EUA-China: Um caminho sem volta?

Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Mais Lidos

  • Reformas essenciais necessárias em nossa Igreja hoje. Documento da Catholic Church Reform International

    LER MAIS
  • Os dois santos que me salvaram da escrupulosidade

    LER MAIS
  • A grande guerra contemporânea e a diplomacia vaticana. Entrevista com Pietro Parolin, secretário de Estado da Santa Sé

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Abril 2021

 

“Quem vai julgar, os chineses, as pessoas dos países desenvolvidos ou a maioria das pessoas do mundo? O que os indianos ou outros asiáticos, por exemplo, pensarão? Por alguns anos, vimos uma guerra se aproximando, mas agora a grande questão parece ser: com essa massa crescente de problemas, como a guerra pode ser evitável? Talvez todas as pessoas no mundo tenham que pensar muito sobre isso, especialmente aquelas nos EUA e na China, que ingenuamente tocavam tambores beligerantes”, escreve o sinólogo italiano Francesco Sisci, em artigo publicado por Settimana News, 23-04-2021. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

 

Eis o artigo.

 

O presidente da China, Xi Jinping, aceitar participar da cúpula convocada pelo presidente dos EUA Joe Biden sobre mudança climática foi um raro raio de luz no meio de uma situação muito sombria.

 

Diferenças e rivalidade

Os dois países têm diferenças e divergências quanto a ideologia, cultura, civilização, comércio, administração de moeda, Hong Kong, Xinjiang e direitos humanos. Existe rivalidade pela primazia global. Existem disputas em andamento no ciberespaço e no espaço; há uma grande competição por tecnologia e pela Iniciativa Um Cinturão e Uma Rota.

Existem reivindicações conflitantes e disputas profundas em muitas áreas geopolíticas: Taiwan, Mar do Sul da China, Ilhas Senkaku, fronteira com a Índia, Coreia do Norte e as negociações e o futuro de Mianmar, Irã e Rússia. Há crescentes fissuras sobre o papel futuro do yuan digital em relação ao dólar.

Existem tensões demais, e parece provável que essas tensões não possam ser resolvidas e sejam exageradas. Além disso, as mudanças tectônicas globais que estão sendo provocadas pela covid e suas consequências estão alimentando ainda mais essas tensões.

As vacinas estão criando uma área para tensões diplomáticas e políticas, e os pacotes de estímulo aumentam ainda mais as divergências.

 

Aumento financeiro

Europa, Estados Unidos e Japão precisam e querem um pacote de estímulo para tirar a economia da atual crise. Será possivelmente o maior pacote de ajuda financeira da história global. Milhares de trilhões serão despejados na economia para remodelar o sistema de riqueza e o comércio mundial. As medidas vão trazer inflação e já há sinais nos Estados Unidos de que os preços estão entrando em alta.

A China, por outro lado, não precisa de um pacote de estímulo. Apresentou crescimento de 18,3% no primeiro trimestre do ano e um grande plano de infraestrutura já está em andamento. Além disso, a demanda global por produtos industriais chineses impulsiona o crescimento na China nos últimos meses.

Além disso, uma injeção de dinheiro poderia forçar a China a importar inflação com aumentos de preços de commodities, petróleo e minério, e assim impor aumentos de preços de ações à classe média chinesa com consequências insondáveis. Qualquer um desses desafios poderia ser resolvido por si mesmos, mas, combinados, eles causam um grande ponto de interrogação.

 

Sem status quo prévio

Com certeza, a União Europeia está quase desmoronando após o Brexit, como se a saída do Reino Unido da união gerasse uma desordem maior. Angela Merkel está se aposentando na Alemanha e não há certezas sobre quem seguirá sua forte liderança. Emmanuel Macron na França é forte, mas o desafio colocado pela extrema-direita não deve ser subestimado.

Na Itália, tem-se o paradoxo de um líder muito forte, Mario Draghi, em um corpo extremamente fraco, o sistema de partidos italianos, que está quase se dissolvendo no ar. As coisas podem até estar melhores nos Estados Unidos, mas não muito.

A divisão entre democratas e republicanos é difícil de superestimar, e o ex-presidente Donald Trump continua extremamente controverso na política americana. A divisão cultural está ficando muito profunda, com a esquerda se apegando a uma nova correção política que molda tudo e a região central do país sentindo-se esquecida e preterida pelas duas costas.

Ferrovias e rodovias dificilmente param no Meio-Oeste, onde não há crescimento e onde as pessoas se apegam a uma forma conservadora, senão reacionária, de ver o mundo. Em tudo isso, no Ocidente e na China, as pessoas pensam que essas divisões significam que os Estados Unidos e a Europa nunca conseguiriam dominar a unidade necessária para enfrentar a China de forma dura.

Por outro lado, algumas pessoas no Ocidente pensam que confrontar a China poderia ser uma bênção, já que a China pode se tornar a única coisa que une os países do Ocidente e lhes dá um motivo alternativo para seguir em frente.

Em tudo isso, não há status quo anterior para voltar. Se a paz for encontrada, não pode ser a situação que existia cinco ou seis anos atrás. Isso acabou. Aqui, os EUA têm alguns planos: forçar Xi a renunciar ou derrubar o PCC. Esses planos podem ser questionáveis, difíceis de obter, mas são objetivos concretos. Por outro lado, a China não tem “contra-proposta”.

Aparentemente, quer o status quo anterior, mas isso já se foi e não está claro o que um novo status quo pode ser. O confronto de duros, embora talvez ofensivos, gols americanos com a falta de gols chineses constrói um labirinto impossível de comunicações em curto-circuito.

 

O que a China pode fazer nisso tudo?

Além disso, não há um esforço contínuo para conter as tendências atuais, até porque as principais fontes de impulso no momento são as vacinas e os pacotes de estímulo, que afastam esta parte do mundo da China e contra ela.

O que a China pode fazer em tudo isso? Já no final da década de 1990, na época do relatório Cox e logo após o retorno de Hong Kong ao continente, a China deveria ter pensado que esse dia de acerto de contas teria chegado e deveria ter abordado uma das questões que poderiam ajudar a mitigar a situação.

Certamente, fazer mudanças suficientes no sistema político pode não ter evitado totalmente a situação atual, mas um diálogo, mesmo um choque entre dois sistemas democráticos, tem menos probabilidade de terminar em um confronto destrutivo.

Japão e Estados Unidos tiveram suas diferenças nas décadas de 1980, 1990 e início do século XXI, e os Estados Unidos tiveram profundas divergências com a União Europeia. No entanto, apesar de toda a retórica ruim, nenhum desses conflitos resultou em guerra porque eles faziam parte de uma aliança militar e eram todos democracias.

Em tudo isso, era possível ver o caminho a seguir para a China há 20 anos. A China deveria ter buscado uma maior colaboração militar com os Estados Unidos, reformas democráticas e um ensino de inglês mais amplo e mais rápido para conectar mais chineses com o resto do mundo e, assim, fazê-los valer mais.

O maior obstáculo foi o fracasso em ter uma verdadeira transição de poder de Jiang Zemin para Hu Jintao no Congresso do Partido em 2002. Então Hu Jintao foi nomeado secretário do partido, mas Jiang Zemin permaneceu como chefe da poderosa Comissão Militar. Isso criou uma grande confusão na administração e uma situação em que todos estavam no comando de tudo, muita gente tinha poder de veto e decisões profundas politicamente sensíveis foram adiadas, não tomadas ou apenas minimamente tratadas.

 

Justiça, não hegemonia

Por outro lado, os dividendos comerciais e econômicos foram distribuídos em uma espécie de sistema instável que ia de cima para baixo sem muita organização. Este sistema durou por mais de uma década até que Xi Jinping assumiu o poder dez anos depois, marginalizando seus antecessores e começando a desvendar a bagunça existente. Ele fez isso, é claro, entrando em conflito com os interesses adquiridos que haviam sido construídos nas últimas décadas.

Ele também o fez da maneira mais fácil que era natural para o sistema partidário que governava a China por dentro e por fora - isto é, concentrando o poder em suas mãos. No entanto, com o andamento de toda política, isso criou problemas próprios e, na verdade, essa concentração de poder impede agora a China de se engajar nas reformas políticas e na cooperação militar que poderiam aproximar a China dos EUA e, assim, diminuir o atrito.

Em Bo'ao, em 20 de abril, Xi argumentou corretamente que o mundo precisa de justiça, não de hegemonia, mas quem pode fornecer justiça? O que é justiça ou injustiça? A justiça está tirando 1,4 bilhão de pessoas da pobreza, como os chineses com razão tem se orgulhado, mas e sobre reprimir os dissidentes?

 

Como a guerra pode ser evitável?

Quem vai julgar, os chineses, as pessoas dos países desenvolvidos ou a maioria das pessoas do mundo? O que os indianos ou outros asiáticos, por exemplo, pensarão?

Por alguns anos, vimos uma guerra se aproximando, mas agora a grande questão parece ser: com essa massa crescente de problemas, como a guerra pode ser evitável? Talvez todas as pessoas no mundo tenham que pensar muito sobre isso, especialmente aquelas nos EUA e na China, que ingenuamente tocavam tambores beligerantes.

Nos EUA, a onda de sentimento anti-Pequim estava crescendo lentamente e também seria demorada e difícil de controlar.

Xi pode reverter a situação na China, um país com um sistema muito diferente e mais responsivo ao seu líder? Também será muito difícil e o Partido Comunista Chinês é uma fera muito difícil de domar, como atestou a longa campanha anticorrupção, mas Xi se mostrou cauteloso, inteligente e extremamente corajoso. Se talvez haja um homem que possa fazer isso, pode ser ele.

 

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

EUA-China: Um caminho sem volta? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV