O Papa e a viagem ao Iraque. Rumo ao encontro histórico com o Aiatolá anti Irã

Mais Lidos

  • “O mundo da educação foi sobrecarregado e perturbado pelo surgimento do ChatGPT”. Discurso do cardeal José Tolentino de Mendonça

    LER MAIS
  • O “Filioque” e a história. Artigo de Flávio Lazzarin

    LER MAIS
  • Genocídio Yanomami em debate no IHU. Quanta vontade política existe para pôr fim à agonia do povo Yanomami? Artigo de Gabriel Vilardi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Revista ihu on-line

Zooliteratura. A virada animal e vegetal contra o antropocentrismo

Edição: 552

Leia mais

Modernismos. A fratura entre a modernidade artística e social no Brasil

Edição: 551

Leia mais

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

04 Janeiro 2021

A viagem do Papa em março: em estudo um encontro com o líder espiritual xiita Sistani.

A reportagem é de Paolo Rodari, publicada por Repubblica, 30-12-2020. A tradução é de Luisa Rabolini.

O grande aiatolá al Sistani, líder espiritual xiita, adversário do Irã e defensor da autonomia dos xiitas iraquianos, poderia se encontrar com o Papa Francisco em Najaf durante a visita deste último ao Iraque, de 5 a 8 de março próximo. A Santa Sé está trabalhando na organização de um encontro que também prevê a assinatura do documento em prol da fraternidade humana para a paz mundial e a convivência comum que o Papa Bergoglio já assinou em 4 de fevereiro do ano passado em Abu Dhabi junto com o grande imã sunita de Al-Azhar, Ahmad Al-Tayyeb.

Se as diplomacias conseguirem chegar a um acordo, o encontro terá um impacto importante e decisivo a nível internacional na convivência pacífica e no diálogo entre as partes. “Esperamos que a Santa Sé diga algo sobre esta proposta compartilhada com Najaf”, disse ao SIR o Patriarca Caldeu de Bagdá, Cardeal Louis Rapahel Sako. E ainda: “Como se sabe, os xiitas são a maioria no Iraque e o grande aiatolá aqui tem um enorme significado religioso, político e social”.

Al Sistani, de 90 anos, é o líder de uma minoria islâmica que, graças a ele, conseguiu deter a ofensiva jihadista no Iraque, pôr um fim à presença do autodenominado Estado Islâmico em Mosul e concluir a libertação do país do jugo dos homens de Abu Bakr al Baghdadi. Expoente da cúpula da Hawza de Najaf e referência para milhões de fiéis xiitas dentro e fora das terras dos dois rios, al Sistani tem sido um importante apoio do governo de Washington nos últimos anos em suas políticas destinadas a enfraquecer o Irã khomeinista.

O Papa Francisco e a Santa Sé não estão à procura de relações que aumentem as divisões, mas, pelo contrário, trabalham pela paz entre as diferentes filiações religiosas. O Vaticano está ciente de que parte do esforço pela paz e pela reconstrução do Iraque é dificultado pelas tensões entre os Estados Unidos e o Irã. Mas a assinatura que pede a al Sistani é a mesma que foi solicitada ao imã de al Azhar e visa garantir que entre xiitas e sunitas possa finalmente reinar uma paridade de cidadania e que a religião não seja mais um pretexto para alimentar divisões e ódios mútuos.

No passado, Francisco se reuniu com religiosos xiitas iranianos, mas nunca com um líder não sunita do calibre de al Sistani. O mundo islâmico reconhece que o Papa possui um carisma único em conseguir abrir portas que parecem fechadas. Todos o viram em ação na reunião com o líder dos yazidi ou nos apelos em defesa dos uigures na China e dos rohingya em Mianmar. Sako diz: “É um homem simples, que não tem medo de ir direto ao encontro do outro e os muçulmanos admiram muito esses gestos; eles nos dizem que ele é um Papa especial e que deu muitos passos na direção do diálogo”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa e a viagem ao Iraque. Rumo ao encontro histórico com o Aiatolá anti Irã - Instituto Humanitas Unisinos - IHU