Floresta amazônica já perde capacidade de recuperação

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa Franciso, mais uma vez, surpreende. Artigo de Eduardo Hoornaert

    LER MAIS
  • Movimentos no pós-pandemia. Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • “Não podemos mais ignorar o debate sobre a redução da jornada de trabalho porque funciona para muitas empresas”. Entrevista com Pedro Gomes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Março 2022

 

A floresta amazônica provavelmente está perdendo resiliência, sugere a análise de dados de imagens de satélite de alta resolução. Isso se deve ao estresse de uma combinação de extração de madeira e queimadas – a influência da mudança climática causada pelo homem não é claramente determinável até agora, mas provavelmente será muito importante no futuro.

 

A informação é publicada por Potsdam Institute for Climate Impact Research (PIK) e reproduzida por EcoDebate, 08-03-2022. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

 

Para cerca de três quartos da floresta, a capacidade de se recuperar de perturbações vem diminuindo desde o início dos anos 2000, o que os cientistas veem como um sinal de alerta. A nova evidência é derivada de análise estatística avançada de dados de satélite de mudanças na biomassa e produtividade da vegetação.

“Resistência reduzida – a capacidade de se recuperar de perturbações como secas ou incêndios – pode significar um risco aumentado de morte da floresta amazônica. É preocupante ver tal perda de resiliência em observações”, diz Niklas Boers, do Instituto Potsdam para Impacto Climático, Research e da Universidade Técnica de Munique, que conduziu o estudo em conjunto com pesquisadores da Universidade de Exeter, no Reino Unido.

“A floresta amazônica abriga uma variedade única de biodiversidade, influenciando fortemente as chuvas em toda a América do Sul por meio de sua enorme evapotranspiração e armazena enormes quantidades de carbono que podem ser liberados como gases de efeito estufa no caso de morte parcial, em por sua vez, contribuindo para o aquecimento global”, explica Boers. “É por isso que a floresta tropical é de relevância global”.

A Amazônia é considerada um potencial elemento de tombamento no sistema Terra e diversos estudos revelaram sua vulnerabilidade. “No entanto, estudos de simulação de computador de seu futuro produzem uma grande variedade de resultados”, diz Boers. “Portanto, estamos analisando dados observacionais específicos em busca de sinais de mudanças de resiliência durante as últimas décadas. Vemos uma diminuição contínua da resiliência da floresta tropical desde o início dos anos 2000, mas não podemos dizer quando uma transição potencial de floresta tropical para savana pode acontecer. ser observável, provavelmente seria tarde demais para pará-lo.” A pesquisa faz parte do projeto “Tipping Points in the Earth System” (TiPES) financiado pelo programa Horizon 2020 da União Europeia.

A equipe do Instituto Potsdam para Pesquisa de Impacto Climático e do Instituto de Sistemas Globais da Universidade de Exeter usou indicadores de estabilidade que já haviam sido aplicados à camada de gelo da Groenlândia e à circulação do Atlântico. Esses indicadores estatísticos visam prever a aproximação de um sistema em direção a uma mudança abrupta, identificando uma desaceleração crítica da dinâmica do sistema, por exemplo, sua reação à variabilidade climática. A análise de dois conjuntos de dados de satélite, representando a biomassa e o verde da floresta, revelou a desaceleração crítica. Essa desaceleração crítica pode ser vista como um enfraquecimento das forças restauradoras que geralmente trazem o sistema de volta ao equilíbrio após perturbações.

Embora um sistema possa parecer estável se considerarmos apenas seu estado médio, examinar mais de perto os dados com métodos estatísticos inovadores pode revelar perda de resiliência”, diz Chris Boulton, do Instituto de Sistemas Globais da Universidade de Exeter. “Estudos anteriores baseados em computador as simulações indicaram que grandes partes da Amazônia podem estar comprometidas com a extinção antes de mostrar uma forte mudança no estado médio. Nossa análise observacional agora mostra que, em muitas áreas, a desestabilização já parece estar em andamento.”

Para tentar determinar as causas da perda de resiliência que os cientistas encontram nos dados, eles exploraram a relação com as chuvas em uma determinada área da Amazônia, culminando em três eventos de seca ‘uma vez por século’ na região. As áreas mais secas acabam por estar mais em risco do que as mais húmidas. “Isso é alarmante, pois os modelos do IPCC projetam uma seca geral da região amazônica em resposta ao aquecimento global antropogênico”, diz Boers. Outro fator é a distância de uma área para estradas e assentamentos de onde as pessoas podem acessar a floresta. Os dados confirmam que as áreas próximas ao uso humano da terra estão mais ameaçadas.

“Nossa nova análise de dados empíricos traz evidências adicionais para as preocupações sobre a resiliência da floresta, especialmente no futuro próximo”, diz Tim Lenton, diretor do Global Systems Institute. “Isso confirma que limitar fortemente a extração de madeira, mas também limitar as emissões globais de gases de efeito estufa, é necessário para proteger a Amazônia”.

 

Foto: Reprodução

 

a) Um mapa dos valores de Kendall t de células individuais da grade de 2003.

b) Histograma dos valores de Kendall t para a floresta amazônica, considerando dados de 2003 em diante. Das células da grade, 76,2% têm um valor positivo de Kendall t a partir de 2003 e 77,8% têm isso para a série temporal completa.

c) Série temporal média VOD AR(1) (linha sólida) juntamente com ±1 sd (linhas pontilhadas) criadas a partir de células de grade que têm fração BL =?80% na bacia amazônica e também não contêm uso humano da terra (texto principal e Métodos). A série temporal AR(1) completa de 1991 (cinza) tem um valor Kendall t de 0,589 (P = 0,006) e a partir de 2003 (preto), um valor de 0,913 (P < 0,001). Observe que os valores AR(1) são plotados no final de cada janela deslizante de 5 anos. Esboços do país e da bacia amazônica produzidos conforme descrito na Fig. 1.

 

Referência:

Boulton, C.A., Lenton, T.M. & Boers, N. Pronounced loss of Amazon rainforest resilience since the early 2000s. Nat. Clim. Chang. (2022). Disponível aqui.

 

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Floresta amazônica já perde capacidade de recuperação - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV