Papa Francisco no Cazaquistão: um provável problema grave entre Pequim e o Vaticano

Mais Lidos

  • Influenciadores ou evangelizadores digitais católicos? Artigo de Dom Joaquim Mol

    LER MAIS
  • Para onde estamos indo? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • Os equilíbrios de Lula no Brasil pós-Bolsonaro. Artigo de Bernardo Gutiérrez

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

18 Abril 2022

 

A notícia sobre a visita do Papa Francisco ao Cazaquistão foi anunciada pelo governo do país na segunda-feira, 11 de abril. Mas a Sala de Imprensa vaticana especificou depois que se trata apenas de um “desejo” do papa. Portanto, está tudo em alto mar, e talvez o Vaticano tenha querido rebaixar o perfil àquilo que o presidente cazaque, Kassym-Jomart Tokayev, tentou inflar mais do que qualquer outra coisa para dar destaque ao VII Congresso Mundial de Líderes Religiosos e Tradicionais, no qual o pontífice é esperado e que ocorrerá na capital – hoje chamada Nursultan – nos dias 14 e 15 de setembro próximos.

 

A reportagem é de Il Sismografo, 14-04-2022. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

 

Se, no fim, se concretizar aquilo que hoje se parece a um braço de ferro diplomático, a Santa Sé teria diversos problemas nada pequenos com a China e talvez no momento menos oportuno, ou seja, no arco de tempo em que se entrará na fase final de negociação com Pequim para renovar, modificar ou cancelar o acordo secreto em vigor há quatro anos para a nomeação de bispos.

 

O segundo período da aplicação do acordo (2020-2022), ad experimentum, expira no fim de outubro, e a avaliação da Sé Apostólica não parece entusiasmante, se, como disse o cardeal Pietro Parolin, secretário de Estado, em uma entrevista à ACI Stampa, espera-se uma revisão do acordo altamente confidencial.

 

A esse respeito, é preciso refletir lembrando que, no início da renovação da aplicação do acordo (outubro de 2020), muitos escreveram que talvez ainda em 2022 se abririam caminhos concretos para o restabelecimento das relações diplomáticas bilaterais. As coisas não estão exatamente assim hoje, e certamente a agressão russa contra a Ucrânia complicou muito os equilíbrios internacionais, e isso está tendo um peso considerável na relação Vaticano-Moscou-Pequim.

 

As novas dificuldades na lenta e progressiva aproximação entre o Vaticano e Pequim que poderiam surgir com a visita de Francisco ao Cazaquistão dizem respeito à questão da repressão e perseguição ao povo uigur na região autônoma de Xinjiang, um assunto não apenas discutido e controverso em todo o mundo, mas que o papa também nunca abordou publicamente, atraindo sobre si críticas muito duras e peremptórias.

 

 

Em um livro-entrevista datado de novembro de 2020, “Vamos sonhar juntos. O caminho para um futuro melhor, pela primeira e única vez Francisco define os muçulmanos uigures chineses como um povo “perseguido”. Em uma resposta a uma pergunta do jornalista, ele diz quase en passant, em referência a esse povo, “pobres uigures”. Para ser preciso, o papa disse: “Penso muitas vezes nos povos perseguidos: os rohingya, os pobres uigures (e) os yazidis”.

 

Poucas horas depois, chegou a resposta de Pequim. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, especificou: “As alegações do Papa Francisco sobre os uigures são totalmente infundadas” e acrescentou que Pequim “protegeu os direitos das minorias étnicas em conformidade com a lei”.

 

O papa falará sobre os uigures?

 

A fronteira entre a China e o Cazaquistão tem pouco mais de 1.782 km (1.215,86 km de fronteira terrestre e 566,89 km de linha de fronteira ao longo ou através de rios e lagos). É precisamente nessa superfície que vive o povo dos uigures. E, portanto, a Região Autônoma Uigur de Xinjiang é a superfície chinesa que faz fronteira com o Cazaquistão.

 

Desde 2014, em todo o mundo, até com provas documentadas, denuncia-se um “genocídio cultural dos uigures” e se enfatizam, além das perseguições especificamente étnicas, as perseguições religiosas, antimuçulmanas.

 

Nesse contexto, agora resumido brevemente, surgem várias perguntas sobre a eventual visita do Santo Padre. Ao visitar o Cazaquistão – um severo desgaste físico para o Papa Francisco – o pontífice falará sobre a situação dos uigures? E como Pequim responderá, estando distante aproximadamente 3.600km da capital cazaque? Como essa viagem e as eventuais condenações do papa sobre a perseguição aos uigures poderias influenciar as negociações para renovar o acordo secreto que expira no fim de outubro? E se Francisco decidir se calar sobre a questão, como fez até hoje, o que será dito em outras capitais do mundo, particularmente nas diplomacias e governos que acompanham a questão com atenção?

 

Se essa for a situação “verdadeira” – e não apenas a midiática – é possível antecipar um “final” altamente provável da narrativa destes dias: não haverá nenhuma viagem do pontífice ao Cazaquistão.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa Francisco no Cazaquistão: um provável problema grave entre Pequim e o Vaticano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU