Alerta do FMI pela fragmentação geoeconômica: Desde 1945, o maior desafio

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Reformas essenciais necessárias em nossa Igreja hoje. Documento da Catholic Church Reform International

    LER MAIS
  • Os dois santos que me salvaram da escrupulosidade

    LER MAIS
  • A grande guerra contemporânea e a diplomacia vaticana. Entrevista com Pietro Parolin, secretário de Estado da Santa Sé

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Mai 2022

 

“A economia mundial talvez esteja enfrentando o maior desafio desde a Segunda Guerra Mundial”, advertem, em um texto, Kristalina Georgieva, diretora-gerente do FMI, Gita Gopinath, número dois da organização, e Ceyla Pazarbasioglu, diretora do Departamento de Estratégia, Políticas e Avaliação do Fundo.

 

A reportagem é publicada por Página/12, 24-05-2022. A tradução é do Cepat.

 

“A invasão russa à Ucrânia se somou à pandemia de Covid-19. O encarecimento dos alimentos e da energia impõe um peso aos lares em todo o mundo. O endurecimento das condições financeiras está exercendo mais pressão sobre os países, empresas e famílias fortemente endividadas. Países e empresas estão reavaliando as cadeias mundiais de abastecimento em meio aos persistentes transtornos. Se a isto se somar o acentuado aumento da volatilidade nos mercados financeiros e a contínua ameaça das mudanças climáticas, o que temos diante de nós é uma possível confluência de calamidades”, alertam as economistas.

 

Diante desse cenário, diz o texto, a fragmentação geoeconômica, cujo ápice é a guerra na Ucrânia, é um grande obstáculo porque impossibilita a coordenação. A tendência à desintegração, admite o FMI, explica-se porque ao lado da integração, desde o final dos anos 1970, “as desigualdades em termos de renda, riqueza e oportunidades continuaram piorando. Há pessoas que foram sendo abandonadas, conforme as indústrias iam evoluindo em meio à concorrência mundial. E para os governos foi difícil ajudá-las”.

 

“As tensões relativas ao comércio, normas tecnológicas e segurança vêm se acentuando há muitos anos, e isso foi minando o crescimento e a confiança no atual sistema econômico global”, continuam.

 

Diante da possibilidade de que a fragmentação econômica global continue aumentando, o Fundo pede que as barreiras comerciais diminuam “para aliviar a escassez e baixar os preços dos alimentos e outros produtos”, o que parece difícil em um contexto em que vem ocorrendo justamente o contrário, ou seja, um aumento do protecionismo.

 

Além disso, o FMI alerta: “considerando que cerca de 60% dos países de baixa renda têm significativas vulnerabilidades de dívida, alguns terão que reestruturá-la. Se não houver uma firme cooperação para aliviar esses encargos, tanto esses países como seus credores sairão perdendo”. É por esta razão que o Quadro Comum do G20 para o Tratamento da Dívida deve ser aprovado sem demora”.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Alerta do FMI pela fragmentação geoeconômica: Desde 1945, o maior desafio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV