Bergoglio, ao Santo Sínodo Ortodoxo: “Façamos do Chipre uma ponte entre o céu e a terra”

Revista ihu on-line

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mais Lidos

  • A liturgia e o desejo de comunhão: sobre "Desiderio desideravi" do Papa Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


06 Dezembro 2021

 

  • "Descendemos do mesmo ardor apostólico e estamos unidos por um único caminho: o do Evangelho. Agrada-me ver que continuamos a caminhar na mesma direção, em busca de uma fraternidade crescente e de uma unidade plena".
  • "Desejo assegurar-vos a minha oração e proximidade, assim como a da Igreja Católica, tanto nos problemas mais dolorosos que vos angustiam, como nas mais belas e audaciosas esperanças que vos animam. As vossas dores e alegrias são nossas, nós os sentimos nossos; e também sentimos que precisamos muito de suas orações".
  • “Não nos permitimos ficar paralisados ​​pelo medo de nos abrirmos e fazermos gestos ousados, não endossamos o “caráter inconciliável das diferenças ” que não encontra correspondência no Evangelho”.
  • “Se deixarmos de lado as teorias abstratas e trabalharmos lado a lado - por exemplo, na caridade, na educação e na promoção da dignidade humana - redescobriremos o irmão e a comunhão amadurecerá por si mesma, para glória de Deus”.
  • “Quantas vezes na história, entre os próprios cristãos, nos preocupamos em nos opor aos outros, em vez de aceitar mansamente o caminho de Deus, que tende a consertar as divisões da caridade. Quantas vezes aumentamos e espalhamos preconceitos sobre os outros”.
  • Grito ecumênico do Papa: “O Evangelho se transmite por comunhão”.
  • Chrysostomos acusa a Turquia de "um plano de limpeza étnica" contra Chipre. “Uma barbárie incrível”, que “destruiu a nossa cultura clássica”.

 

A reportagem é de Jesús Bastante, publicada por Religión Digital, 03-12-2021.

 

"Façamos do Chipre - que já é uma ponte entre o Oriente e o Ocidente - uma ponte entre o céu e a terra. Assim seja, para a glória da Santíssima Trindade, para o nosso bem e de todos". Pegando os grandes santos comuns: Barnabé, Paulo, Marcos, Epifânio, Bárbara, Espiridião..., Francisco clamou durante seu encontro com o Santo Sínodo Ortodoxo para "navegar juntos para o porto pelo qual todos suspiramos".

 

Um apelo à unidade, um apelo sinodal, que começou muito cedo, com uma visita privada do Papa a Sua Beatitude Crisóstomo II, Arcebispo Ortodoxo de Chipre, na sede do arcebispado, e que continuou na catedral ortodoxa de Nicósia, antes os "queridos bispos" da comunhão ortodoxa.

 

Papa Francisco no encontro com o Santo Sínodo Ortodoxo (Foto: Santa Sé)

 

Crisóstomos: "Um plano de limpeza étnica"

 

O líder ortodoxo ofereceu um relato da história da fé no Chipre, bem como "um ardor da Igreja" pelas raízes cristãs da Europa ("Chipre é a porta do cristianismo para os gentios"), e acusou a Turquia de ter "desarraigado 70% de nossa terra", queimando templos cristãos e profanando o nome de Deus. Chrysostomos acusou a Turquia de "um plano de limpeza étnica" contra Chipre.

 

“Uma barbárie incrível”, que “destruiu a nossa cultura clássica”. "Eles confiscaram nossas igrejas bizantinas."

 

"Eles não apenas imitaram a barbárie sangrenta de Átila, mas o fizeram pior do que ele", afirmou o líder ortodoxo. «O nosso povo sofredor homenageia o Senhor da Justiça», concluiu, pedindo a mediação de Francisco, como já tinha feito Bento XVI face ao «saque» de bens que, disse, a Turquia continua a fazer.

 

Uma origem apostólica comum

 

Bergoglio agradeceu “a abertura de coração e o compromisso de promover o diálogo entre nós”, todos os cristãos que “têm uma origem apostólica comum”, quando Paulo cruzou Chipre e depois chegou a Roma.

 

«Descendemos do mesmo ardor apostólico e estamos unidos por um único caminho: o do Evangelho», sublinhou o Papa. “Estou feliz em ver que continuamos a caminhar na mesma direção, em busca de uma fraternidade crescente e plena unidade”.

 

Papa Francisco no encontro com o Santo Sínodo Ortodoxo (Foto: Santa Sé)

 

Filhos da consolação

 

Evocando, como o fez no encontro com o clero católico do país, São Barnabé, Francisco quis referir-se ao significado do seu nome: "Significa ao mesmo tempo"filho da consolação" e "filho da exortação"".

 

«É lindo que ambas as características, indispensáveis ​​ao anúncio do Evangelho, se fundem na sua figura», propôs Francisco. E é que « toda a verdadeira consolação não pode ser íntima, mas deve traduzir-se na exortação, orientando a liberdade para o bem. Ao mesmo tempo, cada exortação na fé só pode basear-se na presença consoladora de Deus e ser acompanhada pela caridade fraterna".

 

Barnabé, filho da consolação, exorta-nos seus irmãos a assumirem a mesma missão de anunciar o Evangelho aos homens, convidando-nos a compreender que o anúncio não pode se basear em exortações gerais, na repetição de preceitos e normas a serem observadas, como tem sido feito com frequência”, alertou Francisco.

 

E mais: "Temos tem que seguir o caminho do encontro pessoal, estar atento às questões das pessoas, às suas necessidades existenciais". Porque «para sermos filhos da consolação, antes de dizer qualquer coisa, é necessário escutar, deixar-se questionar, descobrir o outro, partilhar: porque o Evangelho se transmite pela comunhão».

 

Redescobrir o caminho sinodal

 

«É isso que, como católicos, queremos viver nos próximos anos, redescobrindo a dimensão sinodal, constitutiva do ser da Igreja», sublinhou, reafirmando o caminho sinodal em que inseriu a Igreja Católica. «E nisto sentimos a necessidade de caminhar mais intensamente convosco, queridos irmãos, que pela experiência da vossa sinodalidade podem realmente ser de grande ajuda para nós».

 

«Obrigado pela vossa colaboração fraterna, que se manifesta também na participação ativa na Comissão conjunta internacional para o diálogo teológico entre a Igreja Católica e a Igreja Ortodoxa», acrescentou o Papa, exortando «a encontrar-se, a conhecer-se melhor, derrubar muitos preconceitos e preparar-nos para uma escuta serena das respectivas experiências de fé”, que resultará em“ um fruto espiritual de consolação para todos”.

 

Um consolo mútuo, de que também fala Paulo, e que Francisco queria assumir. «Desejo assegurar-vos a minha oração e proximidade, assim como a da Igreja Católica, tanto nos problemas mais dolorosos que vos angustiam, como nas mais belas e audaciosas esperanças que vos animam. As vossas dores e alegrias são nossas, nós os sentimos nossos. E também sentimos que precisamos muito de suas orações. "

 

Mapa da Europa (Fonte: Educação e Transformação)

 

Para livrar-se do que não é essencial

 

O segundo aspecto, como São Barnabé é conhecido, é o de "um levita nascido no Chipre" que "vendeu um campo de sua propriedade, trouxe a quantia e a colocou à disposição dos apóstolos". Dispor-se de nós mesmos, gesto que, segundo Francisco, “sugere que para nos revitalizarmos na comunhão e na missão devemos também ter a coragem de nos despojar daquilo que, embora valioso, é fundamento, para promover a plenitude da unidade".

 

“Certamente não me refiro ao que é sagrado e nos ajuda a encontrar o Senhor, mas ao risco de absolutizar certos usos e costumes que não são essenciais para viver a fé”, alertou. «Não nos permitimos ficar paralisados ​​pelo medo de nos abrirmos e de fazer gestos ousados, não apoiamos o «caráter inconciliável das diferenças» que não encontra correspondência no Evangelho», disse o Papa. “Não permitamos que as tradições - no plural e com“ t ”minúsculo - tendam a prevalecer sobre a Tradição - no singular e com“ t ”maiúsculo.

 

“Somos convidados pelo Senhor a nos redescobrir como parte do mesmo Corpo, a nos rebaixar aos pés dos irmãos”, disse Bergoglio, que reconheceu como, ao longo da história, “grandes sulcos se abriram entre nós, mas o Espírito Santo quer que nos aproximemos novamente com humildade e respeito".

 

Trabalhar lado a lado

 

“Se deixarmos de lado as teorias abstratas e trabalharmos juntos - por exemplo, na caridade, na educação e na promoção da dignidade humana - vamos redescobrir o irmão e a comunhão amadurecerá por si mesma, para glória de Deus”, ele propôs. «Cada um manterá as suas maneiras e o seu estilo mas, com o tempo, o trabalho conjunto aumentará a harmonia e será fecundo. Assim como estas terras mediterrânicas foram embelezadas pelo trabalho respeitoso e paciente do homem, também nós cultivaremos, com a ajuda de Deus e com humilde perseverança, nossa comunhão apostólica”.

 

Um exemplo desta colaboração mútua é a Igreja de Nossa Senhora da Cidade Dourada, aqui no Chipre, local de culto de várias confissões cristãs, “um sinal de comunhão de fé e de vida, sob o olhar da Mãe de Deus., quem reúne seus filhos ".

 

Finalmente, um terceiro aspecto da vida de Barnabé, seu encontro com Elimas, um falso profeta "que se opôs a eles maliciosamente". “Hoje também não faltam as falsidades e os engodos que o passado nos coloca e que nos atrapalham. Séculos de divisões e distâncias que têm levado à assimilação, mesmo que involuntariamente, não poucos preconceitos hostis para com os outros, preconceitos muitas vezes baseados na informação deficiente e distorcida, divulgada por uma leitura agressiva e polêmica”.

 

«Tudo isto - acrescentou o Papa - distorce o caminho de Deus, que se orienta para a harmonia e a unidade». “Quantas vezes na história, entre os próprios cristãos, nos preocupamos em nos opor aos outros, em vez de aceitar mansamente o caminho de Deus, que tende a consertar as divisões da caridade. Quantas vezes ampliamos e difundimos preconceitos sobre os outros”, afirmou Francisco, e pediu, para concluir clamando por aquela "ponte entre o céu e a terra", aquele "navegando juntos" entre os cristãos. Todos, seguidores de Jesus.

 

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Bergoglio, ao Santo Sínodo Ortodoxo: “Façamos do Chipre uma ponte entre o céu e a terra” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV