"Daniel Ortega traiu a esquerda e o povo nicaraguense". Entrevista com Ernesto Cardenal

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco propõe um sistema econômico mais justo e sustentável

    LER MAIS
  • Em busca da funda de Davi. Uma análise estratégica da conjuntura

    LER MAIS
  • Por que Tagle é o novo “herói papal” do Oriente

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Janeiro 2007

"Ortega é falsamente de esquerda. Tem traído a esquerda, tem traído os princípios da Revolução, tem traído o sandinismo, tem traído o Sandino e o povo da Nicarágua", desabafa  Ernesto Cardenal, o poeta nicaraguense, um dos pioneiros da Teologia da Libertação.

Ernesto Cardenal, que completa 82 anos no próximo dia 20, intitula-se cristão, marxista, poeta e militante. Desde moço, combateu as ditaduras da família Somoza. Após o fracasso da insurreição de 1954, deixou a Nicarágua para dedicar-se à vida monástica. Tornou-se sacerdote em Manágua, no ano de 1965 e, na década de 70, adotou a linha da Teologia da Libertação. Julgou, em 1976, em Roma, os crimes contra os Direitos Humanos na América Latina. Fundou a Comunidade de Solentiname, na qual se fomentou a criação de cooperativas e diversos espaços culturais. Com o triunfo da revolução de 1979, foi nomeado Ministro da Cultura.

Signatário de vultoso currículo acadêmico nas áreas de filosofia, letras e teologia, que inclui passagens por universidades no México, Nova Iorque, Columbia, Madri e Roma, Cardenal é, além de notório poeta, prosador e escultor.

A Agência Carta Maior, 12-1-2007, publica a seguinte entrevista com ele. Também publicamos a sua poesia, em espanhol e português, o seu poema Oração por Marilyn Monroe.

Por que o senhor envolveu-se na luta armada contra Somoza?

Não me envolvi diretamente na luta armada, envolvi-me na revolução, apoiando-a. Fiz como todo povo da Nicarágua fez. Foi a única maneira de sair de uma ditadura de quase 50 anos dos Somozas. Não permitiam nenhuma outra oposição, nenhuma outra luta cívica. Todo povo da Nicarágua apoiou esta luta e eu também apoiei.

Como nasceu a sua ligação com a Teologia da Libertação?

Eu tenho sido um discípulo da Teologia da Libertação. Não sou teólogo, mas eu posso dizer que sou um poeta da Teologia da Libertação. Ela influenciou definitivamente as minhas poesias. Além disso, para mim, a única maneira de poder entender os dogmas cristãos é por meio da Teologia da Libertação e também por meio do marxismo, porque muito dela também está influenciada pelo marxismo e eu me considero um cristão marxista, que acredita em alguns dogmas cristãos e também na doutrina de Marx.

Por que a Igreja Católica fez aquela crítica que acusava de perigosa a Teologia da Libertação e por que suspenderam o senhor em 1985?

Não é a Igreja. O Papa Pio XII que era conservador e um reacionário, dizia que a Igreja não se envolve em política. O Papa, os bispos e os cardeias condenaram a Teologia da Libertação, isso porque são inimigos de toda libertação, ou seja, de toda revolução. Teologia da Libertação quer dizer teologia da revolução. Quando o Papa João Paulo II veio de viagem de avião à Nicaragua, (em 1983) os jornalistas lhe perguntaram sobre a Teologia da Libertação e ele respondeu que já não era mais um perigo porque o comunismo estava morto. Mas o bispo do Brasil, Monsenhor Casaldaliga, contestou lá do Brasil, dizendo que “enquanto no mundo houver pobres continuará existindo a Teologia da Libertação”.

O senhor foi, em 1976, enviado pela FSLN a Roma para julgar as violações aos direitos humanos na América Latina. Quais foram as violações e qual resultado deste julgamento?

São muito conhecidas todas as violações que praticaram os somozistas: as torturas, os assasinatos, as prisões por muitos anos, crianças degoladas, prisioneiros que denunciaram, por exmplo, que alguns eram levados em helicópteros e jogados lá de cima. Todos esses tipos de coisas, violações a mulheres, crianças e idosos. Todos os tipos de tortura. Já se sabe o que fizeram as ditaduras militares como a da Nicarágua, como a do Uruguai, como a do Chile, como a da Argentina, talvez um pouco pior a da Nicaragua. Foi isso que eu fui denunciar em Roma no Tribunal em que estavam julgando as ditaduras militares na América Latina, inclusive a da Nicarágua.

O processo democrático na América Latina é recente. Por quê? O senhor acredita que os países no continente são realmente democráticos?

Certa democracia sim. Uma democracia, digamos, eleitoral é o que tem ocorrido, a democracia verdadeira não, execeto nos países que tem revolução, como Cuba, como teve a Nicarágua e agora não tem mais. Como a que tem a Venezuela e que, agora, começa a ter a Bolívia.

O que é Utopia para o senhor?

Para alguns, Utopia é algo irrealizável. Para mim é realizável. O que dizem os evangélicos sobre Utopia, poderíamos contestá-los dizendo que simplesmentes eles próprios não acreditam no Evangelho. Porque Cristo veio anunciar o Reino de Deus, o reino do Céu na Terra, ou seja, um reino de justiça, de paz, fraternidade e de amor. O mesmo que o comunismo perfeito de Marx. E se isso é “Utopia”, irrealizável, então não acredito no Evangelho. O que pedimos ao nosso Pai: “que venha a nós o vosso reino”. Creio que virá.

Qual foi a importância do início de um novo processo social na Nicarágua com a criação da Comuna de Solentiname?

Não teve muita importância, Solentiname foi uma pequena experiência modesta, sempre disseram que foi importante, mas para mim foi algo modesto. Simplesmente o que se podia fazer naqueles tempos de ditadura na Nicarágua, e ali foi um espaço bom para os campesinos e também para todos que iam nos visitar e conhecer nosso lugar. Posso dizer que foi um exemplo de algo que foi feito na Revolução e que se poderia fazer depois dela também.

Ernesto Cardenal acredita que Daniel Ortega é de esquerda?

Falsamente de esquerda. Tem traído a esquerda, tem traído os princípios da Revolução, tem traído o sandinismo, tem traído o Sandino e o povo da Nicarágua. Há um sandinismo verdadeiro que está contra o sandinismo oficial imposto pelo partido de Daniel Ortega, este que ganhou a eleição. Eu pertenço ao outro sandinismo, aqule que mantém os princípios e os ideais da Revolução.

O que necessita a esquerda Nicaraguense hoje?

O mesmo de que necessitou antes: de sermos honestos, de realizarmos o poder com o povo... porque o partido que se chama sandinista, e que na realidade não é, é constituído por aqueles que roubaram muito e hoje são milionários. Estes não podem mais construir a Revolução.

 

N.E. - Leia a seguir um poema de Ernesto Cardenal que acalenta a sutileza e profundidade de seu pensamento. Título de seu livro de 1971, lançado após o avassalador Salmos, de 1968. A nossa tradução vem seguida do original em espanhol:

Oração por Marilyn Monroe

Senhor
recebe esta moça conhecida em toda parte pelo nome de Marilyn Monroe
mesmo não sendo seu verdadeiro nome
(mas Tu conheces seu verdadeiro nome,
o da órfãzinha violada aos 9 anos
e da empregadinha de loja que aos 16 já quisera se matar)
e que agora se apresenta diante de Ti sem nenhuma maquiagem
sem Assessor de Imprensa
sem fotógrafos e sem dar autógrafos
sozinha como um astronauta diante da noite espacial.

Ela sonhou quando menina que estava nua numa Igreja (segundo conta a revista Time)
ante uma multidão prostrada, com as cabeças ao chão
e tinha de caminhar na ponta dos pés para não pisar nas cabeças.
Tu conheces nossos sonhos melhor do que os psiquiatras
Igreja, casa, cova são a segurança do seio materno
mas também algo mais que isso...
As cabeças são os admiradores, é claro
(a massa de cabeças na escuridão debaixo do facho de luz).
Mas o templo não são os estúdios da 20th Century Fox.
O templo – de mármore e ouro – é o templo de seu corpo
em que está o Filho do Homem com um chicote na mão
expulsando os mercadores da 20th Century Fox
que fizeram de Tua casa de oração um covil de ladrões.

Senhor
neste mundo contaminado de pecados e radioatividade
Tu não culparás tão-somente a empregadinha da loja.
Que como toda empregada de loja sonhou ser estrela de cinema.
E seu sonho fez-se realidade (mas com a realidade do technicolor).
Ela não fez senão atuar conforme o script que lhe demos
- O de nossas próprias vidas – E era um script absurdo.
Perdoe-a Senhor e perdoa-nos pela nossa 20th Century Fox
por esta Colossal Superprodução em que todos nós temos trabalhado.

Ela tinha fome de amor e lhe ofertamos tranqüilizantes,
para a tristeza de não ser santa, recomendamos-lhe a Psicanálise.
Lembra-te Senhor de seu crescente pavor à câmera
e do ódio à maquiagem – insistindo em maquiar-se em cada cena - e como foi se tornando maior o horror e maior a impontualidade nos estúdios.

Como toda empregada de loja
sonhou tornar-se estrela de cinema.
E sua vida foi irreal como um sonho que um psiquiatra interpreta e arquiva.

Seus romances foram um beijo com os olhos fechados
olhos que quando se abrem
descobre-se que foi sob os refletores e apagam os refletores!
e desmontam as duas paredes do aposento (era um set cinematográfico)
enquanto o Diretor afasta-se com suas anotações porque a cena já foi filmada.
Ou uma viagem de iate, um beijo em Cingapura, um baile no Rio
uma recepção na mansão do Duque e da Duquesa de Windsor
vistos na TV de um apartamento miserável.
O filme terminou sem o beijo final.
Foi achada morta em sua cama com a mão no telefone.
E os detetives não souberam para quem ela ia ligar.
Foi como alguém que discou o número da única voz amiga
e ouviu tão-só a voz de uma gravação que diz: WRONG NUMBER.
Ou como alguém que ferido pelos gangsters
estende a mão a um telefone desligado.

Senhor
quem quer que tenha sido a quem ela ia telefonar
e não telefonou (e talvez fosse ninguém
ou era Alguém cujo número não está na Lista de Los Angeles)
atende Tu ao telefone!

Oración por Marilyn Monroe
Señor
recibe a esta muchacha conocida en toda la tierra con el nombre de Marilyn Monroe
aunque ese no era su verdadero nombre
(pero Tu conoces su verdadero nombre, el de la huerfanita violada a los 9 años
y la empleadita de tienda que a los 16 se había querido matar)
y que ahora se presenta ante Ti sin ningún maquillaje
sin su Agente de Prensa
sin fotógrafos y sin firmar autógrafos
sola como un astronauta frente a la noche espacial.

Ella soñó cuando niña que estaba desnuda en una Iglesia (según cuenta El Time)
ante una multitud postrada, con las cabezas en el suelo
y tenía que caminar en puntillas para no pisar las cabezas.
Tu conoces nuestros sueños mejor que los psiquiatras.
Iglesia, casa, cueva, son la seguridad del seno materno
pero también algo más que eso...
Las cabezas son los admiradores, es claro
(la masa de cabezas en la oscuridad bajo el chorro de luz).
Pero el templo no son los estudios de la 20th Century Fox.
El templo — de mármol y oro — es el templo de su cuerpoen el que está el Hijo del Hombre con un látigo en la mano
expulsando a los mercaderes de la 20th Century Fox
que hicieron de Tu casa de oración una cueva de ladrones.

Señor
en este mundo contaminado de pecados y radioactividad
Tu no culparás tan sólo a una empleadita de tienda.
que como toda empleadita soñó ser estrella de cine.
Y su sueño fue realidad (pero como la realidad del technicolor).
Ella no hizo sino actur según el script que le dimos
— El de nuestras propias vidas — Y era un script absurdo.Perdónala Señor y perdónanos a nosotros
por nuestra 20th Century
por esta Colosal Super-Producción en la que todos hemos trabajado.

Ella tenía hambre de amor y le ofrecimos tranqüilizantes.
Para la tristeza de no ser santos se le recomendó el Psicoanálisis.
Recuerda Señor su creciente pavor a la cámara
y el odio al maquillaje — insistiendo en maquillarse en cada escena —y como se fue haciendo mayor el horrory mayor la impontualidad a los estudios.

Como toda empleadita de tienda
soñó ser estrella de cine.
Y su vida fue irreal como un sueño que psiquiatra interpreta y archiva.

Sus romances fueron un beso con los ojos cerrados
que cuando se abren los ojos
se descubre que fue bajo los reflectores y apagan los reflectores!
y desmontan las dos paredes del aposento (era un set cinematrográfico)
mientras el Director se aleja con su libreta porque la escena ya fue tomada.
O como un viaje en yate, un beso en Singapur, un baile en Rio
la recepción en la mansión del Duque y la Duquesa de Windson
vistos en la salita del apartamento miserable.
La película terminó sin el beso final.
La hallaron muerta en su cama con la mano en el teléfono.
Y los detectives no supieron a quién iba a llamar.
Fue
como alguien que ha marcado el núnero de la única voz amiga
y oye tan solo la voz de un disco que le dice: WRONG NUMBER
O como alguien que herido por los gangsters
alarga la mano a un teléfono desconectado.

Señor
quienquiera que haya sido el que ella iba a llamar
y no llamó (y tal vez no era nadie
o era Alguien cuyo número no está en el Directorio de Los Angeles)
contesta Tú el telefono!

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Daniel Ortega traiu a esquerda e o povo nicaraguense". Entrevista com Ernesto Cardenal - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV