Os escândalos dos abusos sexuais não acabaram. A cultura hierárquica ainda precisa de transformação

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • Estamos em guerra: nacionalismo, imperialismo, cosmopolítica. Artigo de Étienne Balibar

    LER MAIS
  • Em vitória histórica, STF reconhece proteção do clima como dever constitucional

    LER MAIS
  • “Negociação, ou será destruição total.” Entrevista com Gaël Giraud

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


13 Janeiro 2022

 

“Eu apoio totalmente um banco de dados nacional de abusadores. Seria mais um passo em direção à honestidade e transparência. No entanto, a exposição, por mais necessária que seja, não atinge o nível de transformação que os católicos devem esperar de uma comunidade sacramental baseada na vida de Jesus. Ainda estamos esperando que a cultura hierárquica demonstre que realmente acredita e pratique o que há muito prega”, escreve o jornalista estadunidense Tom Roberts, em artigo publicado por National Catholic Reporter, 12-01-2022. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Eis o artigo.

 

Em uma matéria de 2004 no New York Times a manchete dizia em caixa alta: “ESCÂNDALO DE ABUSOS ACABOU, DIZEM BISPOS”.

Entre esses bispos estava um jovem Wilton Gregory que, dois anos antes e como presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos EUA – USCCB, tinha conduzido o resto da hierarquia dos EUA através da primeira fase de responsabilização pelo escândalo.

A manchete foi baseada em uma declaração de Gregory, feita após a divulgação de dois estudos sobre o escândalo. “A terrível história registrada aqui hoje é história”, disse ele.

Isso, é claro, acabou sendo mais desejo do que realidade. A finalidade implícita na declaração ainda iludiu os bispos, um ponto deixado claro pela recente avaliação de Barbara Thorp, que assumiu o trabalho de dirigir a resposta da Arquidiocese de Boston às vítimas em 2002, quando o mundo eclesial estava explodindo. Ela afirma que, apesar das décadas de divulgações e revelações que surgiram de reportagens investigativas, relatórios do grande júri, casos civis, a coragem de inúmeras vítimas e reformas relutantes que resultaram em maior transparência, ainda há muito que não sabemos.

“Apesar dos importantes esforços dessas entidades e pessoas, eles estão todos limitados pela realidade de que eles só sabem o que sabem. Eles não sabem o que não sabem”, escreveu ela. “A extensão total da história ainda está para ser contada e é mantida pela arquidiocese, dioceses, eparquias e ordens religiosas”.

O que o jovem Gregory exemplificou em suas declarações e o que Thorp se opõe em seu apelo por “dizer a verdade radical” por parte da hierarquia é a própria cultura da hierarquia. O que não pode ser exagerado neste ponto da história pública de quase 40 anos do escândalo é a força que a cultura hierárquica – essa construção privilegiada, secreta, irresponsável e exclusivamente masculina – pode aplicar contra qualquer movimento em direção à verdade.

Os bispos como um grupo são impedidos de contemplar tal passo libertador pelos requisitos de pertencimento à cultura. A cultura quer que o escândalo seja uma história escondida.

Como resultado, os bispos parecem incapazes de enfrentar a pergunta que deveriam estar se fazendo antes de qualquer outra, a pergunta no centro da questão: como nós, como uma cultura de líderes cristãos, chegamos ao ponto em que poderíamos virar as costas sobre o sofrimento das crianças para proteger os agressores e a nós mesmos?

Uma preocupação paralela para os leigos é entender como chegamos a aceitar uma ideia bizarra de ordenação que elevava aqueles que usavam o colar a um nível de reverência que os colocava em uma bolha etérea além da responsabilidade. Temos que reconhecer que nossos ancestrais imigrantes queriam que nossos bispos vivessem como príncipes, imitando os mais ricos da sociedade em geral, uma espécie de prova coletiva de que chegamos como americanos.

Nós, também, enfrentamos uma questão fundamental: juraremos nunca dar a nenhum humano o grau de autoridade sobre nossas vidas, como antes demos aos padres e bispos?

Alguns anos atrás, um amigo padre e eu estávamos discutindo essa questão de cultura. Ele era sacerdote na época há quase 45 anos, ocupou cargos de responsabilidade na conferência nacional e em uma grande arquidiocese. Algum tempo depois dessa conversa, recebi um e-mail no qual ele detalhava algumas de suas percepções sobre a cultura que governa a Igreja.

“Se você e eu tivéssemos um mapa de contorno dos EUA e fôssemos solicitados a preencher as jurisdições, colocaríamos os limites dos estados e as linhas das cidades”, explicou ele. “A cultura colocaria nas dioceses. Se quiséssemos saber quem são os líderes de uma área, consultaríamos algo como o diretório do Congresso. A cultura retiraria o Anuário Pontifício”.

“Onde as pessoas comuns veriam o abuso sexual de crianças como um crime hediondo, a cultura os vê como pecados e falhas”, escreveu ele. “O foco da sociedade nesses casos seria nas crianças, mas para a cultura clerical sem filhos, o foco está no padre. Onde um pai comum imaginaria o dano que poderia ser causado se este fosse seu próprio filho, a cultura não tem capacidade sequer de imaginar como um pai se sentiria. Em vez disso, a imaginação é autofocalizada: como seria se eu fosse acusado?”.

A accountability para as autoridades civis pode ser algo dado para os cidadãos comuns, mas dentro da cultura, disse ele, “a accountability nunca é imaginada como algo que devemos ao povo ou às autoridades civis, em vez disso, estamos isentos disso como se vivêssemos em algum lugar medieval. Devemos prestar contas apenas ao bispo e ao papa”.

Certamente, em tudo o que ocorreu desde que a primeira história nacional sobre abuso sexual foi veiculada no NCR no verão de 1985, a cultura fez algumas alterações. Tem-se submetido a estudos elaborados e auditorias anuais, mantendo-se notadamente o controle das informações que vão para esses esforços. Os bispos desenvolveram agências de supervisão e estabeleceram conselhos de revisão nos níveis nacional e local. O Vaticano mudou as leis e seus processos legais para lidar com mais eficiência não apenas com padres abusivos, mas também com bispos que escondem tais crimes.

Tudo isso é progresso, incremental, mas essencial. Tudo isso, no entanto, também é uma mudança forçada de fora. Além disso, é o tipo de mudança que qualquer organização pode se sentir compelida a fazer por questão de sobrevivência. De maior importância: é mudança, não transformação.

O que está faltando é o que os católicos esperam de uma vida sacramental. Os esforços carecem de qualquer sentido de “metanoia”, aquela profunda transformação do coração que significa que o ofensor entende a profundidade e o dano da ofensa e, consequentemente, vê e age de maneira diferente.

No jargão do escândalo, nos beneficiamos de alguns que “entenderam”. Exemplos de dentro da cultura incluem o padre dominicano Tom Doyle; Patrick Wall e o falecido Richard Sipe, ambos ex-padres beneditinos; padre James Connell de Wisconsin; o falecido bispo Geoffrey Robinson da Austrália; o cardeal Sean O'Malley de Boston; e o arcebispo aposentado Diarmuid Martin de Dublin. Eles são alguns dos agentes de alto-escalão.

Alguns ficaram, outros foram embora, mas todos em diferentes graus e métodos e em diferentes momentos agiram contrariamente às normas da cultura.

Devemos agradecer a eles pelos saltos na divulgação, pela defesa inflexível das vítimas e pelas explicações de como a cultura funciona. Ao conduzir os serviços de reconciliação, O'Malley e Martin forneceram alguma medida de responsabilidade, aceitando a responsabilidade e pedindo perdão pela dor e danos aos mais vulneráveis e suas famílias.

Mas mesmo esses serviços demonstraram o que faltava em um nível mais profundo. Pois O'Malley e Martin não estavam se desculpando ou se reconciliando com suas congregações por suas transgressões pessoais. Muito pelo contrário, cada um era amplamente reconhecido como um dos poucos de sua estatura que “conseguiam fazer”. O'Malley foi jogado de paraquedas em dioceses, a pior delas Boston, para tentar reparar os danos deixados por outros colegas. Martin foi um dos poucos que demonstrou raiva pelo que descobriu quando assumiu o cargo em Dublin e, mais raro ainda, entregou voluntariamente os arquivos que estava revisando às autoridades civis.

Cada um estava avançando, representando a cultura hierárquica que ainda precisa se adequar à verdade total de sua corrupção.

Conversei com Martin em 2011, quando ele estava falando em uma conferência da Marquette University Law School e disse a ele como era incomum ouvir a clareza e a honestidade com que ele descreveu o escândalo.

Ele olhou para mim com uma espécie de incredulidade, levantou os braços e, repetindo uma linha de seus comentários anteriores, disse com força: “Eu só estava fazendo o que era certo!”.

Sim, ele estava. Ele também estava abordando as questões corretas. Em suas observações durante a conferência, ele disse: “A cultura do clericalismo deve ser analisada e abordada. Havia fatores de uma cultura clerical que de alguma forma facilitaram o comportamento abusivo desastroso a continuar por tanto tempo?”. A clareza e as perguntas eram altamente incomuns na época e permanecem assim.

Assim como O'Malley e Martin representavam a cultura hierárquica, Gregory mais velho e presumivelmente muito mais sábio também o era quando, após sua nomeação como arcebispo de Washington, conheceu a mídia pela primeira vez. Nessa aparição, ele repetidamente enfatizou que seria honesto.

“Acredito que a única maneira de servir à arquidiocese local é dizendo a verdade”, disse ele.

Gregory não estava fazendo essa declaração porque havia mentido. De fato, pode-se argumentar que ele fez mais do que qualquer indivíduo em 2002 para levar os bispos de décadas de negação ao primeiro passo essencial no caminho para consertar as coisas. Naquele ano da reunião de Dallas e da aprovação da Carta para a Proteção de Crianças e Jovens, os bispos pela primeira vez reconheceram o problema corporativamente.

O que Gregory estava fazendo naquela entrevista coletiva em Washington em 2019 era reconhecer que a cultura que ele representava mentiu de maneira exorbitante e altamente destrutiva por décadas.

Ele acrescentou um comentário revelador sobre a cultura: “Parte do clericalismo está circulando os vagões para que o episcopado não chame um ao outro. Acho que este momento mostrou a loucura dessa abordagem ao governo episcopal e à colegialidade episcopal”.

Adotar uma abordagem diferente exigiria mais do que mudar as regras institucionais. Exigiria uma profunda mudança de coração que alterasse radicalmente as relações dentro da comunidade católica.

Thorp é uma assistente social clínica, independente e ex-diretora do Escritório Pró-Vida e Escritório de Apoio Pastoral e Proteção à Criança na Arquidiocese de Boston. Ela sabe do que está falando. Ela sabe que ainda há muito que não sabemos. O escândalo não acabou.

Recentemente, ouvimos os suspiros das revelações do impensável na França. Dizem-nos para esperar algo semelhante em breve da Alemanha. Apenas começamos a ouvir falar da horror que ainda está surgindo na Ásia, África e América Latina. É claro que continuaremos aprendendo mais sobre como a confiança da comunidade foi traída.

Eu apoio totalmente, assim como muitos outros que estão investigando para descobrir a verdade dessa bagunça há tanto tempo, um banco de dados nacional de abusadores. Seria mais um passo em direção à honestidade e transparência.

No entanto, a exposição, por mais necessária que seja, não atinge o nível de transformação que os católicos devem esperar de uma comunidade sacramental baseada na vida de Jesus.

Ainda estamos esperando que a cultura hierárquica demonstre que realmente acredita e pratique o que há muito prega.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os escândalos dos abusos sexuais não acabaram. A cultura hierárquica ainda precisa de transformação - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV