Rússia-Ucrânia: uma história de duas guerras. Artigo de Francesco Sisci

Mais Lidos

  • O Novo Ensino Médio e as novas desigualdades. Artigo de Roberto Rafael Dias da Silva

    LER MAIS
  • “Um Netanyahu em plena fuga para a frente vai responder ao Irã, e apenas os EUA podem evitar o pior”

    LER MAIS
  • Elon Musk e o “fardo do nerd branco”

    LER MAIS

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

13 Julho 2022

 

“Os EUA entraram em guerra contra o terrorismo depois do 11 de setembro, pensando que era uma ameaça vital, mas não se sentem em guerra agora. Ainda assim, a guerra na Ucrânia não é sobre a Ucrânia. É um risco estratégico representado pela Rússia, (1) a outra superpotência nuclear; (2) sobre a Europa, a potência econômica global; e (3) seguida de perto pela China, o principal adversário dos EUA. Os três elementos superam em muito qualquer risco de longo prazo apresentado em 2001 pelos combativos Bin Ladens escondidos em uma caverna no Afeganistão", escreve o sinólogo italiano Francesco Sisci, em artigo publicado por Settimana News, 12-07-2022. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Eis o artigo.

 

Há duas percepções da invasão. A perspectiva russa e a ucraniana. Ambos pensam que estão vencendo e que não vão se entregar. Mas há também duas guerras, uma no campo de batalha e a outra no front europeu. Elas estão rendendo resultados contrastantes. Os muitos caminhos de perspectivas e guerras estão quase se cruzando. Isso irá decidir o que acontecerá na sequência.

 

Pode ser um conto de duas guerras acontecendo em paralelo. Até agora, eles não se encontram, mas eventualmente o farão e provarão que um lado ou o outro está certo.

 

A primeira versão da guerra é a russa.

 

Moscou perdeu politicamente porque pensou que a invasão da Ucrânia seria um passeio no parque. Teria colocado o governo de Kiev sob o controle de Moscou, dividido a União Europeia e distanciado politicamente os Estados Unidos da Europa. Nenhum desses objetivos foi alcançado. O avanço para a Ucrânia foi um massacre e, portanto, fracassou. A tentativa de cercar as forças ucranianas no leste do país também falhou.

 

Hoje, os russos voltaram às táticas da Primeira Guerra Mundial. Eles bombardeiam, arrasando um alvo no chão. Quando o alvo é esmagado, eles avançam com tanques e infantaria e depois bombardeiam um segundo alvo, portanto em progressão. Estas são táticas lentas que são altamente destrutivas de veículos, equipamentos e homens.

 

O nível de esgotamento dos ativos russos não é preciso, mas os russos decidiram que não importa porque estão se movendo para o leste da Ucrânia passo a passo. Ao se mudar para lá e conduzir uma astuta guerrilha política com suprimentos de gás e grãos, eles estão jogando com o objetivo principal: dividir a unidade política da Europa.

 

A Alemanha, que depende da Rússia para 60% de seu gás, está em uma grave crise. Sua principal empresa de importação de gás, a Uniper, está efetivamente falida. Berlim está considerando nacionalizar as operações alemãs dos gigantes do gás russos e resgatar todo o setor de gás durante o inverno. Permanece indecisa sobre a questão dos preços máximos para o gás.

 

A Itália encontra-se numa situação semelhante, com variações. A dependência do gás russo praticamente caiu pela metade, mas a guerrilha política travada agora pelo Movimento Cinco Estrelas de Giuseppe Conte (parte do governo e ainda protestando diariamente contra iniciativas governamentais) aumentou.

 

Eles ameaçam uma crise de governo. A queda do governo italiano no meio da guerra seria uma grande vitória para o presidente russo, Vladimir Putin, e colocaria a Rússia de volta aos seus planos iniciais.

 

Moscou não alcançaria tudo, mas pelo menos alguns objetivos sim. É por isso que Moscou precisa avançar passo a passo, e continuar a guerra do gás dia após dia, tentando não tanto conquistar a Ucrânia, mas sacudir a Itália e a Alemanha.

 

As tensões italianas e alemãs, as concessões em pagamentos em rublos e as reações fortes à Itália e à Alemanha da Polônia ou dos países bálticos dizem a Moscou precisamente que ela está vencendo a guerra.

 

A Guerra da Ucrânia

 

A Ucrânia vê as coisas de forma diferente. O país observa que os veículos usados pelos russos estão envelhecendo. Dos blindados T90 dos primórdios da invasão, passaram para os seus avós, os T62, sinal de que as garagens estão se esvaziando. Canhões e mísseis navais estão sendo usados em posições terrestres, um sinal de que não há mais recursos. Eles colocam ossetas, chechenos e buriates, mas não russos, um sinal de que os russos estão em um “ataque de guerra”.

 

Na frente interna, o número dois da Igreja Ortodoxa Russa, Hilarion, foi deposto por causa de sua oposição à invasão. Há protestos e greves pontuais. É claro que os russos não são fáceis de resistir, mas os ucranianos acham que estão treinando artilheiros e motoristas de tanques. Novos sistemas de artilharia podem pulverizar os canhões russos que agora dominam o campo, com uma superioridade de 5 para 1. Os HIMARs são sistemas antiartilharia complicados que precisam de instrutores, mas podem atingir os russos de distâncias maiores com mais poder de fogo. Eles podem ser um divisor de águas no conflito no terreno. Os EUA já possuem milhares disponíveis hoje.

 

A ideia dos ucranianos é que em setembro ou outubro, esses artilheiros estejam prontos e, com os novos sistemas de artilharia HIMARs, possam destruir os canhões russos e, assim, romper o front.

 

É por isso que os ucranianos pensam que têm o tempo do seu lado, que esta não é uma guerra de desgaste, mas uma guerra de exaustão dos russos, que chegarão ao encontro de outono já destruídos.

 

Os dois combatentes têm assim duas perspectivas sobre a guerra. Então, nenhum dos lados quer ceder; ambos ainda pensam que estão ganhando e que uma vitória clara é possível.

 

Os russos sabem que os novos sistemas de mísseis estadunidenses seriam um divisor de águas, mas os sistemas não estarão disponíveis de maneira significativa antes de setembro. Isso cria uma situação em que os russos podem continuar pressionando sua guerrilha do gás e seus planos táticos pelos próximos dois meses.

 

No momento em que os HIMARs forem implantados, eles poderão buscar uma paz que também seja apoiada por divisões europeias.

 

A guerra de volta para casa

 

Nesta situação, não é a guerra no terreno na Ucrânia que é importante, mas a guerra “em casa” na Alemanha e na Itália nestes dois meses.

 

A situação na Alemanha é muito complicada. Não se trata apenas do apoio a uma guerra problemática; é que a política em que o país se apoiou nos últimos 33 anos está entrando em colapso. A relação política com a Rússia e a crescente e estratégica dependência do seu gás permitiram uma série de escolhas políticas e industriais que sustentaram o país até agora.

 

O gás russo barato poderia ajudar a financiar a transição verde, uma questão estratégica para a Alemanha. Além disso, a certeza e segurança do gás russo também financiou a indústria alemã com suas exportações.

 

Hoje não só o gás russo está sendo perdido, mas os mercados russo e da Europa Oriental também estão sendo perdidos, ambos irritados por diferentes razões pelas atitudes alemãs. Foi-se a ideia de que o comércio poderia ser um substituto para a política e a defesa.

 

Assim, os fantasmas de uma Alemanha militar que os alemães queriam enterrar são reavivados. Durante décadas, Berlim sonhou que o país poderia se tornar uma espécie de Grande Suíça, desinteressada na política de defesa mundial. Ao mesmo tempo, a inflação, que trouxe uma enorme convulsão social há um século, está subindo novamente.

 

Desviar-se radicalmente dessa posição é difícil porque não é fácil ver o objetivo final. O que a Alemanha deve fazer no futuro? Como deve lidar com suas intenções de promover a energia verde e criar uma Grande Europa centrada na Alemanha? O que será de sua capacidade de exportação, que tem sido o grande impulsionador do país até agora?

 

Por outro lado, a Alemanha não pode sequer tentar varrer para debaixo do tapete o desafio fundamental colocado pela Rússia. A Alemanha foi o país que mais ganhou desde o fim da Guerra Fria. Reunificou e expandiu sua área de influência para o leste, afastando a ameaça russa com duas camadas de proteção: primeiro ex-países soviéticos que mais tarde se juntaram à OTAN e segundo, países neutros, como Belarus e Ucrânia, que deveriam proteger qualquer pressão russa.

 

A mudança entre esses dois países – a Belarus incorporada ao império russo e a Ucrânia invadida – destrói a dinâmica política alemã. A Alemanha, em suma, tem grandes problemas para resolver que vão além do gás, mas encontram a faísca para acender tudo na questão do gás.

 

Essas são questões sistêmicas que os alemães gostam de abordar sistematicamente e, portanto, sem respostas sistêmicas, eles ficam coletivamente desorientados.

 

Aqui os Verdes aparecem como a força que vê a mudança de ritmo da Alemanha de forma mais clara e decisiva. Mas, por enquanto, eles não são fortes o suficiente para dirigir o resto do país.

 

Enquanto o barril de pólvora alemão estiver aberto, os russos tentarão continuar lutando na Ucrânia.

 

Nesta complicada alquimia, o papel da Itália pode ser crítico. Se toma partido entre os “crédulos” da guerra, dá peso aos céticos alemães e, assim, galvaniza os russos.

 

Se, por outro lado, for preciso uma atitude mais firme, os alemães também poderão se virar com mais facilidade.

 

Nesta situação, portanto, Conte é importante. Quer ele perceba o jogo que está jogando, ele é objetivamente o aliado ideal de Putin.

 

Ao contrário da Alemanha, a Itália não tem sistema ou estratégia. É mais fácil dirigir, de uma forma ou de outra. Vive improvisando. Agora funciona assim com o primeiro-ministro Mario Draghi; sem ele, tudo poderia dar errado — ou certo, de acordo com a perspectiva. Então, enquanto cutucar a Alemanha de uma forma ou de outra é difícil, torcer a Itália na Ucrânia pode ser um jogo infantil.

 

O outro elemento que a Europa sente falta é a direção política dos Estados Unidos e o interesse sincero na luta.

 

Os EUA entraram em guerra contra o terrorismo depois do 11 de setembro, pensando que era uma ameaça vital, mas não se sentem em guerra agora. Ainda assim, a guerra na Ucrânia não é sobre a Ucrânia.

 

É um risco estratégico representado pela Rússia, (1) a outra superpotência nuclear; (2) sobre a Europa, a potência econômica global; e (3) seguida de perto pela China, o principal adversário dos EUA. Os três elementos superam em muito qualquer risco de longo prazo apresentado em 2001 pelos combativos Bin Ladens escondidos em uma caverna no Afeganistão.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Rússia-Ucrânia: uma história de duas guerras. Artigo de Francesco Sisci - Instituto Humanitas Unisinos - IHU