítios tem sido aquele de manter conexões, não criar novas. Ao mesmo tempo, observa-se que essas tecnologias criam novos espaços sociais, permitindo, por exemplo, que eu tenha um espaço de permanente contato assíncrono com meus amigos. Há casos de maior isolamento? Com certeza. Mas não sei se podemos dizer que esses casos não existiriam caso não estivéssemos inseridos no contexto em que estamos.


Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Redes sociais atuam como filtros de informações. Entrevista especial com Luli Radfahrer e Raquel Recuero - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV