Ucrânia, fontes ocidentais: “A Rússia poderia recorrer a armas químicas”

Mais Lidos

  • No episódio dessa semana, as contradições de um Brasil dual, o Papa se manifesta sobre o caso Rupnik e a homossexualidade, o Dia de Memória do Holocausto e mais

    Informe IHU: 27/01/2023

    LER MAIS
  • Holocausto: as raízes não devem ser esquecidas

    LER MAIS
  • Papa Francisco: conservadores assustados com a possível escolha de um jovem bispo progressista para o ex-Santo Ofício

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

10 Março 2022

 

Após o trágico bombardeio de hoje contra o hospital infantil de Mariupol, as potências ocidentais não excluem mais nada de parte da Rússia. Nem mesmo um violento ataque com armas químicas na Ucrânia. Isso foi relatado por altas fontes ocidentais, que dizem estar "seriamente preocupadas" com os possíveis próximos movimentos de Moscou, também porque a invasão russa está "indo muito mal": "Temos boas razões para temer que Putin possa usar armas não convencionais na Ucrânia".

 

A reportagem é de Antonello Guerrera, publicada por La Repubblica, 09-03-2022. A tradução é de Luisa Rabolini.

 

Inclusive armas químicas? As mesmas fontes ocidentais não desmentem isso de forma alguma. “Infelizmente vimos o que aconteceu em outros cenários de guerra em que a Rússia esteve implicada”, assinala-se, “existe a possibilidade de falsos ataques provocativos ‘false flag’ e outras táticas já vistas no passado”. As preocupações nessas horas estão ligadas a uma atividade particular de Moscou que as autoridades ocidentais teriam descoberto.

"A tensão é muito alta no possível próximo passo da ofensiva russa", acrescentam as fontes, e há uma razão em particular. "Percebemos que a campanha de desinformação de Moscou é muito ativa em relação a armas não convencionais". Em suma, criar as falsas condições para uma provocação e reaja com o uso de armas poderosas e devastadoras, inclusive aquelas químicas. "Já vimos isso no passado, por exemplo na Síria", continuam as fontes, "estas condições são criadas para justificar o uso de armas não convencionais" pela Rússia ou "seus aliados".

Segundo as mesmas fontes, a situação geral da guerra na Ucrânia é "decididamente preocupante". Até mesmo na Rússia, onde, após as sanções ocidentais e as restrições ainda mais liberticidas decididas por Vladimir Putin, "parece ter voltado aos anos 1980. O exército russo não estava mental e materialmente preparado para enfrentar um ataque militar desse tipo: para muitos soldados, foi dito que seria muito simples. E Putin nunca entendeu a Ucrânia, muito menos o Ocidente, vendo quais foram suas reações. “Por isso", continuam as altas fontes, "o presidente russo cometeu erros graves nesta invasão".

"É claro que esperamos que as negociações entre a Ucrânia e a Rússia levem a algo", continuam as fontes ocidentais, "é bom que a Turquia e Israel estejam fazendo todo o possível para tentar melhorar a situação. Devemos apoiar, mas também evitar a OTAN seja envolvida, enquanto também seguiremos esse caminho diplomático. Mas, alertam "esta é uma tragédia para o povo ucraniano e também para o povo russo" que não está alinhado com Putin. "Estamos prontos para o pior".

 

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Ucrânia, fontes ocidentais: “A Rússia poderia recorrer a armas químicas” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU