Francisco no Cazaquistão e os quatro mandamentos das religiões hoje: paz, pobres, migrantes e ecologia

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Holodomor não está distante no tempo nem no espaço

    LER MAIS
  • Rumo à implosão da Igreja. Entrevista com Danièle Hervieu-Léger

    LER MAIS
  • Amazônia e a Bioeconomia: Modelo sustentável com a Floresta em pé

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Setembro 2022

 

Francisco apresentou aos principais líderes confessionais do planeta o que se tornaria um guia prático para as religiões responderem à sua missão no contexto do mundo pós-pandemia do século XXI ou, o que é o mesmo, nosso papel no desenvolvimento espiritual e social da humanidade no período pós-pandemia.

 

Isto foi partilhado durante o seu discurso na cerimônia de abertura do VII Congresso de Líderes das Religiões Mundiais e Tradicionais, que se realiza até amanhã no Palácio da Independência em Nur-Sultan.

 

A informação é publicada por Vida Nueva, 14-09-2022.

 

Artesãos de comunhão

 

Francisco defendeu que as religiões são chamadas a “se encarregar da humanidade em todas as suas dimensões, tornando-se artífices de comunhão, testemunhas de uma colaboração que supera as barreiras de seus próprios bens comuns, étnicos, nacionais e religiosos”.

 

Do Cazaquistão, o Papa delineou quatro grandes desafios para a fé percorrer um "novo caminho de encontro baseado nas relações humanas": a luta contra a pobreza, a defesa da paz, o compromisso com a fraternidade humana e o cuidado da humanidade. De alguma forma, Francisco chegou a compartilhar os eixos fundamentais de seu pontificado com um constante aceno ao país anfitrião da cúpula, pois usou como fio condutor algumas das reflexões de Abay Kunanbayev, o grande poeta fundador da literatura cazaque.

 

Itinerário de cura

 

Ao reivindicar o papel dos credos como protetores dos pobres, ele não cantou para o bem-estar, mas incitou os líderes religiosos a forjar um itinerário de cura para nossa sociedade. “Sejamos consciências proféticas e corajosas, façamo-nos vizinhos de todos, mas sobretudo dos muitos hoje esquecidos, dos marginalizados, dos setores mais fracos e pobres da sociedade, daqueles que sofrem secretamente e em silêncio”, clamou o Papa.

 

“O maior fator de risco do nosso tempo continua sendo a pobreza”, afirmou sem hesitar, alertando para suas consequências diretas: “Enquanto a desigualdade e a injustiça continuarem a causar estragos, vírus piores que o Covid não cessarão: os do ódio, da violência e terrorismo”.

 

Sem vacinas

 

De passagem, denunciou como as vacinas ainda não chegaram aos países em desenvolvimento: “Quantos, ainda hoje, não têm acesso fácil às vacinas!”, comentou.

 

Em relação ao desafio das religiões como construtoras da paz, e tendo como pano de fundo a invasão da Ucrânia, o pontífice argentino expressou que é necessário "um abalo" por parte dos líderes religiosos para reafirmar que "Deus é paz e sempre leva à paz, nunca para a guerra", e para que "nunca mais o Todo-Poderoso se torne refém da vontade do poder humano".

 

Concepções redutivas

 

Em palavras que pareciam dirigidas à posição de Kirill em defesa dos planos de guerra de Putin, lançou a seguinte reflexão: “Vamos nos purificar da presunção de nos sentirmos justos e de não ter nada a aprender com os outros; libertemo-nos dessas concepções redutivas e ruinosas que ofendem o nome de Deus”.

 

Além disso, alertou sobre como as confissões podem ser levadas “pela rigidez, extremismo e fundamentalismo” até profanarem o nome de Deus “através do ódio, do fanatismo e do terrorismo, desfigurando também a imagem do homem”.

 

Jogar fora a cultura

 

A partir daí, o Bispo de Roma desenvolveu sua terceira via neste roteiro confessional, detendo-se na urgência da defesa da vida através do que ele apresentou como acolhimento fraterno. “Todos os dias são descartados bebês não nascidos, migrantes e idosos”, entoou o Papa, convencido de que “todo ser humano é sagrado”.

 

Aqui partilhou outra das linhas gerais do seu pontificado: a dignidade do migrante e os quatro verbos que a tornam possível: acolher, proteger, promover e integrar. Partindo do princípio de que vivemos num mundo globalizado que experimenta um grande êxodo.

 

Soluções compartilhadas

 

Assim, ele pediu “soluções compartilhadas e mente aberta”. "É mais fácil suspeitar do estrangeiro, acusá-lo e condená-lo antes de conhecê-lo e entendê-lo", acrescentou. Para isso, exortou os presentes a redescobrirem "a arte da hospitalidade, da acolhida, da compaixão". “E aprendamos também a nos envergonhar; sim, experimentar aquela vergonha saudável que nasce da pena do homem que sofre, do choque e do espanto com a sua condição, com o seu destino, do qual nos sentimos parte dele", acrescentou logo em seguida.

 

Francisco encerrou sua intervenção com esse quarto pilar como objetivo das confissões, que é a ecologia integral, o cuidado da Casa Comum.

 

Mentalidade de exploração

 

Nesse sentido, denunciou “o desmatamento, o comércio ilegal de animais vivos, as fazendas intensivas” como parte do que batizou de “a mentalidade de exploração que devasta a casa em que habitamos”.

 

Como premissa fundamental para tornar isso possível, o pontífice argentino defendeu a liberdade religiosa como “condição essencial para um desenvolvimento verdadeiramente humano e integral”.

 

Direito primário

 

Desembarcando ainda mais, “a liberdade religiosa é um direito fundamental, primário e inalienável, que deve ser promovido em todos os lugares e não pode se limitar apenas à liberdade de culto” . A partir daí, completou que “é direito de cada pessoa dar testemunho público de sua própria fé; propô-lo sem jamais impô-lo”.

 

Jorge Mario Bergoglio condenou o fato de “relegar o credo à esfera privada” porque priva “a sociedade de imensa riqueza”, em contraste com o favorecimento público de “ambientes onde a convivência respeitosa de religiosos, étnicos e culturais”.

 

Saia da doutrinação

 

O Papa defendeu esse direito em duas direções: reivindicando-o perante os poderes políticos contra qualquer decisão ditatorial, mas também perante os líderes religiosos para fugir de qualquer imposição. “ É a boa prática do anúncio, diferente do proselitismo e da doutrinação, da qual todos são chamados a manter distância”, acrescentou.

 

Olhando para o Cazaquistão como ex-república soviética, ele lembrou como “neste lugar, o legado do ateísmo estatal, imposto por décadas, é bem conhecido, é uma mentalidade opressora e sufocante, então o simples uso da palavra 'religião' foi desconfortável.'”. “Na realidade, as religiões não são um problema, mas parte da solução para uma convivência mais harmoniosa”, acrescentou.

 

Do muçulmano ao ortodoxo

 

Depois do Papa Francisco, o Grande Imã de Al-Azhar, a outra grande estrela da cúpula religiosa, falou como líder do Islã moderado. Por sua vez, em nome dos ortodoxos russos, na ausência de Kirill, o Patriarca Antônio tomou a palavra. O líder ortodoxo, caminhando na ponta dos pés pela guerra na Ucrânia, simplesmente condenou todo “extremismo” e “fundamentalismo” em nome da religião.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Francisco no Cazaquistão e os quatro mandamentos das religiões hoje: paz, pobres, migrantes e ecologia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV