RS. 14% das famílias passam fome. Resultado é o pior entre os Estados do Sul

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


15 Setembro 2022


O Rio Grande do Sul é o Estado da região sul do país com maior percentual de lares que enfrentam a fome. No Estado, 14,1% dos domicílios registram insegurança alimentar grave. Esse quadro é caracterizado por sentir fome e não comer por falta de dinheiro para comprar alimentos, fazer apenas uma refeição ao dia ou ficar o dia inteiro sem comer. Os dados são do 2º Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 (Vigisan), divulgado pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan) nesta quarta-feira (14).

 

A reportagem é de Anderson Aires, publicada por Zero Hora, 16-09-2022.


O Estado lidera nesse quesito com certa folga em relação aos vizinhos. Paraná tem 8,6% dos lares em situação de insegurança alimentar grave. Já Santa Catarina apresenta 4,6% nesse indicador.



O relatório destaca que os diferentes cenários entre Estados apontados na pesquisa ocorrem diante de uma série de fatores, como dinâmicas populacionais e estruturas socioeconômicas. "As diferenças entre os Estados estão ligadas tanto aos processos históricos de suas dinâmicas populacionais, estruturas socioeconômicas e processos políticos, quanto à aderência das decisões político-administrativas e das agendas de organizações sociais às necessidades de suas populações locais".

 

Abrindo mais o leque, levando em conta a insegurança alimentar moderada, o levantamento mostra que 25,4% dos lares gaúchos enfrentam algum tipo de falta de alimento. E também aponta que 64% das famílias que se encaixam nesta situação têm renda de até meio salário mínimo por pessoa.

 

Integrante da Rede Penssan e presidente do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável (Consea-RS), Juliano de Sá faz um alerta em relação à presença de crianças em lares com insegurança alimentar moderada ou grave. No Estado, apenas quatro em cada 10 domicílios com crianças de até 10 anos têm segurança alimentar.


O economista e professor da Escola de Negócios da PUCRS Ely José de Mattos afirma que o avanço da pobreza e da pobreza extrema no Estado pode ajudar a explicar a liderança do RS dentro da insegurança alimentar grave na região. Problemas de desenvolvimento mais acentuados ante os Estados vizinhos são alguns dos fatores que ajudam a entender esse movimento, segundo o especialista. Como exemplo, cita o Índice de Desenvolvimento EstadualRio Grande do Sul (RS), que mostra esse retrato nos últimos anos: "O Rio Grande do Sul passou a enfrentar, nos últimos 20 anos pelo menos, um cenário onde o desenvolvimento passou a ser mais dificultado. Se a gente olhar só para a educação, por exemplo, não estamos mais nem no primeiro pelotão".


No Rio Grande do Sul, 52,4% dos domicílios vivem situação de segurança alimentar. Ou seja, os integrantes do grupo familiar têm acesso regular e permanente a alimentos em quantidade suficiente e sem o comprometimento do acesso a outras necessidades básicas.


A íntegra da reportagem pode ser lida aqui.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

RS. 14% das famílias passam fome. Resultado é o pior entre os Estados do Sul - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV