Síntese do Brasil para o Sínodo 2023 indica antídotos contra a cultura clerical na igreja, aponta irmã Teresinha Del'Acqua

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Vamos ao encontro de nossa própria destruição? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • A luta de um jesuíta alemão para ajudar a salvar o planeta

    LER MAIS
  • As esquerdas, Nicarágua e o caso Dora María Téllez. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Agosto 2022

 

A irmã Teresinha Mendonça Del’Acqua, da arquidiocese de Goiânia (GO), religiosa Franciscana Maria Imaculada, membro da Equipe de Animação do Sínodo 2023 no Brasil, somou-se durante a semana, de 8 a 12 de agosto, ao trabalho de realizar a síntese das 251 contribuições enviadas da fase de escuta realizada pelas Igrejas Particulares e grupos da Igreja no Brasil.

 

A reportagem é publicada por CNBB, 12-08-2022. 

 

A religiosa considera uma bênção “imedível” ter participado da consolidação da síntese das escutas do Brasil. “É um penetrar na sacralidade destas comunidades e dioceses. Perceber o pulsar, ora vibrante ora um tanto marcado por dores sociais, econômicas e eclesiais. Temos estes dois movimentos, o de expansão e o de questionamento. Me sinto privilegiada por integrar esta equipe. O nosso desafio foi o de não deixar escapar as ‘pepitas’ preciosas. Estamos colhendo tudo que pode ser inspirador para a Igreja no Brasil e para a Igreja universal”, compartilhou.

 

Irmã Terezinha disse estar sendo gratificante demais perceber a alegria dos fieis por serem cristãos, missionários, e poderem atuar como agentes de pastoral na Igreja e no mundo. ” Identificamos a participação de cristãos leigos e leigas nos vários grupos, movimentos, comissões eclesiais e as que visam o bem comum, comissões de caráter social e que é baixa ainda a participação em comissões que visam as mudanças político-sociais e nas políticas públicas”, disse.

 

Pandemia, clericalismo e protagonismo dos leigos

 

Segundo a irmã Teresinha, os relatórios registraram muitos impactos da pandemia na vivência da fé. “Muitos expressaram sentirem-se desaquecidos na fé por não poderem participar presencialmente das celebrações eucarísticas, dos encontros comunitários e formativos”. Contudo, a religiosa disse que a síntese apontou que, apesar do desânimo e até uma certa acomodação, a Igreja não parou e a participação foi garantida com os meios de comunicação organizados pelas comunidades.

 

A religiosa disse que os relatórios pontuaram um certo desconhecimento de Jesus Cristo, dos documentos do magistério da Igreja e da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil. “O desconhecimento dos documentos enfraquece o engajamento e o protagonismo dos cristãos e cristãs como leigos e missionários. Não é porque não querem mas porque não estão conscientes do seu protagonismo como leigos e leigas. Como respostas, sugestões e sinais de esperança, os relatórios apontam a necessidade de investir no aprofundamento da Doutrina Social da Igreja, de investir numa catequese de iniciação, mas também o reforço num processo catequético continuado”, aponta.

 

Outro elemento que apareceu, como bastante desmotivador da participação dos leigos, é a questão do clericalismo, apontou a religiosa. Do clericalismo dos cleros e também dos leigos, a religiosa disse que os relatórios apontaram que decorre a centralização de fala e das decisões. “Como antidoto contra o clericalismo, as escutas indicaram muitas sugestões. Por exemplo, promover a rotatividade das lideranças, decisões partilhadas em equipe e valorizar mais a participação das mulheres. Apontou-se também a necessidade de um diálogo mais acolhedor com a juventude”, indicou.

 

Íntegra da entrevista

 

A Assessoria de Comunicação da CNBB produziu uma série de entrevistas com os membros da Equipe de Animação do Sínodo 2023 no Brasil que estão sendo publicadas no portal e no canal do yotube da entidade. Abaixo, segue a íntegra da entrevista com a irmã Teresinha Mendonça Del’Acqua. O documento com a síntese final, de 10 páginas, será apresentado ao episcopado brasileiro na 59ª Assembleia Geral dos Bispos do Brasil, como parte do processo indicado pela Secretaria Geral do Sínodo 2023, antes de ser enviado à etapa continental.

 

 

Leia mais 

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Síntese do Brasil para o Sínodo 2023 indica antídotos contra a cultura clerical na igreja, aponta irmã Teresinha Del'Acqua - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV