Contra o abuso católico da sexualidade. Como a Igreja deve fomentar uma cultura saudável da sexualidade

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Vamos ao encontro de nossa própria destruição? Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • As esquerdas, Nicarágua e o caso Dora María Téllez. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • A luta de um jesuíta alemão para ajudar a salvar o planeta

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


25 Mai 2022

 

“Proponho que consideremos não apenas “abuso sexual”, mas “abuso de sexualidade”. Com isso estou me referindo a como nós, como instituição de católicos, promovemos uma atmosfera de ambiguidade, indiferença, sigilo, ignorância e danos em torno da sexualidade, não apenas em torno de corpos e genitais. Estou me referindo ao uso e mau uso de ensinamentos sobre sexualidade que encorajam o desenvolvimento sexual desadaptado, a perpetuação de discursos católicos que podem ser prejudiciais a outros e a perpetuação da ignorância sobre a sexualidade que prejudica grupos inteiros de pessoas. O abuso sexual do clero é apenas um aspecto que vem desse abuso católico da sexualidade e deve ser discutido e abordado em escalas grandes e pequenas. Mas a malformação em torno da sexualidade deve continuar sem abordar as múltiplas realidades sistêmicas da fé católica”, escreve Mark A. Levand, em artigo publicado por National Catholic Reporter, 23-05-2022. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo

 

Mark A. Levand é mestre em Teologia e Estudos Religiosos pela John Carroll University e doutor em Estudos da Sexualidade Huamana pela Widener University, EUA. É membro da Associação Americana de Terapeutas e Educadores Sexuais, da Associação Global para Saúde Sexual e da Sociedade de Teologia Católica dos EUA.

 

Eis o artigo.

 

No último mês, acadêmicos de todo o mundo se reuniram para discutir projetos relacionados a abuso sexual clerical como parte da iniciativa “Assumindo a Responsabilidade”, da Fordham University. Alguns participantes ter sofrido abusos por padres jesuítas, adicionando uma solenidade palpável às questões maiores e sistêmicas que compõem a crise de abuso sexual católico. Essas histórias também estabeleceram o pano de fundo de quão importante era pesquisar e responder exatamente como as instituições jesuítas podem “assumir a responsabilidade”.

 

Eu assisti à conferência como consultor para um projeto focado no empoderamento juvenil. Como pesquisador profissional, eu estudo a intersecção da teologia sexual católica e o crescimento do campo dos estudos da sexualidade humana. Eu também sou um pesquisador formado em instituições jesuítas.

 

A conferência é parte de uma iniciativa maior na qual “Instituições Educacionais Jesuítas confrontam as causas e o legado dos abusos sexuais do clero”, como afirma o slogan do projeto. O evento foi reflexivo, duro e sensível, cheio de conversas intensas e diálogos ricos. O público teve uma clara consciência da questão e parecia energizado para trabalhar em busca de soluções tanto para as instituições jesuítas como para a Igreja como um todo. Pelo que pude perceber, foi um lugar onde os amantes da Igreja colaboraram para conceber maneiras de ajudar a Igreja a crescer a partir de onde estamos agora.

 

No fim de semana, ouvi alguns bons conceitos de mudança de paradigma: dois a respeito da linguagem sobre abuso sexual e um sobre implicações raciais.

 

A equipe da Gonzaga University discutiu como eles usam o termo “crise de abuso sexual católico” para observar que o abuso do clero é apenas uma parte do abuso que acontece em contextos católicos. Megan McCabe citou, por exemplo, os supostos casos de abuso cometidos pelo compositor David Haas e também os que são cometidos por freiras.

 

 

A segunda nota sobre a linguagem veio de uma conversa com uma mulher do Reino Unido, que disse que não usa mais a palavra “crise” porque o que estamos lidando é muito mais persistente e duradouro do que uma crise. Essas são importantes mudanças de linguagem que apontam para as estruturas maiores e mais difundidas que permitiram (e continuam permitindo) que os católicos abusassem sexualmente.

 

Em sua palestra sobre o abuso sexual de católicos afro-americanos, o padre Bryan Massingale observou a falta de linguagem, representação, recursos e estrutura para abordar o abuso sexual de católicos negros. Ele também nomeou o isolamento único que as vítimas/sobreviventes negros podem sentir em espaços predominantemente brancos. É possível que os brancos não percebam como a raça ou a cor da pele podem criar uma experiência única de abuso sexual (por exemplo, além de ser vítima de abuso sexual, ser vítima de racismo sexual).

 

Foi um pouco surpreendente para mim que nenhuma vez durante esta conferência eu ouvi o termo “coerção sexual”, que tem sido um tópico de estudo e discussão por anos. Ouvi tanto sobre abuso sexual nesta conferência, mas nenhuma menção à coerção, me diz que a Igreja ainda precisa ampliar seu escopo da questão.

 

O abuso é um tipo de coerção, mas a coerção é muito mais. As pessoas diziam que não havia categoria para adultos sendo agredidos por padres ou pior ainda, vítimas sendo informadas por representantes da instituição: “Bem, pelo menos ele não estuprou você”, como se se considerassem sortudos por não terem experimentado esse tipo de coação sexual. Não é apenas uma resposta totalmente horrível para alguém que foi agredido sexualmente – não importa a natureza do ataque – mas me diz que quando nos concentramos em “abuso” como igreja, estamos olhando para um aspecto da coerção sexual como um problema digno de ser abordado e não o todo mais amplo.

 

Proponho que consideremos não apenas “abuso sexual”, mas “abuso de sexualidade”. Com isso estou me referindo a como nós, como instituição de católicos, promovemos uma atmosfera de ambiguidade, indiferença, sigilo, ignorância e danos em torno da sexualidade, não apenas em torno de corpos e genitais. Estou me referindo ao uso e mau uso de ensinamentos sobre sexualidade que encorajam o desenvolvimento sexual desadaptado, a perpetuação de discursos católicos que podem ser prejudiciais a outros e a perpetuação da ignorância sobre a sexualidade que prejudica grupos inteiros de pessoas.

 

O abuso sexual do clero é apenas um aspecto que vem desse abuso católico da sexualidade e deve ser discutido e abordado em escalas grandes e pequenas. Mas a malformação em torno da sexualidade deve continuar sem abordar as múltiplas realidades sistêmicas da fé católica. Para promover adultos católicos sexualmente saudáveis que juntos promovem uma comunidade sexualmente saudável, aqui estão quatro grandes componentes da cultura sexual católica que devemos abordar.

 

Não podemos mais tolerar uma cultura de medo em torno da sexualidade

 

A erotofobia católica, ou o medo de falar sobre sexualidade, impediu as instituições católicas de abordar efetivamente as muitas maneiras pelas quais a sexualidade existe em nossa sociedade. Não é de admirar que um grupo de pessoas que provavelmente não teve educação sexual adequada em suas escolas tenha dificuldades para lidar com questões de sexualidade em suas instituições. Os líderes católicos provavelmente não tiveram educação sexual e de relacionamento adequada de maneira a ajudá-los a entender a coerção sexual, falar sobre saúde sexual ou até mesmo entender padrões de relacionamento saudáveis e abusivos. Instituir uma educação sexual abrangente pode ajudar a proteger as crianças do abuso sexual.

 

Não tolerar uma cultura de medo em torno da sexualidade significa olhar honestamente para nossa resistência em trazer para as nossas escolas programas de educação sexual que mostram reduzir o abuso sexual infantil. Significa olhar criticamente para o que constitui um adulto sexualmente saudável e como nossa fé católica ajuda a promover ou impedir essa formação. Isso nos ajudará a obter as ferramentas de que precisamos para falar efetivamente sobre abuso sexual, coerção e dano; traumas sexuais; vítimas, sobreviventes e policiais; autonomia sexual; e muito mais. Isso pode ajudar a criar uma cultura de saúde sexual e uma comunidade de pessoas sexualmente saudáveis. Salvaguardar, então, não é algo que você precisa fazer como um curativo para um problema, mas é um subproduto de uma comunidade sexualmente saudável.

 

Comprometer-se com a rigorosa formação sexual sacerdotal

 

Junto com a promoção de uma sexualidade saudável dentro do laicato, a Igreja deve se comprometer a abordar essa cultura de medo e subsequente ignorância e evitação (ou seja, abuso da sexualidade) dentro da formação sacerdotal. Embora possa haver alguma formação sexual nos seminários, os padres geralmente não são educados sobre saúde sexual, dando-lhes uma compreensão das muitas maneiras pelas quais a sexualidade existe em nossas vidas, incluindo e além de sua natureza genital.

 

Quando os padres recebem educação sexual abrangente, eles têm as ferramentas para entender como o trauma sexual funciona de maneira intrapessoal, interpessoal e institucional. Eles podem entender a experiência de seus próprios desejos sexuais e os tipos de comportamentos que contribuem para a satisfação sexual enquanto entendem os limites sexuais. Eles podem identificar melhor como a dinâmica de gênero pode influenciar os relacionamentos. Eles podem diferenciar entre comportamentos coercitivos e não coercitivos. Se muitos padres estão lidando com vergonha sexual, essa formação pode ajudá-los a identificar as fontes dessa vergonha e processá-la de forma eficaz.

 

Comprometer-se com declarações institucionais de cumplicidade na negligência do abuso sexual, nomear a disfunção sexual institucional e dar declarações orientadas à justiça às vítimas

 

Conforme solicitado pelo Vaticano II (Gravissimum Educationis, 1) e reiterado pelo Papa Francisco (Amoris Laetitia, 280), a liderança católica precisa levar a sério a questão da vergonha sexual religiosa e destacar a bondade da sexualidade incorporada. Declarações da hierarquia reconhecendo a dinâmica da disfunção sexual na instituição e sua cumplicidade em manter os católicos sexualmente ignorantes podem ser um ponto de partida inovador para a Igreja Católica. Pode incutir fé de que os líderes da Igreja estão cientes de que existem questões sistêmicas maiores relacionadas à sexualidade e que tem desempenhado um papel importante na facilitação de uma cultura católica da sexualidade que não reconhece e reverencia a bondade sexual de todas as pessoas. Eu entendo que este é um passo muito grande, mas pode ser incrivelmente significativo para aqueles prejudicados por um abuso católico da sexualidade.

 

Há vítimas que ainda não estão sendo ouvidas. Os sobreviventes adultos estão sendo informados por líderes católicos que seu abuso “não conta”. Não apenas as declarações oficiais precisam abordar todos os tipos de abuso sexual, mas as vítimas, sobreviventes e policiais devem ser incluídos no processo do início ao fim. O compromisso de adotar uma abordagem informada sobre o trauma ao longo deste processo significa comprometer-se a perguntar como as vítimas sentem que foram validadas e ouvidas ao longo deste processo.

 

Continuar esta colaboração interdisciplinar

 

Terapeutas, clérigos, sociólogos, economistas, teóricos organizacionais, teólogos, formadores e treinadores participaram da conferência da Fordham. Esta concessão deu à Igreja a oportunidade de colaboração interdisciplinar sobre este assunto extremamente importante. Deste trabalho surgiram grandes peças sobre medidas práticas que podem ser tomadas em níveis institucionais. Precisamos continuar este trabalho e trazer ainda mais erudição para o rebanho.

 

Das muitas maneiras pelas quais a colaboração interdisciplinar é importante, a Igreja precisa dar uma olhar criticamente a teologia sexual católica e a literatura de saúde sexual sobre questões relacionadas à integração sexual – ou ser capaz de crescer em adultos sexualmente saudáveis. Nossa compreensão da sexualidade humana cresceu imensamente nos últimos 100 anos, e devemos incorporar o que aprendemos em nossa teologia sexual católica.

 

Reorientar nossa atenção para a sexualidade saudável abrange a prevenção do abuso e muito mais. Uma Igreja sexualmente saudável é uma Igreja mais segura. Até que façamos disso um foco na Igreja Católica, nosso abuso de sexualidade continuará a produzir abusadores sexuais baseados na fé – uma contradição fundamental do Evangelho.

 

Como comunidade, devemos continuar encontrando soluções para nos tornarmos pessoas sexualmente saudáveis para acabar com o abuso sexual na Igreja Católica e além. Trabalhar para o bem comum faz parte da nossa fé católica. Como bem observou João Paulo II em sua encíclica Sollicitudo Rei Socialis, fazemos isso “porque todos somos realmente responsáveis por todos”.

 

 Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Contra o abuso católico da sexualidade. Como a Igreja deve fomentar uma cultura saudável da sexualidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV