Primeiro papa pós-colonial? Quando Bergoglio fala como Gramsci e Che Guevara

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Que sociedade é essa que só reconhece a sobrevivência como valor? Artigo de Giorgio Agamben

    LER MAIS
  • Silas Malafaia, 1º cavaleiro do apocalipse brasileiro. Artigo de Fábio Py

    LER MAIS
  • Comunidade de Bose: já estava tudo escrito. Artigo de Paolo Farinella

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Julho 2013

O papa falou de indiferença e de ternura. O primeiro é um tema gramsciano, a segunda é a mesma invocada por Ernesto Guevara de la Serna, conhecido como "Che". Não, isso não é suficiente para fazer do papa um revolucionário. Ele não o é, não pode sê-lo – continua sendo sempre o sucessor de Pedro e senta-se no seu sólio. No entanto, a sua linguagem é simples e direta, que fala ao povo, às massas. "Eu senti que eu devia vir aqui hoje para despertar as nossas consciências", disse ele em Lampedusa.

A reportagem é de Marco Filoni, publicada no jornal Il Fatto Quotidiano, 10-07-2013. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Nos anos 1950 era Frantz Fanon, o psiquiatra terceiro-mundista, que lutava pela Argélia para que se acendesse "um brilho nas consciências". E justamente com palavras semelhantes, o pontífice se expressa hoje. Fala de divisão social, de exclusão, de distância entre quem tem e quem não tem. Está do lado dos últimos, está com os povos que devem se autodeterminar e se libertar das opressões que os sufocam. Ele usa uma linguagem que se encontra nos estudos pós-coloniais.

Além disso, ele vem do fim do mundo. Por isso, não gosta do luxo, das facilidades. Altíssima pobreza, assim como para o santo do qual ele porta o nome. E chama à participação. Não diz "indignai-vos", não. Ele diz "participem". Ele convida a não ficar apenas olhando de braços cruzados, a não engrossar as fileiras que Primo Levi já chamava de "zona cinzenta".

Ele pede para não ficar à beira da estrada e para oferecer a própria mão a quem está está lá, sentado, para ajudá-lo a se levantar. As suas palavras dessa segunda-feira têm uma assonância com as gramscianas: "Quem vive verdadeiramente não pode não ser cidadão e tomar partido. Indiferença e abulia, é parasitismo, é velhacaria, não é vida. Por isso eu odeio os indiferentes" (A. Gramsci, Odio gli indifferenti, Ed. Chiarelettere).

Gramsci ontem e Bergoglio hoje convidam a não desperdiçar a pena, a saber chorar, a imaginar uma sociedade em que ninguém está na janela olhando aqueles que se sacrificam e sofrem. Ele não será revolucionário, mas Francisco parece ser o primeiro papa pós-colonial, ao menos na linguagem. E também partidário, se entendermos, com Gramsci, que quem toma partido não é indiferente.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Primeiro papa pós-colonial? Quando Bergoglio fala como Gramsci e Che Guevara - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV